O Último dos Moicanos: Dezembro 2009

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Finalmente a prova de que a Terra está a aquecer!

Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , ,

domingo, 27 de dezembro de 2009

PIEC (Processo de Imbecilização Em Curso)

"Há um plano para imbecilizar as novas gerações? Há sim. E esse plano tem sido desenhado e aplicado pelo Banco Mundial, OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico], Comissão Europeia, Governo, ministros da educação, DGIDC [Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular], IGE [Inspecção-Geral da educação], DRE [Direcções Regionais de Educação], escolas e departamentos de educação e editoras de manuais escolares. O plano persegue dois objectivos: tornar a educação pública mais barata e fornecer mão-de-obra dócil, conformada e ignorante para uma economia centrada em serviços rotineiros, com pouco valor e sem nenhuma criatividade. No mercado mundial globalizado, é esse o papel que cabe a Portugal no concerto das Nações. As escolas e os departamentos de educação colaboram de duas formas: baixando os níveis de exigência à entrada dos cursos de formação de professores e oferecendo curricula carregados de generalidades e transdisciplinaridades vazias de conteúdos. Ganham espaço nos planos de estudos coisas como estas: matemática criativa, matemática contextual, matemática para a vida, estudo da comunidade e outras irrelevâncias. O Governo e os ministros da educação colaboram no plano afogando os professores em burocracia com o objectivo de impedir que eles pensem, façam autoformação científica e esqueçam a sua missão: transmitir a herança científica, artística, tecnológica e humanista às novas gerações. Em nome da defesa de uma falsa inovação educativa, as escolas são afogadas em constante legislação e permanentes reformas curriculares. Cada nova reforma introduz mais confusão e cria obstáculos ao cumprimento da missão do professor. As editoras de manuais escolares colaboram no plano pondo no mercado livros de textos cheios de bonecos e com um nível de aprofundamento dos conteúdos cada vez mais baixo. Em vez dos manuais serem repositórios de conteúdos apresentados de forma rigorosa e didacticamente apropriada ao nível etário dos alunos, são monumentos ao eduquês, à novilíngua e à imbecilidade. A IGE, a DGIDC e as DRE colaboram no plano impondo planos de recuperação e de acompanhamento e respectivos relatórios que, regra geral, não passam de repositórios do eduquês acompanhados de mentiras piedosas sobre a recuperação de alunos que necessitariam de abordagens mais directivas e ambientes escolares menos relaxados."
Ramiro Marques do blogue “ProfBlog”

Etiquetas: , ,

sábado, 26 de dezembro de 2009

"O Palhaço"

"O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Porto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem. O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada. Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver. O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar. E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples. Ou nós, ou o palhaço."
Mário Crespo, no “Jornal de Notícias” do passado dia 14

Etiquetas: , , ,

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

E se o Natal não fosse um (só) dia?

Vou ali, já venho...
Enquanto isso, Feliz Natal!
Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas:

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Serviu para alguma coisa.

“Haja esperança. Acredite-se ou não na lenda do «aquecimento global», as notícias do fracasso da Cimeira de Copenhaga são altamente exageradas. Ao menos conseguiu-se que alguns dos «activistas» que foram à Dinamarca observar o evento (e destruir as zonas envolventes) cortassem o cabelo. Parece que a medida ocorreu em protesto contra a falta de um acordo entre os líderes presentes. Não importa. Importa que, no seu afã contestatário, os militantes do ambiente também costumam contestar os procedimentos da higiene básica, o que lhes confere, digamos, um ambiente pouco asseado. Por isso, rapar cabeças que constituem o sonho de lêndeas e derivados é, além de alternativa à violência, uma atitude coerente com a defesa de um mundo mais limpo, afinal o autêntico objectivo desta Cimeira. Se houver outra, caso o mundo não acabe entretanto, é possível que os activistas aumentem o nível de protesto e enfim tomem banho integral.”
Alberto Gonçalves, no "Diário de Notícias" do passado sábado.

Etiquetas: , ,

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

"Cavalo à solta" - Mafalda Arnauth

Um poema de Fernando Tordo, na voz de Mafalda Arnauth

video

"Minha laranja amarga e doce, meu poema Feito de gomos de saudade, minha pena Pesada e leve, secreta e pura Minha passagem para o breve, breve Instante da loucura. Minha ousadia, meu galope, minha rédea Meu potro doido, minha chama, minha réstia De luz intensa, de voz aberta Minha denuncia do que pensa Do que sente a gente certa. Em ti respiro, em ti, eu provo Por ti consigo esta força que de novo Em ti persigo, em ti percorro Cavalo à solta pela margem do teu corpo. Minha alegria, minha amargura Minha coragem de correr contra a ternura. Minha laranja amarga e doce, minha espada Poema feito de dois gumes, tudo ou nada Por ti renego, por ti aceito Este corcel que não sossega À desfilada no meu peito. Por isso digo canção, castigo Amêndoa, travo, corpo, alma, amante, amigo Por isso canto, por isso digo Alpendre, casa, cama, arca do meu trigo. Minha alegria, minha amargura Minha coragem de correr contra a ternura Minha ousadia, minha aventura Minha coragem de correr contra a ternura Minha alegria, minha aventura Minha coragem de correr contra a ternura."

