O Último dos Moicanos: Avaliação Fatal…

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Avaliação Fatal…

O INA (Instituto Nacional de Administração) está a levar a cabo uma série de seminários sobre avaliação de desempenho do pessoal docente. Os destinatários são essencialmente os membros dos Conselhos Executivos, e os Coordenadores responsáveis pela avaliação dos professores. O formador é o senhor Jorge Fatal Nogueira, licenciado em Engenharia de Sistemas Decisionais, pós graduado em Marketing, MBA… [Calma, não comecem já a rir…., o resto do currículo está no “site” do INA.] As turmas têm 25 alunos, a acção decorre em dois dias (num total de 16 horas e custa 200 euros. [Também não valem palavrões… são só 312,5 € por hora e provavelmente não é só para o senhor Fatal, que eventualmente até paga impostos…] Dois destes seminários já decorreram, um (nos passados dias 9 e 10), no Agrupamento de Escolas Ferrer Correia e outro (nos dias 12 e 13), nas instalações do INA em Oeiras. Mas não vale a pena ficarem tristes por não terem participado, pois a dose “fatal” repetir-se-á a 22 e 23 do corrente, no Agrupamento de Escolas Martins de Freitas (Coimbra) e ainda em mais 9 outras datas (disponíveis também no “site” do INA). Para quem ainda assim não consiga arranjar vaga [ou não queira atirar 200 € para o chapéu do artista], porque não quero que os colegas fiquem privados das competências que este seminário certamente vos forneceria [espero que não estejam a rir outra vez…], deixo aqui a “ferramenta” (termo usado pelo próprio) Fatal, composta por 96 condutas [algumas são repetidas, devem ter peso duplo…] sobre as quais, supostamente, incidiria a nossa avaliação… "CONDUTAS 1. É pontual. 2. Disponibiliza-se para actividades que ultrapassam obrigações horárias/profissionais. 3. Cumpre prazos. 4. Quando trabalha em equipa é um elemento participativo e não conflituoso. 5. Zela e preserva material/equipamento escolar. 6. Proporciona ambiente calmo, propício à aprendizagem. 7. Numa reunião tem uma atitude de colaboração e de entreajuda. 8. Manifesta opinião própria e construtiva relativamente a assuntos debatidos. 9. Não gera mau ambiente no local de trabalho. 10. Evita banalidades e perda de tempo. 11. É receptivo à mudança. 12. Dá sugestões / tem opiniões críticas para melhoria de serviços. 13. Faz formação de acordo com o projecto educativo da escola. 14. Faz formação na sua área específica. 15. Disponibiliza-se para apoiar os alunos após as horas lectivas, sempre que considere necessário. 16. Regista e avalia o cumprimento das actividades planificadas. 17. Estabelece planos de acção para corrigir desvios. 18. Apoia o desenvolvimento de métodos de aprendizagem / estudo. 19. Estabelece e faz respeitar regras de convivência, colaboração e respeito. 20. Aplica os critérios de avaliação aprovados pelos órgãos competentes. 21. Cumpre o horário - substitui parâmetros de assiduidade. 22. Mantém a calma perante uma situação de tensão com alunos, professores ou pais. 23. Mantém limpo e arrumado o local de trabalho. 24. Oferece-se para ajudar em outras áreas que não a sua quando é necessário. 25. Predispõe-se para ajudar as pessoas aquando da necessidade de urgência no serviço
26. Conhece o PE da escola, a missão e a visão da escola. 27. Utiliza correctamente os equipamentos. 28. Verifica o estado dos equipamentos antes e depois da sua utilização. 29. Zela pelo cumprimento do regulamento interno da escola. 30. É educado e cordial com todos os elementos da comunidade escolar. 31. Perante uma situação determinada, apresenta diferentes alternativas como solução. 32. Comunica por escrito ao conselho executivo sugestões a implementar (por ex: com base na análise de melhores práticas de outras escolas ou organizações) que ajudam a garantir um serviço de mais qualidade. 33. Mantém a confidencialidade e discrição perante determinadas situações. 34. Recolhe diferentes opiniões ou sugestões procurando criar sinergias com os seus colegas com a mesma função. 35. Colabora / age no sentido de proporcionar um bom clima de escola. 36. Resolve situações de conflito sem ter que solicitar ajuda extra. 37. Assiste a aulas de colegas sempre que considera útil. 38. Permite que outros colegas assistam a aulas suas. 39. Actua de forma rápida e eficaz, de acordo com critérios predefinidos, dentro das acções previstas nos processos de trabalho em que está envolvido. 40. Age com assertividade e discernimento, encontrando as soluções mais pertinentes para cada situação, apresentando-as ao respectivo responsável hierárquico. 41. Analisa problemas e toma decisões relativas a rotinas de trabalho, não necessitando de apoio superior. 42. Avalia sistematicamente os resultados que se propõe atingir e reformula as actividades para atingir os resultados de forma mais eficaz. 43. Cumpre prazos. 44. Transmite a sua opinião de forma racional e controlada. 45. É receptivo à mudança e envolve os seus pares para melhorar a sua área, a dos outros e a escola no seu todo, não se opondo às questões. 46. Quando é chamado a desenvolver outras actividades, encara sempre a situação de uma forma positiva, predispondo-se para actuar. 47. Revela empenho no desenvolvimento das tarefas, realizando-as antecipadamente. 48. Toma decisões e assume a responsabilidade não jogando a culpa dos problemas para cima de outros. 49. Sugere soluções inovadoras, antecipando a ocorrência de problemas. 50. Gere com eficiência todos os meios existentes na escola. 51. Procura todas as oportunidades de formação de forma a alargar conhecimentos específicos relativos à área da sua intervenção. 52. Propõe actividades com vista à modernização e desenvolvimento da comunidade onde se integra (extravasando os limites da escola). 