O Último dos Moicanos: Foi há 64 anos

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Foi há 64 anos

“De súbito, um deslumbrante clarão cor-de-rosa-pálido surgiu no céu, acompanhado de um tremor extraordinário, seguido, quase imediatamente, por uma vaga de calor sufocante e um vento que varria tudo o que encontrava no seu caminho. Em poucos segundos, milhares de pessoas que se encontravam nas ruas e nos jardins do centro ficaram queimadas. Muitas morreram imediatamente devido ao calor sufocante. Outras torciam-se no chão, gritando de dor, queimadas de morte. Tudo o que estava de pé na zona da deflagração - muros, casas, fábricas e outros edifícios - ficou arrasado; os seus destroços, em turbilhão, foram projectados a grande altura. Os comboios foram arrancados dos carris como se fossem brinquedos. Os cavalos, os cães e o gado sofreram a mesma sorte que os humanos. Nem sequer a vegetação foi poupada. Milhares de árvores desapareceram nas chamas, os campos de arroz perderam a verdura, a erva ardeu no solo como palha seca. Para lá da zona de morte total, em que nada ficou vivo, as casas desmoronaram-se num turbilhão de vigamentos, de tijolos e barrotes. Até cinco quilómetros do centro da explosão, as casas construídas de materiais leves ficaram arrasadas como castelos de cartas. Os que se encontravam dentro delas morreram ou ficaram gravemente feridos. Os que, por milagre, conseguiram fugir ficaram cercados por uma cortina de chamas. E as raras pessoas que conseguiram abrigar-se morreram, de uma maneira geral, vinte a trinta dias mais tarde, devido à acção retardada dos impiedosos raios gama... À noite, o fogo começou a diminuir, e de madrugada extinguiu-se. Nada mais havia para arder. Hiroxima deixara de existir.”
Relato de um sobrevivente anónimo
A 6 de Agosto de 1945 um B-29 Superfortress, da força aérea norte-americana (Enola Gay), largou sobre a cidade japonesa de Hiroxima, uma bomba contendo 60 kg de urânio-235. Três dias depois, avião idêntico (Bockscar) largou sobre Nagasáqui outra bomba, desta vez, 6,4 kg de plutónio-239. Cerca de 120 mil pessoas morreram instantaneamente e muitos milhares nos dias seguintes. Mais de 90% eram civis. Um dos maiores crimes de guerra da história recente da humanidade, continua por julgar.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home