Etiquetas: , , ,

sábado, 19 de dezembro de 2009

Para quê meias-palavras? “Não existe aquecimento global!”

É desta forma peremptória que, em entrevista concedida ao portal UOL (Universo Online) no passado dia 11 deste mês, o conceituado meteorologista brasileiro, Luiz Carlos Molion, representante da América do Sul na Organização Meteorológica Mundial, põe (para usar uma expressão brasileira) “a boca no trombone”, deixando algumas respostas muito inconvenientes à propaganda pseudo-científica do alegado “aquecimento global” antropogénico. Aqui fica (em versão - português de Portugal) a totalidade da entrevista. "UOL: Enquanto todos os países discutem formas de reduzir a emissão de gases na atmosfera, para conter o aquecimento global, o senhor afirma que a Terra está a arrefecer. Porquê? Luiz Carlos Molion: Estas variações climáticas não são cíclicas, mas são repetitivas. O certo é que quem comanda o clima global não é o CO2. Pelo contrário! Ele é uma resposta. Isso já foi mostrado por várias experiências. Se não é o CO2, o que controla o clima? O Sol, que é a fonte principal de energia para todo o sistema climático. E há um período de 90 anos, aproximadamente, em que ele passa da actividade máxima para a mínima. Registos da actividade solar, da época de Galileu, mostram que, por exemplo, o Sol esteve em baixa actividade em 1820, de novo no final do século XIX e no início do século XX. Agora o Sol deve repetir esse ciclo, passando os próximos 22, 24 anos, com baixa actividade. UOL: Isso vai diminuir a temperatura da Terra? Molion: Vai diminuir a radiação que chega e isso vai contribuir para diminuir a temperatura global. Mas há outro factor interno que vai reduzir a temperatura global: os oceanos e a grande quantidade de calor armazenada neles. Hoje em dia, existem bóias que têm a capacidade de mergulhar até 2.000 metros de profundidade e se deslocarem com as correntes. Elas vão registando a temperatura e a salinidade, e fazem uma amostragem. Essas bóias indicam que os oceanos estão a perder calor. Como eles constituem 71% da superfície terrestre, claro que têm um papel importante no clima da Terra. O [oceano] Pacífico representa 35% da superfície, e ele tem dado mostras de que está a arrefecer desde 1999, 2000. Da última vez que ele ficou mais frio na região tropical foi entre 1947 e 1976. Portanto, permaneceu 30 anos a arrefecer. UOL: Esse arrefecimento vai-se repetir, então, nos próximos anos? Molion: Naquela época houve uma redução das temperaturas, e houve a coincidência da Segunda Guerra Mundial, quando a globalização começou a sério. Para produzir, os países tinham que consumir mais petróleo e carvão, e as emissões de dióxido de carbono intensificaram-se. Mas durante 30 anos houve um arrefecimento e falava-se até de uma nova era glacial. Depois, por coincidência, na segunda metade de 1976 o oceano aqueceu e houve um aumento da temperatura. Surgiram então umas pessoas - algumas das que falavam da nova era glacial - que disseram que estava a ocorrer um aquecimento e que o homem era responsável por isso. UOL: O senhor diz que o Pacífico arrefeceu, mas as temperaturas médias Terra estão mais altas, segundo a maioria dos estudos apresentados. Molion: Depende de como se medem. UOL: Mede-se de forma errada, hoje? Molion: Não é um problema de medir, em si, mas os dados das estações meteorológicas estão a ser enviesados, infelizmente, para mostrar que há aquecimento. UOL: O senhor está a afirmar que estão a direccionar os dados? Molion: Sim. Há umas seis semanas, hackers entraram nos computadores da Universidade de East Anglia, na Inglaterra, que é o braço direito do IPCC [Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas], e descarregaram mais de mil e-mails. Alguns deles são comprometedores. Manipularam uma série de dados para que estes, ao invés de mostrarem um arrefecimento, mostrassem um aquecimento. UOL: Então o senhor garante existir uma manipulação? Molion: Se você não quiser usar um termo tão forte, podemos dizer que os dados são ajustados para mostrar um aquecimento, que não é verdadeiro. UOL: Se há tantos dados técnicos, porquê esta discussão do aquecimento global? Os governos têm conhecimento disto ou eles também são enganados? Molion: Essa é a grande dúvida. Na verdade, o aquecimento global já não é um assunto científico, embora alguns cientistas se tenham envolvido nele. Ele passou a ser uma plataforma política e económica. Da maneira como vejo a questão, reduzir as emissões é reduzir a produção de energia eléctrica, que é a base do desenvolvimento em qualquer lugar do mundo. Como existem países que têm a sua matriz de produção assente nos combustíveis fósseis, não há forma de diminuir a produção de energia eléctrica sem reduzir a produção industrial. UOL: Isso reflectir-se-ia mais nos países ricos ou pobres? Molion: O efeito maior seria nos países em desenvolvimento, certamente. Os desenvolvidos já têm alguma estabilidade produtiva e podem reduzir marginalmente a produção de electricidade, por exemplo, melhorando o rendimento dos aparelhos