O Último dos Moicanos: "Fado Perdição" - Cristina Branco

domingo, 1 de outubro de 2006

"Fado Perdição" - Cristina Branco

[O velhinho "fado perdição" que tantos interpretaram, mais que pela música, vale pelo poema e (aqui) por uma das mais belas vozes da nova geração de fadistas.]
video
“Este amor não é um rio, tem a vastidão do mar… E a dança verde das ondas soluça no meu olhar. Tentei escrever as palavras nunca ditas entre nós… Mas pairam sobre o silêncio nas margens da nossa voz. Tentei esquecer os teus olhos, porque não sabem ler os meus… Mas neles cresce a alvorada que amanhece a Terra e os Céus. Tentei esquecer o teu nome, arrancá-lo ao pensamento… Mas regressa a cada instante entrelaçado no vento. Tentei ver a minha imagem mas foi a tua que vi no meu espelho… porque trago os olhos rasos de ti. Este amor não é um rio, tem abismos como o mar… E o manto negro das ondas cobre-me de negro o olhar. Este amor não é um rio… Tem a vastidão do mar…” Fado Perdição – Cristina Branco

Etiquetas: , , ,

13 Comments:

Blogger redonda said...

Gostei muito do poema que escreveste...

segunda-feira, outubro 02, 2006 1:25:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Não é meu! Cristina Branco (da nova geração de fadistas)
Chama-se "Fado Perdição", é do CD "Murmúrios" de 1999.

segunda-feira, outubro 02, 2006 2:02:00 da manhã  
Blogger Cleopatra said...

Tentei esquecer o teu nome,
arrancá-lo ao pensamento…
Mas regressa a cada instante
entrelaçado no vento.

segunda-feira, outubro 02, 2006 2:14:00 da manhã  
Blogger redonda said...

Pois é, devo estar a precisar de óculos, ou no caso, de lentes de contacto novas porque não vi as letras pequeninas... muito triste :)
E porque não conheço não seria uma boa ideia colocares o vídeo aqui? Assim também podia ouvi-la a cantar...
É que agora além de descobrir que são à Milú e os Cócós (ainda não consegui saber) tenho que tratar de ouvir como é que esta canta. Isto está a ficar muito trabalhoso...

segunda-feira, outubro 02, 2006 8:24:00 da tarde  
Blogger DarkMorgana said...

Bem escolhido, Apache!
O poema é lindo...

segunda-feira, outubro 02, 2006 9:30:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Conheces algum "site" com vídeos de música portuguesa, que dê para copiar os "codecs" para aqui, Redonda?

Também acho, Morgana!

terça-feira, outubro 03, 2006 11:32:00 da tarde  
Blogger Anjinha said...

Owa :o)
que poema lindo :o)

Um beijo grande :o)

quarta-feira, outubro 04, 2006 9:38:00 da tarde  
Blogger redonda said...

Bem, na verdade nunca procurei mas vou procurar e se encontrar venho logo aqui dizer-te...

quinta-feira, outubro 05, 2006 10:07:00 da tarde  
Blogger Cleopatra said...

Este amor não é um rio,
tem abismos como o mar…
E o manto negro das ondas
cobre-me de negro o olhar.

Este amor não é um rio…
Tem a vastidão do mar…”


Li e reli

sexta-feira, outubro 06, 2006 10:35:00 da tarde  
Blogger Cleopatra said...

Um tema apaixonante, este dos amores "impossíveis"...
É pouco relevante (no meu modesto ponto de vista) se a relação é homossexual ou heterossexual.
A questão do casamento do Jorge, a filha dele, talvez o facto de o Manuel ser "apenas" o assistente, a dificuldade em assumir a outra relação, etc. Em suma, a falta de coragem dele, retratada nas palavras frias e directas do Manuel, "és um maricas!"

Esta tendência para considerarmos impossível a "única" coisa na vida pela qual faz sentido lutar, a felicidade, está aqui muito bem explorada.

Um texto destes, merecia outras guerras nos comentários!

Abril 17, 2006 11:58 PM

Reli este seu comentário
Lembra-se onde o fez?
E pergunto-lhe: Então porque é que não lutamos pela nossa felicidade?
Então porque é que nos acomodamos em silêncios?
Porque é que não compreendemos que os outros têm de perceber que temos como eles de ser felizes?
Porque é que tantas pessoas sofrem em silêncio e se tornam amrgas?
Porque são mal amadas?

Ai Apache...
vale uma postagem sobre isto?

domingo, outubro 08, 2006 12:38:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Humm, se leu e releu é porque gostou... Agrada-me!

Pelo visto, também gostou do meu comentário à "postagem" "Homens de negro" no "Primeiro Moicano"?!
Pois é, mantenho, aquele "post" merecia outros comentários, com mais... sangue na guelrra.

"E pergunto-lhe: Então porque é que não lutamos pela nossa felicidade?
Então porque é que nos acomodamos em silêncios?
Porque é que não compreendemos que os outros têm de perceber que temos como eles de ser felizes?
Porque é que tantas pessoas sofrem em silêncio e se tornam amargas?
Porque são mal amadas?"
Tantas perguntas?! Olhe que eu sou professor mas não tenho respostas para tudo...
Temos, não só o direito, mas o dever de lutar pela nossa felicidade.
Receio é que alguns passem a vida a lutar e entre "tantas" batalhas perdidas, acabem por perder a guerra, mas a esperança deve ser a última a cair!

"Vale uma postagem sobre isto?"
Talvez, num outro dia, quem sabe...

domingo, outubro 08, 2006 2:56:00 da manhã  
Blogger Cleopatra said...

“Este amor não é um rio,
tem a imensidão do mar…

Não me canso de ler a letra deste fado

terça-feira, outubro 24, 2006 10:12:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Finalmente adicionado o áudio. Mais vale tarde…

terça-feira, julho 28, 2009 2:24:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home