O Último dos Moicanos: O "eduquês" e o "legislês"

domingo, 6 de abril de 2008

O "eduquês" e o "legislês"

«Para quem se interroga sobre o verdadeiro conceito de "eduquês", aqui está um belo paradigma. O "eduquês" é a linguagem do sistema, entendido este como um pacto entre elites dominantes de académicos que abominam ensinar, de políticos incompetentes e burocratas de serviço.
Os acontecimentos da Carolina Michaëlis, a dar fé à imprensa, chocaram também Cavaco Silva, que resolveu convocar o procurador-geral da República. Foi a última iniciativa de uma série que "judicializou" um acontecimento lamentável (a vários títulos, que não só o do comportamento da aluna e colegas), mas que é de natureza estritamente disciplinar e escolar. Pena foi que o Presidente da República não se tenha chocado mais cedo com tantas iniciativas que, por acção ou omissão, promoveu e que ajudaram a robustecer o sistema. Por todas, e como mero exemplo, lembro esse monumento ao "eduquês" (Lei nº 23/2006, de 23 de Junho), que promulgou sem pestanejar. Segundo tal diploma legal, e cito o que na altura escrevi, um grupo de jovens de seis anos de idade, seis, pode constituir-se em associação de estudantes. Se o fizer, tem direito a apoio financeiro, técnico, formativo e logístico por parte do Estado. Tem direito a tempo de antena no serviço público de rádio e de televisão. O Estado deverá remeter a esse grupo de jovens todos os projectos de actos legislativos que se refiram à definição, planeamento e financiamento do sistema educativo, à gestão das escolas, ao acesso ao ensino superior, à acção social escolar e aos planos de estudos, reestruturação e criação de novos agrupamentos e áreas curriculares ou disciplinas, para que eles emitam sobre o mesmo o seu parecer. Para além da audição obrigatória por parte do Estado, como referido, estes jovens de seis anos ainda têm o direito de ser consultados pelos órgãos de gestão das escolas que frequentem, quanto às seguintes matérias: projecto educativo da escola; regulamentos internos; planos de actividades e orçamento; projectos de combate ao insucesso escolar; avaliação; acção social escolar; organização de actividades de complemento curricular e do desporto escolar.»
Santana Castilho - Professor Universitário

Etiquetas: ,

3 Comments:

Blogger Diogo said...

Cavaco Silva está apenas a jogar em auto-defesa. Ele sabe que está a entrar na terceira idade (criança outra vez), e ao adivinhar, a curto prazo, as falhas de raciocínio, a baba a escorrer-lhe pela boca e o uso obrigatório de fraldas, legisla no sentido de não lhe poderem retirar cargos políticos.

segunda-feira, abril 07, 2008 7:47:00 da tarde  
Blogger cris said...

Acho que está na moda o "tiro no pé", entre a camada política.

terça-feira, abril 08, 2008 8:59:00 da tarde  
Blogger Cleopatra said...

E ainda há o Juridisquês!

sábado, abril 12, 2008 10:54:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home