O Último dos Moicanos: As fraudes científicas na moda, vistas do Brasil (7)

segunda-feira, 23 de maio de 2011

As fraudes científicas na moda, vistas do Brasil (7)

M@M: “Se por um lado os países pobres, ou em vias de desenvolvimento, serão os mais afectados pelos eventuais acordos e compromissos firmados na sequência da COP-15, há também uma forte reacção de considerável parcela das sociedades ricas, que já são penalizadas com a forte taxação, cuja raiz está na ideia de reduzir as emissões de CO2. Dito isto, não lhes parece que, em vez de um conflito entre países ricos e pobres, na verdade o que há é uma manipulação por parte de grupos com sede em países ricos, abarcando interesses ideológicos, políticos e financeiros, no sentido de estabelecer uma gigantesca burocracia supranacional, com poder de polícia supranacional, utilizando a face ‘humana’ da ONU para legitimar este engodo? Lembramos que no Brasil há indivíduos e grupos intimamente ligados a este conluio, como o governo Federal (PT), o governo de São Paulo (PSDB) e a prefeitura da cidade de São Paulo (DEM), todos parecem estar em disputa para mostrar quem é (ou parece ser) o mais ‘verde’.” Daniela de Souza Onça: “De facto, o que vemos não é um conflito entre países ricos e pobres, nem mesmo conflitos políticos ou económicos. Todos os grupos envolvidos - governos, ‘cientistas’ e empresas - estão unidos num mesmo interesse, incrementar a exploração das sociedades humanas, ricas ou pobres, é-lhes indiferente, mas estas últimas são mais fáceis de manipular.” Geraldo Luís Lino: “Não é só no Brasil que os políticos se agarram às causas ambientais por interesses eleitorais; isso acontece em inúmeros países. Mas o que é menos evidente é que, mesmo dentro dos grupos dirigentes dos países que criaram e têm ‘alimentado’ o movimento ambientalista, existem muitos interesses contraditórios. Por exemplo, nos EUA, a reacção ao Protocolo de Quioto, à agenda de Copenhaga e a qualquer arranjo institucional que implique limitações ao uso de combustíveis fósseis é muito grande. É bom lembrar que 80% da energia primária gerada por lá vêm do carvão, do petróleo e do gás natural. Por isso, apesar dos compromissos eleitorais do presidente Barack Obama, dificilmente o Congresso irá aprovar qualquer medida nesse sentido, mesmo sendo os EUA o país que mais promove o ‘alarmismo climático’, com verbas governamentais e privadas para pesquisas destinadas a provar a influência humana no clima, grupos de interesses de todo o género, peso da comunicação social, etc.” Luiz Carlos Molion: "Pode ser visto por essa óptica, já que não há quaisquer evidências científicas de que o homem interfira no clima global. Grupos económicos poderosos controlam governos, ou governantes, que, por sua vez, controlam a ordem mundial através de organismos, como a ONU. A destruição da camada de ozono, acima citada, pode ser considerada um exemplo clássico desta manipulação global. Como a matriz energética global está baseada no consumo de combustíveis fósseis, ‘descarbonizar’, ou reduzir emissões, significa ‘gerar menos energia eléctrica’, que é fundamental para o crescimento económico e o bem-estar social de qualquer país. Ou seja, essa nova ordem global tenciona condenar a maior parte da população mundial à miséria e a grandes desigualdades sociais, possivelmente uma nova roupagem da velha teoria malthusiana, travestida de uma ‘preocupação com o meio ambiente’, um ‘eco-malthusianismo’. Países desenvolvidos, especialmente os do G7, são países sem recursos naturais e energéticos, por isso, dependem dos países menos desenvolvidos. O Brasil, por exemplo, sempre foi um fornecedor mundial de matérias-primas, como grãos alimentícios e minérios. Por exemplo, vale a pena lembrar que o alumínio, enviado em lingotes purificados, é essencialmente energia eléctrica exportada, já que o seu processamento industrial (por electrólise) consome grande