O Último dos Moicanos: O Atestado Médico…

quinta-feira, 19 de janeiro de 2006

O Atestado Médico…

Imagine que é professor, que é dia de exame nacional e que, vai ter de fazer uma vigilância. Continue a imaginar... O despertador avariou durante a noite... Ou ficou preso no elevador... Teve, portanto, de faltar à vigilância. Tem falta injustificada. Ora esta coisa de um professor ficar com faltas injustificadas é muito complicada, por isso convém justificá-la. A questão agora é: como justificá-la?
Passemos então à parte divertida.
A única justificação para faltar a uma vigilância é o Atestado Médico. O facto de ficar preso no elevador, ou do despertador avariar, não interessa para nada. Qualquer pessoa com um pouco de bom senso percebe que quem precisa aqui do atestado médico será o despertador ou o elevador... Mas não!... Só uma doença poderá justificar a sua ausência na sala do exame.
Vai ao médico... E, a partir deste momento, a situação deixa de ser divertida para passar a ser hilariante.
Chega-se ao médico com o ar mais saudável deste mundo... Por exemplo, com o sorriso do Jorge Gabriel misturado com o ar rosado do Gabriel Alves e a felicidade do padre Milícias. A partir deste momento mágico, gera-se um fenómeno que só pode ser explicado através de noções básicas da psicopatologia da vida quotidiana. Os mesmos que explicam uma hipnose colectiva em Felgueiras, Gondomar ou Oeiras, os fãs do nazismo ou o sucesso de alguns programas da TVI. O professor sabe que não está doente... O médico sabe que o professor não está doente... O Presidente do Conselho Executivo da escola sabe que o professor não está doente… O Director Regional de Educação sabe que o professor não está doente... A Ministra da Educação sabe que o professor não está doente... Até o próprio legislador, que manda a um professor que fica preso no elevador apresentar um atestado médico, sabe que o professor não está doente.
Ora, num país em que isto acontece, para além do despertador que não toca ou do elevador que fica parado, o único que está doente é o país... Um país assim, onde a mentira é legislada, só pode mesmo ser um país doente.
Vamos lá ver, a mentira em si não é patológica. Até pode ser racional e útil em certas ocasiões. O que já será patológico é o desejo que temos de sermos enganados ou a capacidade para fingirmos que a mentira é verdade. Lá nesse aspecto somos um bom exemplo do que dizia Goebbels: "uma mentira várias vezes repetida transforma-se numa verdade." Já Aristóteles percebia uma coisa muito engraçada: “quando vamos ao teatro, vamos com o desejo e uma predisposição para sermos enganados.” Mas isso é normal. Sabemos bem, depois de termos chorado baba e ranho a ver o "ET", que este é um boneco e que temos de poupar a baba e o ranho para outras ocasiões.
O problema é que em Portugal a ficção se confunde com a realidade. Portugal é ele próprio uma produção fictícia... A começar pela política. Os nossos políticos são, na sua maioria, compulsiva e descaradamente mentirosos. Só que ninguém leva a mal porque já estamos habituados. Aliás, em Portugal é-se penalizado por falar verdade, mesmo que seja por boas razões, o que significa que em Portugal não há boas razões para falar verdade...
Vejamos, se eu, num ambiente formal, disser a uma pessoa que tem uma nódoa na camisa, ela irá levar a mal. Fica ofendida. Se eu digo isso é para a ajudar, para que possa disfarçar a nódoa e não fazer má figura. Mas ela fica zangada comigo só porque eu vi a nódoa, sabe que eu sei que tem a nódoa e porque assumi perante ela que sei que tem a nódoa e que sei que ela sabe que eu sei. Nós, portugueses, adoramos viver enganados, iludidos e achamos normal que assim seja. Por exemplo, lemos revistas sociais e ficamos derretidos ao vermos casais felicíssimos e com vidas de sonho. Pronto, sabemos que aquilo é tudo mentira, que muitos deles divorciam-se ao fim de três meses e que outros vivem um alcoolismo disfarçado. Mas adoramos fingir que aquilo é tudo verdade. Somos pobres, mas queremos viver como os alemães e os franceses. Somos culturalmente ignorantes, mas somos doutores e engenheiros. Fazemos malabarismos e contorcionismos financeiros, mas vamos passar férias a Fortaleza, ou à Suiça. Fazemos estádios caríssimos para dois ou três jogos em 15 dias, temos auto-estradas modernas e europeias apesar de as Portagens nos custarem os olhos da cara... (já para não falar no novo aeroporto na Ota... ou no TGV), mas para ver passar, a seu lado, entulho, lixo, mato por limpar, eucaliptos, floresta queimada, barracões com chapas de zinco e fábricas desactivadas.
Portugal mente compulsivamente. Mente perante si próprio e mente perante o mundo. Claro que não é um professor que falta à vigilância de um exame por ficar preso no elevador, ou o despertador não funcionar, que precisa de um atestado médico. É Portugal que precisa, antes que seja demasiado tarde!…

Etiquetas: , ,

15 Comments:

Blogger Cleopatra said...

"Vamos lá ver, a mentira em si não é patológica. Até pode ser racional e útil em certas ocasiões. O que já será patológico é o desejo que temos de sermos enganados ou a capacidade para fingirmos que a mentira é verdade. Lá nesse aspecto somos um bom exemplo do que dizia Goebbels: "uma mentira várias vezes repetida transforma-se numa verdade." Já Aristóteles percebia uma coisa muito engraçada: “quando vamos ao teatro, vamos com o desejo e uma predisposição para sermos enganados.” Mas isso é normal. Sabemos bem, depois de termos chorado baba e ranho a ver o "ET", que este é um boneco e que temos de poupar a baba e o ranho para outras ocasiões."