eléctricos. Mas o aumento populacional vai exigir maior consumo. Se a minha visão estiver correcta, os países fora dos trópicos vão sofrer um arrefecimento global. E vão ter que consumir mais energia para não morrer de frio. E isso atinge todos os países desenvolvidos. UOL: O senhor, então, contesta qualquer influência do homem nas mudanças de temperatura da Terra? Molion: Os fluxos naturais dos oceanos, os vulcões e a vegetação somam 200 mil milhões de toneladas de CO2 emitido, por ano. A incerteza que temos, deste número, é da ordem dos 40 mil milhões. O homem lança na atmosfera, anualmente, cerca de 6 mil milhões de toneladas, portanto as emissões humanas representam cerca de 3% das emissões totais. Se nesta conferência conseguissem reduzir as emissões humanas para metade, o que são 3 mil milhões de toneladas, por comparação com 200 mil milhões? Não vai mudar absolutamente nada no clima. UOL: O senhor defende, então, que o Brasil não deveria assinar este novo protocolo? Molion: Dos quatro do bloco do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), o Brasil é o único que aceita as coisas, que “abana o rabo” a estas questões. A Rússia “não está nem aí”, a China vai fingir que assina qualquer coisa. No Brasil, a maior parte das nossas emissões vêm de queimadas, o que significa a destruição das florestas. Tomara que dessa conferência saia alguma coisa boa para reduzir a destruição das nossas florestas. UOL: Mas a redução de emissões não traria nenhum benefício à humanidade? Molion: A comunicação social fez do CO2 o vilão, dizendo que é um poluente, e não é. Ele é o gás da vida. Está provado que quando você aumenta o CO2, a produção das plantas aumenta. Eu concordo que combustíveis fósseis lancem poluentes. Não por causa do CO2, mas por causa de outros constituintes residuais, como o enxofre, por exemplo. Quando liberado, o enxofre combina-se com a humidade do ar e transforma-se em gotículas de ácido sulfúrico que as pessoas inalam, advindo daí problemas pulmonares. UOL: Se não há mecanismos capazes de medir a temperatura média da Terra, como é que o senhor prova que a temperatura está a baixar? Molion: Nós vemos esse arrefecimento, com invernos mais frios, geadas mais fortes, mais tardias e mais antecipadas. Veja o que aconteceu este ano no Canadá. Eles plantaram em Abril, como sempre o fizeram, e a 10 de Junho houve uma geada severa que matou tudo, obrigando-os a replantar. Mas era o fim da Primavera, início do Verão, e deveria estar calor. O Brasil sofre o mesmo problema. Em 1947, a última vez que passamos por uma situação destas, a frequência de geadas foi tão grande que acabou com a plantação de café, no Paraná. UOL: E quanto ao derretimento dos glaciares? Molion: Essa afirmação é fantasiosa. Na realidade, o que derrete é gelo flutuante. Ele não aumenta o nível do mar. UOL: Mas o mar não está a subir? Molion: Não está. Há uma foto feita por exploradores da Austrália em 1841 de uma marca onde estava o nível do mar, e hoje o mar está no mesmo nível. Existem alguns lugares onde o mar avança e outros onde ele recua, mas isto não está relacionado com a temperatura global. UOL: O senhor viu algum avanço com o Protocolo de Quioto? Molion: Nenhum. Entre 2002 e 2008, propunham-se a reduzir em 5,2% as emissões e até agora as emissões têm continuado a aumentar. Na Europa não houve qualquer redução. O assunto tomou conta dos discursos dos políticos que querem ser amigos do ambiente e ao mesmo tempo fazer crer que os países subdesenvolvidos ou emergentes vão contribuir para um aquecimento. Considero isto, uma atitude neocolonialista. UOL: O que a convenção de Copenhaga poderia discutir de útil para o meio ambiente? Molion: Seguramente não seriam as emissões de CO2. O dióxido de carbono não controla o clima. O que poderia ser discutido seria: como melhorar as previsões de eventos, como: grandes tempestades, furacões ou secas; e tentar encontrar formas de adaptação do ser humano a estas situações; ou como produzir plantas que se adaptem ao sertão nordestino, com menor necessidade de água. E assim, conseguir reduzir as desigualdades sociais do mundo. UOL: O senhor sente-se uma voz solitária neste discurso contra o aquecimento global? Molion: Aqui no Brasil há algumas, e é crescente o número de pessoas contra a teoria do aquecimento global. O que posso dizer é que sou pioneiro. Um problema é que quem não é favorável à teoria sofre retaliações, vê os seus projectos reprovados e os seus artigos não são aceites para publicação. No entanto, eles [governantes] estão a prejudicar a Nação e a sociedade, não a minha pessoa." E por cá? Exceptuando os Engenheiros Rui Moura, José Delgado Domingos e Jorge Pacheco de Oliveira, o Professor João Corte-Real, e o Matemático Jorge Buesco, a rapaziada das universidades anda afónica e com o seu silêncio vai permitindo que esta palhaçada continue a infestar os livros de Física e Química do Ensino Secundário e vários livros habitualmente recomendados, no Superior. Até quando?
Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , ,