53. Supera as expectativas do grupo com contribuições activas de desenvolvimento, motivando estes a seguir o exemplo, oferecendo ajuda e dando opiniões construtivas (não havendo rejeições das suas contribuições). 54. Assiste a eventos desenvolvidos por qualquer tipo de entidade. 55. Está ao corrente de situações e dificuldades de outras escolas desenvolvendo soluções na escola como prevenção. 56. Perante uma dificuldade na escola conversa com outros colegas que possam partilhar situações similares e sugere determinadas acções. 57. Traz à escola pessoas de assuntos de interesse partilhando experiências. 58. Desenvolve planos de acção para a implementação de melhores práticas pesquisadas e adequadas à escola. 59. Fomenta o networking interno e externo através de comunicações e actividades.60. Analisa continuamente as tendências dos outros e procura implementar as melhores práticas para encontrar as melhores soluções. 61. Aplica a formação recebida nas tarefas que lhe são atribuídas. 62. Aproveita ideias de outras áreas ou de organizações semelhantes e adapta-as à sua. 63. Avalia sistematicamente os resultados que se propõe atingir e reformula as tarefas, no sentido da melhoria, ou seja, faz alterações ao previsto, para atingir os resultados de forma mais eficaz. 64. Consegue sinergias com outras áreas da organização no sentido de facilitar ou agilizar o serviço. 65. Identifica situações que fogem do padrão do controle previsto e apresenta soluções ao Coordenador no sentido de evitar possíveis problemas. 66. Organiza e coordena actividades consideradas por outras áreas como melhores práticas e incorpora-as com vista à superação dos resultados previamente estabelecidos, apresentando propostas ao Coordenador para superação de objectivos através de um plano de acção. 67. Orienta e planeia acções com uma visão partilhada que potencia a missão e os valores da organização. 68. Partilha técnicas, ferramentas e conhecimentos dentro da organização. 69. Partilha técnicas, ferramentas e conhecimentos fora da organização, por exemplo fazendo apresentações em congressos, palestras, etc. 70. Partilha técnicas, ideias e recursos melhorando o trabalho em equipa através de aconselhamentos aos seus colaboradores. 71. Predispõe-se para ajudar as pessoas aquando da necessidade de urgência no serviço. 72. Procura todas as oportunidades de formação de forma a alargar conhecimentos específicos relativos à área da sua intervenção. 73. Sempre que verifica alguma anomalia mesmo que não seja da sua área sugere soluções simples mas concretas. 74. Contribui para a mudança planeando melhores práticas e tomando iniciativas, com base em projectos de autonomia e liderança, medindo o grau de satisfação de pelo menos 75% dos seus colaboradores através de pesquisas de satisfação rápidas. 75. Apresenta por escrito propostas de soluções novas de problemas fora da sua área de trabalho e de actuação. 76. Cria acções novas e motivadoras para a manutenção da disciplina na sala. 77. Cria e implementa novas formas e metodologias que favorecem a participação dos alunos na realização da aula. 78. Cria ferramentas de controle da sua actividade ou de outros dentro da organização que sejam simples mas resolvam os problemas de acompanhamento. 79. Cria instrumentos que proporcionam auto avaliação dos alunos com rigor e objectividade. 80. Cria novos métodos de estudo para os alunos, demonstrando a sua eficácia. 81. Cria novos sistemas ou metodologias nas turmas que estimulam o processo de ensino-aprendizagem. 82. Cria processos e critérios de avaliação e partilha com os avaliados, obtendo consenso e validação. 83. Desenvolve recursos inovadores para a realização de actividades lectivas. 84. É capaz de desenhar condutas observáveis dos colegas avaliados de forma simples e objectiva. 85. Envolve-se em projectos comunitários inovadores por iniciativa própria. 86. Estabelece mecanismos novos de seguimento ou acompanhamentos da implementação dos planos de melhoria negociados com os avaliados. 87. Executa um projecto de liderança inovador e consegue implementar ideias revolucionárias e estratégicas, envolve as pessoas nesses projectos não deixando de fora ninguém. 88. Inova com ideias jamais testadas em algum lado e prova que a organização poderá beneficiar disso. 89. O professor cria e implementa processos claros e reconhecidos pelos alunos para facilitar a sua disponibilidade e apoio aos mesmos. 90. Preocupa-se no desenho e implementação de novas ideias criadas por ele que ajudem a escola na redução do abandono escolar. 91. Propõe novas actividades com vista à modernização e desenvolvimento da comunidade onde se integra. 92. Quando apresenta os problemas apresenta também hipóteses de várias soluções criadas por ele, devidamente estudadas e analisadas e dá a sua opinião de como o problema pode ser resolvido da melhor forma. 93. Sugere novas estratégias para a resolução de problemas. 94. Sugere novos critérios que permitam fazer uma análise da planificação e estratégias de ensino para a adaptação ao desenvolvimento das actividades lectivas. 95. Sugere soluções inovadoras, antecipando a ocorrência de problemas. 96. Utiliza os resultados da avaliação dos alunos como base para criar novas formas de actividade lectiva que permitam desenvolver com eficácia e competência as atitudes dos alunos.” A responsabilidade pela má construção frásica, nomeadamente pelos erros de concordância é do autor das mesmas. [Pronto, basicamente é isto. Deu para rir na mesma e pouparam 200 euros...] P.S. Não andem por aí a mostrar a “ferramenta” do senhor, consta que é confidencial ;)
Apache, Maio de 2008