GOSTO; GOSTO; GOSTO!

Até pareço eu a bater nos "tipos"....

Modéstia à parte claro!

(Tosse)

sexta-feira, janeiro 20, 2006 12:21:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Bata que eu ajudo...
Que o país dos "brandos costumes" não se transforme no país dos brandos carneiros!...

sexta-feira, janeiro 20, 2006 1:39:00 da manhã  
Blogger DarkMorgana said...

ES-PEC-TA-CU-LAR!!!
Qualidade com Sarcasmo q.b.
(Se bem que para o nosso país o sarcasmo nunca é demais...)

É que...as "iludências aparudem"!!!

E o ridículo é que isso é que é considerado normal!
Porque "Portugal é uma produção fictícia"! LINDO!

Grande Chefe podia ser comentador de televisão!
Grande Chefe ter sentido crítico muuuuito apurado e muuuito lúcido também (o que falta a um ou outro comentador...)

Estou a gostar desta outra faceta, Apache...

sexta-feira, janeiro 20, 2006 2:01:00 da manhã  
Blogger Eva said...

E se fosse possível arranjar um atestado médico ao país?
Já agora antes de domingo.
Além tem por aí um médico "amigo"?
Já dizia o Alexandre O'Neill "Portugal não é um país, é só um lugar mal frequentado"...
Tenho ideia que já me estou a repetir!

sábado, janeiro 21, 2006 1:34:00 da manhã  
Blogger Carla Ferreira said...

Continuando a ideia da Eva... Ainda bem que não é necessário um atestado médico para faltar às urnas...
Se não... julgo que os médicos iam ter um fim de semana muito atribulado!!!
Nem para "escolher" ou "não escolher"... os Portugueses mostram o seu ponto de vista...
Onde está aquela grande nação de aventureiros????

domingo, janeiro 22, 2006 4:55:00 da tarde  
Blogger joana said...

nação de aventureiros? conforme está o país acho que os portugueses estão para todos menos para aventuras. mesmo eu não percebendo nada de política, acho que hoje em dia os políticos só vão para a política para "encher os bolsos". Acho que aventura, aventura, vem aventurada, é naquelas alturas em que durante uma semana não se ouve dizer que o preço do petróleo aumentou...acho que isso sim, é uma aventura para os portugueses.
enfim...não liguem ao meu "insignificam te" comentario, porque é apenas aquilo que penso.

continua com o blog apache...ta muito giro...

beijinhos***

domingo, janeiro 22, 2006 9:08:00 da tarde  
Blogger Carla Ferreira said...

Joana... os comentários de cada um nunca são insignificantes... são concretos, reais e pessoais! Por isso os devemos sempre ter e afirmar com a nossa convicção!

;) ;)

domingo, janeiro 22, 2006 11:35:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Pois é Joana, a Carla tem razão, não são nada insignificantes, são a tua opinião e, todos temos direito à nossa opinião.
Aquando da invasão do Iraque pelos E.U.A., o escritor Moçambicano, Mia Couto, escreveu uma carta a George Bush, onde a propósito das alegadas armas de destruição maciça que nos queriam fazer crer que o Saddam possuía, dizia: "nós, os povos pobres dos países pequenos, temos uma arma de construção maciça a capacidade de pensar pela nossa própria cabeça."
É algo que cada vez mais os "Senhores do Mundo" se esforçam por nos retirar, mas que devemos fazer questão de defender.

segunda-feira, janeiro 23, 2006 3:42:00 da manhã  
Blogger Cleopatra said...

Subscrevo.

segunda-feira, janeiro 23, 2006 8:10:00 da tarde  
Blogger Carla Ferreira said...

Força Joana ...
Obg...
;)

terça-feira, janeiro 24, 2006 10:11:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Obrigado pelas visitas Carla, espero continuar a "vê-la" por cá.

quarta-feira, janeiro 25, 2006 2:37:00 da manhã  
Blogger leonor alba said...

Todos estão de acordo.

Afinal, onde estão os "mentirosos" que alimentam o portugal mentiroso?

Pois, pois...

segunda-feira, maio 15, 2006 1:17:00 da manhã  
Blogger redonda said...

Bem, pelo menos a médica na fotografia é bonita...

segunda-feira, setembro 04, 2006 9:35:00 da tarde  
Blogger redonda said...

Percebi! Que gostos idênticos que nada! Desde criança que sempre achei os meninos, como dizer? mais interessantes...
E, a propósito, li uma vez numa revista que tinham feito uma experiência científica, colocando bébés dos dois sexos e vestidos da mesma forma, numa sala, constatando depois os cientistas que os bébés rapazinhos se reuniam de um lado e as bébés meninas do outro (deviam ir gatinhando...). O que deixou os cientistas perplexos é como se identificaram uma vez que os próprios cientistas não o conseguiam fazer (sem os examinarem de uma forma mais aproximada, bem entendido, senão seriam uns cientistas bem incompetentes). Na revista concluiam o artigo referindo que ainda hoje os cientistas não descobriram como é que os bébés fizeram. Este artigo suscita-me diversas questões, nomeadamente: qual seria a ideia dos bébés a separarem-se? falarem eles delas e vice-versa? difícilmente porque ainda não falavam... e ainda: mas estes cientistas não têm mais nada que fazer?

terça-feira, setembro 12, 2006 9:56:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Curioso, sem dúvida...

sábado, dezembro 09, 2006 1:24:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home