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Balanço da década

“O primeiro facto saliente acerca da década que agora termina é a resistência que oferece a quem pretenda referir-se a ela. Os anos sessenta são fáceis de designar, assim como os anos setenta ou oitenta, mas "os anos zero" é uma expressão que está ainda à espera de ser cunhada - talvez por ser estranha e, além do mais, imprecisa. Acabamos, portanto, de viver dez anos que não conseguimos denominar. Há males que vêm por bem: quanto menos nos lembrarmos destes dez anos, melhor. Não pode dizer-se que tenha sido uma década memorável. Foram dez anos que começaram, aliás, sob o signo da desilusão: o mundo não acabou no ano 2000, o que frustrou de igual modo os bruxos e aquela gente apreciadora dos grandes eventos. Os americanos bem tentaram, elegendo George Bush logo no primeiro ano da década, e deve reconhecer-se ele fez um esforço notável, mas, como em quase tudo o resto, fracassou. Outra desilusão, talvez maior ainda, foi provocada pelos escritores de ficção científica. Anos e anos a escreverem sobre o século XXI, que afinal é igualzinho ao século XX mas com mais telemóveis. O tamanho do nosso crânio não aumentou, não vestimos todos de igual, não viajamos em naves. O futuro chegou e, não há como negá-lo, é aborrecido. Não só não viajamos em naves como passou a ser mais difícil viajar de avião. As viagens aéreas, que a ficção científica previa cada vez mais sofisticadas e rápidas, por causa dos atentados de 11 de Setembro de 2001 tornaram-se bastante mais lentas e rudimentares. Em lugar de homens do futuro que entram em naves rodeados de fumo e munidos de aparelhos altamente tecnológicos, somos homens do passado que entram nos aviões descalços, sem o cinto das calças e impedidos de levar até uma garrafa de água. Entretanto, nem tudo são más notícias: a justiça portuguesa aproximou-se do nível da justiça internacional. Não, evidentemente, por ser ter tornado mais rápida, mas porque a justiça internacional se tornou vagarosa. Milosevic e Pinochet foram julgados por crimes contra a humanidade, tendo falecido antes de conhecerem o veredicto. Se pensarmos que Pinochet morreu com 91 anos, o processo Casa Pia deixa de parecer tão demorado, embora tenha ocupado sete anos desta década e ameace ocupar vários da próxima. Após a intervenção americana no Iraque, Saddam Hussein foi democraticamente executado por um grupo de alegres convivas. Pareceu apropriado que, tendo a guerra sido feita a pretexto de armas de destruição maciça imaginárias, a democracia imposta fosse, também ela, pouco mais que uma fantasia. O enforcamento foi filmado pelo telemóvel de um dos carrascos e colocado no YouTube. Foi dos filmes mais vistos do ano, juntamente com um em que dois gatinhos brincam com um novelo. Na internet, o aparecimento das redes Hi5, Facebook, Orkut e Twitter, entre outras, permitem que pessoas com pouco jeito para fazer amigos na vida real consigam fazê-los no computador, e que as pessoas com pouco jeito para fazer amigos na vida real e no computador critiquem duramente este tipo de rede. O aparecimento da Wikipedia, uma enciclopédia feita por gente que não domina especialmente qualquer área do saber, deu ao cidadão comum a satisfação de sentir que os seus conhecimentos são, muitas vezes, superiores aos dos enciclopedistas. Nas entradas da Wikipedia que utilizei para fazer este balanço da década, o ano de 2003 tem mais datas referentes a aspectos relacionados com os concorrentes do concurso Operação Triunfo do que, por exemplo, aos aspectos da economia mundial. Um negro foi eleito pela primeira vez presidente da Harvard Law Review. Um negro candidatou-se pela primeira vez à presidência dos Estados Unidos. Um negro venceu pela primeira vez as eleições americanas. Infelizmente, foi sempre o mesmo negro. Continuamos sem saber bem se os Estados Unidos e o mundo resolveram parar de discriminar os negros ou só este em particular. Em Portugal, José Sócrates foi eleito pela primeira vez a 20 de Fevereiro de 2005 e começou desde essa data a vestir cada vez melhor e a governar cada vez pior. No entanto, uma vez que sucedeu a Pedro Santana Lopes, durante uns meses chegou mesmo a parecer um bom primeiro-ministro. Nos primeiros cinco minutos do mandato, o nome de José Sócrates não apareceu associado a qualquer escândalo. No futebol, num certo sentido a década foi dominada por Portugal: José Mourinho emergiu como o melhor treinador da actualidade e Cristiano Ronaldo sagrou-se melhor jogador do mundo. Os portugueses impõem-se cada vez mais no futebol mundial e cada vez menos na selecção nacional. E, até agora, foi mais ou menos isto que se passou. Mas tenho esperança de que, nos 15 dias que lhe sobram, a década ainda consiga dar a volta por cima.”
Ricardo Araújo Pereira, na “Visão” de ontem.