quantidade dessa energia, além da energia necessária à extracção do bauxite. E a UHE Tucuruí foi construída para esse propósito e não para atender à população dos estados do norte do país, nos quais muitas pequenas vilas ainda não dispõem de electricidade. Os países do G7 têm dominado o mundo através de mecanismos económico-financeiros, como o Banco Mundial, o FMI, a OMC, as barreiras alfandegárias, etc. e agora estão a perder a sua hegemonia. Houve necessidade de se criar uma estratégia que impedisse que países emergentes, como o Brasil, a China ou a Índia, passem a exercer o controlo em igualdade de condições e, ao mesmo tempo, reduzir o consumo de matérias-primas para satisfazer as necessidades das suas sociedades de alto consumo. E essa estratégia resultou na adopção da ideia das ‘alterações climáticas’ provocadas pelo homem, com os seus impactos irreversíveis, seguindo a mesma receita da ‘destruição da camada de ozono’, agora amplificada por uma propaganda bem organizada, por meio de uma comunicação social globalizada, sedenta de catástrofes surreais.” M@M: “Prof. Molion, no caso dos Estados Unidos, o principal país do G7, e falando especificamente de petróleo, essa sua afirmação colide com aqueles que afirmam haver enormes reservas petrolíferas na chamada ANWR (Arctic National Wildlife Refuge), cuja exploração foi limitada a 0.01% da área da reserva ambiental por pressão de grupos ambientalistas e dos seus financiadores. Ainda em 2001, estudos do U.S. Geological Survey (USGS) estimavam que a prospecção na região do ANWR poderia resultar na viabilização económica de uma reserva de 16 biliões de barris, uma quantidade mais ou menos equivalente a 30 anos de importações americanas de petróleo da Arábia Saudita. O intenso debate inicial sobre a exploração desta reserva parece ter desaparecido sob uma imensa pressão política, isto aquando do governo do republicano George W. Bush. Em 2006, foram anunciadas ‘descobertas’ de outras reservas igualmente gigantescas, na região do Golfo do México, em profundidades similares às do tão falado pré-sal brasileiro. Por via disso e da posição oficial do actual governo americano quanto às emissões de CO2, ou seja, implicitamente quanto ao uso de petróleo, as necessidades e soluções energéticas para a nação americana parecem bem diferentes e contrárias aos interesses de grupos apenas nominalmente americanos, mas vinculados a interesses globais. Enquanto isto, o consumidor (e pagador de impostos) americano é transformado de vítima em vilão, carregando o fardo da ‘ecoculpa’. O padrão de consumo da sociedade americana não tem paralelo no mundo; ainda assim, parece-nos muito estranha esta aparente opção pela dependência de fontes de energia no exterior. Entra em cena a dicotomia entre aquilo que alguns consideram ser o verdadeiro interesse nacional americano e os interesses de grupos apenas com sede nos Estados Unidos. Qual é a sua opinião a respeito deste conflito, ou deste jogo de luz e sombras?” Luiz Carlos Molion: “A minha afirmação ‘países sem recursos naturais e energéticos...’ é uma afirmação mais geral, que envolve não especificamente os EUA, mas os outros países do G7, a Inglaterra, a França, o Japão, a Alemanha e a Itália. Talvez fosse mais correcto dizer: ‘... países sem recursos naturais e energéticos, em geral’. Concordo com a ideia de uma dicotomia americana face ao seu alto padrão de consumo. Concordo, também, que possam existir grandes reservas de petróleo no ANWR e que ainda não foram exploradas por pressões dos ambientalistas. Entretanto, existem factos estranhos como, por exemplo, a tomada do Iraque pelos americanos e a grande pressão e ameaças constantes que exercem sobre o Irão, também detentor de grandes reservas petrolíferas. Na época de Saddam Hussein, o Iraque tinha uma produção de 6 milhões de barris por dia. Após a tomada do país pelos americanos, o Iraque passou a produzir cerca de 2 