Etiquetas: , , ,

4 Comments:

Blogger cris said...

Acabei de trabalhar agorinha mesmo. Contará para nota? Amanhã farei mais do mesmo. Poderei ser considerada de profissional pronta a ter um MBA ou o caneco? Bolas... estes fulanos têm lata a mais.

Bom fds

sábado, maio 17, 2008 2:44:00 da manhã  
Blogger alf said...

Os mecanismos de avaliação estão intimamente ligados à estabilidade laboral. O seu interesse primeiro é dar à organização a possibilidade de penalizar / dissuadir os maus elementos, porque os há, sem ser através de procedimentos arbitrários do "patrão".

Hoje são amplamente usados em todas as organizações que não sejam "de vão de escada."

Claro que para os professores do quadro, isto é um prejuizo puro; mas evidentemente que não é aceitavel que o ME continue a contratar pessoas como professores sem dispor de qq mecanismo de controle de qualidade mais eficiente do que o processo disciplinar ou que, em alternativa, recorra sistematicamente a contratos a prazo.

Isto não interessará aos professores de hoje que estão no quadro, mas interessa aos outros professores ou candidatos a professores.

Em resumo, isto é uma chatice mas parece ser essencial ao bom funcionamento de qualquer organização, conduzindo a situações laborais mais estáveis no quadro do que é possivel hoje.

Imagine que tem um filho/a que quer ser professor; prefere que tudo continue como está?

terça-feira, maio 20, 2008 4:04:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Têm lata a mais e juízo a menos, Cris.

É difícil arranjar algo mais arbitrário que esta avaliação que nos propõem, Alf.
Uma avaliação sem qualquer critério de qualidade não interessa, nem aos profissionais (os professores), nem aos utentes (os pais e alunos), interessa apenas a quem faz dela um meio para poupar dinheiro e degradar o sistema de ensino.
"prefere que tudo continue como está?"
Preferia, seguramente o modelo de avaliação anterior. A mudança só fraz sentido, se for para melhor.

terça-feira, maio 20, 2008 11:01:00 da tarde  
Blogger Gabriel said...

Très intéressant.Domage que des fois on ne veuille pas écouter des bons conseils.

terça-feira, dezembro 06, 2016 3:31:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home