Etiquetas: , , , ,

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Notícias fresquinhas do “Aquecimento Global” em Portugal

Habituados às temperaturas negativas, os brigantinos (segundo o Jornal de Notícias) parecem não ter estranhado a onda de frio que nos últimos dias se abateu sobre Portugal. Aliás, por aquelas paragens, os 6,5 graus Célsius negativos que se faziam sentir na madrugada passada (15 de Dezembro), apesar de corresponderem à temperatura mínima registada em território nacional neste dia, não são, de facto, invulgares naquelas paragens, nesta época do ano. Já o sul do país, habitualmente poupado a temperaturas inferiores ao ponto de solidificação da água, tiritou com as partidas que o Árctico vai pregando aos fãs do “aquecimento global”. Em muitas localidades abaixo do Tejo esta foi a noite mais fria de 2009, tendo sido ultrapassados os valores negativos de 9 de Janeiro, aqui realçados. No interior alentejano, merecem destaque os 5 graus negativos de Portel (às 6 horas da manhã), bem como os 4 graus negativos da Amareleja e de Estremoz (verificados às 7 e às 8 horas, respectivamente). Mais perto do litoral, Alvalade do Sado acordava com 3,7 graus abaixo de zero e já em pleno Algarve, Aljezur atingia os -4,8 ºC. Mas mais surpreendentes ainda foram as temperaturas registadas em alguns locais junto ao mar (ou ao rio): Alcácer do Sal (encostadinho ao Sado) registou 3 graus Célsius negativos às 7 horas da manhã, registando-se igual temperatura à mesma hora, no aeródromo de Portimão (cujo gráfico de temperaturas, oriundo do Instituto de Meteorologia, se reproduz abaixo). Ainda assim, o ar frio vindo do interior do continente surpreendeu essencialmente os ribeirinhos da Margem Sul do Tejo, onde não parece haver memória de noites tão frias. A estação meteorológica de Almada, instalada na Praia da Rainha, na Costa de Caparica, registava às 4 horas da madrugada, uma temperatura de 4,2 graus abaixo de zero. Quanto ao “aquecimento global”, segue dentro de momentos num qualquer meio de comunicação social próximo de si…

[As temperaturas das últimas 24 horas, no aeródromo de Portimão]

Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: ,

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

RAP é a “Miss Dezembro” da Playboy

“Veja o leitor o que pode acontecer a um cidadão incauto. A revista Playboy manifestou o desejo de me entrevistar. Como todas as pessoas que não têm nada para dizer, gosto muito de ser entrevistado. Por isso, aceitei. E devo ter dado uma entrevista de tal forma sensual que a Playboy resolveu colocar a fotografia do meu rosto apolíneo na capa. Sim, sim: na capa. No sítio em que costuma estar uma senhora nua, estou eu sozinho. Como sempre costuma acontecer, assim que eu entro as senhoras nuas desaparecem. Sou, portanto, a capa da revista Playboy deste mês. Quando me fui deitar, era um pacato pai de família; quando acordei, era a Miss Dezembro. Uma coisa é eu ser um humorista; outra é a minha vida ser ridícula. Deus sabe quanto tenho tentado separar as águas, mas tem sido quase sempre em vão.
Não sei quantos leitores perdeu a Playboy com esta capa, mas posso garantir que perdeu um: eu não compro aquilo, de certeza. Por um lado, é óbvio que as fotografias foram submetidas ao tratamento do photoshop e outras ferramentas de correcção de imagem: o meu nariz tem bastante mais celulite do que parece ali. Por outro, impressiona-me que este seja, até agora, o maior sinal de que o momento que vivemos é mesmo grave. A Playboy, especialista na divulgação de mulheres nuas, publica, este mês, um homem (se isto é um homem) vestido. É bem verdade que a crise não é apenas financeira - é também uma crise de valores. Esta interrupção súbita e sem aviso da exploração do corpo feminino é, evidentemente, imoral. Eu sempre gostei de explorações. E gosto mais ainda do corpo feminino, um gosto que é exacerbado pelo pouco contacto que tenho com ele. Ver-me agora envolvido na suspensão das actividades exploratórias é uma mancha de que a minha biografia não precisava.
A Playboy justifica o despautério com o facto de me ter eleito homem do ano, uma ofensa que 2009, por muito mau que tenha sido, não merecia. Significa isto que, no espaço de um mês, fui distinguido pela ILGA e pela Playboy. O mundo homossexual e o mundo heterossexual deram as mãos e convergiram na necessidade urgente de me agraciar. Que se passa com o mundo? Homossexuais e heterossexuais têm tido, desde sempre, discordâncias, conflitos, tensões. Quando finalmente concordam, dá isto. É bom que os apreciadores da paz e da concórdia façam uma reflexão profunda sobre as ideias que defendem. O que em teoria é bonito, na prática pode ser grotesco.
Resta a curiosidade de saber como vai este número da Playboy trilhar o seu caminho. Que mecânicos irão buscar o martelo e os pregos para pendurarem a minha entrevista na parede das suas oficinas? Que adolescentes se entusiasmarão, no recato dos seus quartos, com as minhas opiniões sobre o sentido da vida? E, a mim, sobra-me o consolo amargo de, finalmente, poder dizer que já tive intimidades com uma capa da Playboy.”
Ricardo Araújo Pereira, na “Visão” da passada quinta-feira (10 de Dezembro)
A ilustrar este texto, poderia colocar a capa da Playboy de Dezembro, mas como o frio, para já, resolveu o problema das formigas no açucareiro, em nome da “reflexão profunda” a que o Ricardo apela optei antes por uma foto da GQ de Novembro.

[Helena Costa]

Etiquetas: , , , ,

sábado, 12 de dezembro de 2009

O “Aquecimento Global” e os Ciclones (2)

A comunicação social costuma difundir exaustivamente notícias de que nos últimos anos tem havido um aumento da intensidade dos ciclones. Tais notícias, não são corroboradas pelos factos, pelo contrário, o mundo real tem-se recusado a alinhar com as estapafúrdias teorias da moda. A demonstrá-lo deixo (de novo) um gráfico publicado pela Universidade da Florida, onde se representa a Energia Acumulada em todos os ciclones que existiram no planeta, desde que se iniciaram medições por satélite (em 1979), destes valores (Accumulated Cyclone Energy (ACE)). Como resulta evidente, nos últimos anos os ciclones têm vindo a diminuir a sua intensidade, sendo os valores registados este ano, os mais baixos desde que se efectuam este tipo de leituras. É portanto expectável que nos próximos anos, os ciclones se possam tornar mais violentos, não devido ao alegado “aquecimento global”, mas porque os níveis de energia actuais são de tal forma baixos que não há muito mais margem para reduções.

Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , , ,

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Copenhaga - A ficção climática