milhões de barris e os EUA controlam totalmente a produção do país. E os preços aumentaram! Assim, parece que há um domínio por parte das companhias produtoras que superam o discurso do governo americano. Na realidade, sabemos que, mesmo em países que se dizem ‘democráticos’, a escolha dos dirigentes é manipulada e dá-se de forma a beneficiar os grandes grupos económicos. Veja o caso de Obama, que tinha um discurso contra a guerra e, ao ser eleito, enviou mais 30 mil soldados para o Afeganistão, afirmando que ‘a guerra é necessária para manter a paz’. Isto beneficiou a indústria bélica americana, ao mesmo tempo que condenou o povo ao pagamento de impostos mais altos. Uma outra hipótese será a dos EUA estarem a ‘guardar as suas reservas’ do ANWR para a eventualidade de o petróleo ser ‘de origem fóssil’ e um dia poder escassear. Se, porém, o petróleo for de origem inorgânica, como defendem os russos N.A. Kudryavtsev e E.B. Chekaliuk, e os poços se recarregarem num período de tempo relativamente curto, a situação pode mudar. Mas, ainda assim, os países produtores serão sempre os que estão próximos das falhas geológicas e das bordas de placas tectónicas. Em resumo, o assunto parece ser complexo e provavelmente não temos todas as informações necessárias para tirar conclusões convincentes. Mas, aposto muito na história e no tempo para elucidar os fatos...” Ricardo Augusto Felício: "Sim, de facto, não só apoio essa afirmação, como já temos elementos suficientes que demonstram que isto já é uma tese. Os governos e fundações do ‘Establishment’ oligárquico internacional detêm esse poder e estão a articular tudo para chegarem a esse controlo internacional. O importante é ressaltar que tudo é baseado em falácias. Não existe nenhum problema internacional, além dos clássicos: a fome, a pobreza, a falta de cuidados de saúde e a falta de educação, os quais, com o desenvolvimento actual, já poderiam ter sido erradicados Não o fazem porque não querem, propositadamente, claro. E agora, as ONG ambientalistas ainda fazem campanha contra estes mesmos pobres e famintos, tentando impedir que eles tenham acesso a energia eléctrica barata. É impressionante o nível a que se chegou. Este poder internacional consegue atirar uns contra os outros. Podemos ver isto a todas as escalas, começando a nível internacional, onde se atiram os países ricos contra os pobres (sendo que os ricos sofrem das mesmas taxações absurdas). À escala local pudemos observar um pouco este plano com a inspecção de veiculos, implementada por políticos que servem a ‘causa’. O governo paulista atirou os mais ricos (com carros mais novos) contra os pobres (com carros mais velhos e sem dinheiro para os trocar). Desta maneira, desviou-se o foco da discussão para as camadas socioecónomicas, quando na verdade, o foco da discussão deveria ser a eficiência de tal empreitada e a quantidade de recursos financeiros que serão desviados dos cofres públicos, de maneira directa e indirecta, e passados a uma empresa particular. Já no próximo ano os ânimos serão apaziguados, pois todos terão que fazer a inútil inspecção. Não falam das quantidades de dinheiro que representam estas transferências do público para o privado. Quanto aos partidos políticos, observo as situações com cautela. Todos se pintam de verde, mas convém lembrar que esse verde é de dinheiro. Só discutem problemas de redução de emissões, de novas formas de economia e por aí adiante. Forçam a troca dos processos convencionais, pelos chamados ‘verdes’, a qualquer custo, não importa se prejudicam as pessoas. Observo, com grande preocupação, algumas candidaturas como a do presidente da Natura, que quer-se tornar candidato à vice-presidência da República do Brasil, ou Fábio Feldmann, destacado membro da Greenpeace internacional, que quer ser governador do estado de São Paulo.”
Apache, Maio de 2011

Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home