“Se calhar não é novidade a história dos e-mails roubados à Universidade de East Anglia. A instituição em causa possui um importante centro de estudos climatológicos e a correspondência em causa, trocada ao longo de duas décadas entre proeminentes cientistas do ramo, revelou que, além de tentarem destruir a reputação de colegas discordantes e bloquear a publicação dos respectivos trabalhos, os cientistas distorcem, escondem, esquecem e aldrabam informação alusiva às mudanças climáticas. E tudo isto para «demonstrar» que as ditas mudanças seguem o sentido do «aquecimento global» e que este se deve à acção do homem. Se calhar, para muitos a história é mesmo novidade. Embora, no mínimo, os e-mails insinuem a forte possibilidade de a lengalenga em volta do clima constituir uma desmesurada fraude, a verdade é que os «media» não lhes têm dedicado um milésimo da atenção merecida, por exemplo, pelo «documentário» de Al Gore, um projecto com o rigor científico de «Marte Ataca». Os «media» nacionais, então, não dedicam aos e-mails atenção nenhuma, enquanto «Marte Ataca», perdão, «Uma Verdade Inconveniente» continua em exibição nas escolas a título de evangelho. Claro que a indiferença com que a imprensa procura enterrar o escândalo é compreensível: deve ser embaraçoso admitir um logro que se divulga há anos. Aliás, se formos justos compreendemos a indiferença de todos, incluindo da comunidade científica «oficial», que arrisca perder os abundantes financiamentos, e da classe política, que apanhada algures no meio dos negócios e da histeria ergueu o «aquecimento global» a centro da sua retórica. A partir de determinada aceleração, o avião não pode interromper a descolagem. Principalmente se o avião levanta rumo à Dinamarca, onde decorrerá a Cimeira de Copenhaga. Para um evento devotado à influência do homem no clima, de facto não conviria à Cimeira admitir a forte suspeita de que tal influência é nula ou quase. A solução passa por fingir o oposto e prosseguir os trabalhos na presunção de que o mundo, o autêntico e não o do catastrofismo ambiental, está à beira do fim. Assim, durante os próximos dias, sumidades e estadistas vários arriscam discutir de cara séria uma calamidade imaginária, mais ou menos como se o planeta se mobilizasse para inventariar os estragos dos marcianos, enfrentar a ameaça dos marcianos e impor medidas ruinosas a pretexto dos marcianos. Até prova em contrário, os marcianos não existem. Além de perigosa, a Cimeira de Copenhaga será hilariante”
Alberto Gonçalves, no “Diário de Notícias” da passada sexta-feira (4 de Dezembro)

Etiquetas: , , , ,

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

"Vira dos Malmequeres" – Katia Guerreiro

Em jeito de promoção à música portuguesa deixo o velhinho “Vira dos Malmequeres”, popularizado (entre outros) pela Tonicha, agora na voz da Katia Guerreiro. Esta música fará parte do CD “Os fados do fado” que estará à venda já no próximo dia 10 de Dezembro.

video

Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , ,

domingo, 6 de dezembro de 2009

O “CimateGate” para lá do “ClimateGate” (2)

[continuação] Muita gente sem formação na área das ciências estará, provavelmente, convencida que a média das temperaturas é a temperatura média do planeta. De facto, não é! E ao contrário do que possam estar a pensar, esta não é uma questão de semântica. O que temos visto publicado é a média de uma série de valores de temperatura registados em vários locais da Terra e corresponde à média entre a mínima e a máxima diária, verificadas em determinadas estações que o CRU seleccionou. O que significa que se as estações meteorológicas escolhidas para os cálculos forem outras, os valores médios obtidos também são outros. Mesmo que as estações fossem as mesmas, nestes últimos 150 anos de medições (e sabemos que isso é impossível) decorridos os anos, o espaço envolvente aos locais onde estão colocados os termómetros alterou-se e a radiação emitida pelo solo ou paredes próximas adulterou os valores obtidos. Mesmo que isto não acontecesse, para que os valores registados correspondessem à temperatura média do planeta, as estações escolhidas teriam de estar equidistantes umas das outras, ou seja, uniformemente distribuídas pela superfície (terra e mar) e isso é impossível, dada a inacessibilidade de alguns locais. Não há, portanto, forma de determinar, com rigor científico, a temperatura média da Terra. Assim sendo, tendo ou não havido manipulação maliciosa dos dados, estes (no seu todo) apenas podem relevar, enquanto mera curiosidade estatística, não tendo qualquer valor científico. Tal não impede que, caso a caso (isto é, estação a estação) os dados que agora se anunciaram destruídos, pudessem ter valor científico para o estudo de fenómenos à escala local. Para se perceber melhor a ideia, veja-se um exemplo simples relativo a vencimentos. Admitamos que com o crescimento de uma dada empresa (num país hipotético) todos os seus trabalhadores viram os seus salários, deste ano, aumentados 10%. Suponhamos agora que uma outra empresa, com número de funcionários idêntico à anterior mas em grandes dificuldades económicas, acordou com os trabalhadores uma redução de vencimentos de 5%. Pressuponhamos ainda, que todas as restantes empresas do país decidiram manter os vencimentos, excepto obviamente as que faliram e já não aparecem nas estatísticas e, aquelas que por terem sido criadas ao longo do ano também não entram para estes cálculos. Nestes pressupostos, achada a média dos vencimentos de todos os trabalhadores, verifica-se que ela subiu ligeiramente face ao ano anterior. No entanto, não podemos (de todo) concluir que todos os trabalhadores do dito país vivem melhor que no ano passado. A maioria (mesmo que a inflação seja de 0% estará na mesma e, alguns estão piores, tanto os que ganham agora menos 5% como os que ficaram sem emprego. As médias (na generalidade) independentemente da forma como são obtidas, servem essencialmente causas sociológicas e políticas, não causas científicas. O que os ridículos propagandistas tentam provar é que o planeta tem aquecido no último século e isso se deve às emissões humanas de gases com efeito de estufa, principalmente ao dióxido de carbono. Ora, para se provar isto, era necessário medir os níveis de dióxido de carbono nas imediações de todos os locais onde se fazem registos de temperatura e isso, como bem sabemos, não é feito (o dióxido de carbono é, oficialmente, medido num único lugar, Mauna Loa), depois, bastaria um único local (dos milhares onde se medem temperaturas) onde um deles, dióxido de carbono ou temperatura, não tivesse aumentado e a teoria era falsa. Note-se que para que uma determinada teoria científica possa ter-se como verdadeira, é preciso que todas as experimentações a comprovem, uma única discordante mostra que a teoria é falsa. Muitos parecem (agora) escandalizados com a publicação dos e-mails e falam do maior escândalo científico do século, parecem porém esquecer-se que: Por um lado, não são só os alarmistas corruptos, os culpados, milhares de alegados “cépticos” ficaram calados ou apontaram o dedo a pormenores “esquecendo” o essencial; outros, ao alegado consenso dos propagandistas opunham a falta de consenso; claro que uma teoria científica não reúne consenso, é uma teoria, carece de prova, mas neste caso, a estupidez proposta é de tal ordem que não vejo outra hipótese que não seja uma “consensual” gargalhada e uma imediata denúncia na comunicação social; Por outro lado, convém não ter memória curta e lembrar que outra teoria, em aberração, idêntica a esta, o “buraco do ozono” antropogénico, devido às emissões humanas de clorofluorcarbonetos (CFC’s), não só, valeu o Prémio Nobel da Química ao mexicano, Mário Molina, como, passadas duas décadas, continua escrita em todos os manuais de Química do ensino secundário, sem que alguém com visibilidade mediática tenha a coragem de dizer “Basta!” a tanta estupidificação. A questão da credibilidade científica não pode, portanto, colocar-se apenas, como dá jeito a muitos, ao nível dos 40 ou 50 “cientistas” do núcleo duro do IPCC (da ONU), do CRU (de East Anglia) e do GISS (da NASA) que cozinharam toda esta aldrabice, tem de ser estendida a dezenas de milhar, que por esse mundo fora, por silêncio ou omissão, pactuam há décadas com farsas a que chamam “ciência”, para canalizar rios de dinheiro (na maior parte dos casos, público) para os bolsos sem fundo de gente sem escrúpulos e sem um palmo de testa.
Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , , , ,

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

O “CimateGate” para lá do “ClimateGate”

O “Sunday Times” do passado Domingo relatava (pelo jornalista, Jonathan Leake) que os dados originais das temperaturas dos últimos 150 anos foram deitados para o lixo. Segundo o jornal, cientistas da universidade de East Anglia, a que pertence a Unidade de Pesquisa Climática (CRU) envolvida no escândalo “Climategate”, admitiram que deitaram fora a maior parte dos dados de temperatura em que se baseiam as suas previsões de aquecimento global. Isso significa que não é possível a outros académicos verificar a base que suporta os cálculos dos alarmistas. Ao abrigo do Freedom of Information Act (Lei da Liberdade de Informação) conhecido pela sigla FOIA (que curiosamente, ou talvez não, foi o “nick” escolhido pelo pirata que atacou o servidor do CRU) a universidade havia já sido contactada (pelo menos em duas ocasiões) para revelar os dados que estão na origem das previsões e como resultado do escândalo iria provavelmente ser obrigada a fazê-lo. Em antecipação à possível pressão da justiça, o CRU, em declaração publicada na sua página oficial afirma: “nós não possuímos os dados originais, apenas os valores tratados (homogeneizados e com qualidade controlada)”. Curiosamente, Phil Jones, o Director do CRU, anteontem suspenso, não o liderava em 1980, ano da alegada destruição dos dados, que terá ocorrido, de acordo com a versão oficial, “para poupar espaço, aquando da mudança para novas instalações.” Conclusão, não há dados originais das temperaturas registadas pelos termómetros nos últimos 150 anos, apenas dados manipulados. Os dados de temperatura registados pelos satélites, datam apenas dos últimos 30 anos e o IPCC não os tem considerado válidos. Pelo que, não temos como provar se a Terra está a aquecer ou a arrefecer. O que há partida poderia ser problemático, mas não é. De facto, como já escrevi há algum tempo (neste blogue), mesmo os dados originais, (que poderiam contribuir para a possível defesa desta teoria) não tinham valor científico.
[continua…]
Apache, Dezembro de 2009

Etiquetas: , , ,