O Último dos Moicanos: “Quebrar o silêncio… em desacordo!”

quinta-feira, 1 de março de 2012

“Quebrar o silêncio… em desacordo!”

«É lei histórica que a opressão económica atrai a opressão cultural e que nunca faltarão Miguéis de Vasconcelos para concretizar ambas. Refiro-me, claro está, ao “acordo” Ortográfico, esse pináculo da arrogância legislativa, de cuja necessidade só lembraria aos nossos “espetaculares” deputados e também, arrogância minha em dizê-lo, a quem de imprimir livros faz vida e mercadoria, mais dinheiro com dinheiro naquele acto.
Coloca tal gentalha, povo, mestres e linguistas de cócoras, como de igual modo faz quem nos tem governado, a quem de vender a força de trabalho não consegue alternativo acto.
Protegidos uns, pelo falacioso pregão que da dívida todos somos responsáveis e que todos devemos pagar o que muito, alguns, poucos desfrutaram. Os outros fazem da etimologia, da história que faz uma língua, coisa sem valor, talvez na mesma proporção que ignoram na História o valor de factos e actos.
Eu fico contente por ainda haver rebeldes. Honra a Vasco Graça Moura!
Honra também às inúmeras faculdades e universidades que ainda não aderiram à infâmia do acto legislado e “acordado”!
Honra aos mestres como Vitorino Magalhães Godinho e aos noventa por cento de linguistas que demonstraram o seu desacordo em acto.
Selo a minha posição agindo em total acordo com a intenção do poema emprestado e em acto partilhado:
Dois mil e dezasseis, o mais tardar,
programa-se a extinção da letra “H”.
Vão os interessados demonstrar
aos iletrados que, entre as consoantes,
mais muda, absurda, irrelevante, ...não “á”.
Sonhem-se os livros “re-editados”,
os “corretores” patenteados,
“corrêtamente” “desagasados”,
e os “omens” de “oje” já reciclados
(pelo “corropio” dos lestos formadores)
na grafia-da-moda que já está
– e não mais se conceba a "ora agá"! –
nos softwares dos computadores
– únicos doutos escrevedores... –
faseadamente, ainda antes
da queda iminente da cedilha
(anacrónica, cómica excrescência),
mas é preciso tempo e paciência,
para fazer render – e muito! – a pastilha...
A vogal vã, o "U" após o "Q",
é outra para sair se não se lê...
Não se diz, vai cair. Ponto final.
Mas, por enquanto, é confidencial...
Viste murchar os pontos cardeais?
Não leste e estás a “leste”? Queres comer
onde não resta espaço, estás a mais...
Uns anitos que fiques, irás ver
vender Portugal com letra pequena...
Ainda estás aí?... Não tenhas pena.
Pedras e letras valem uns tostões
a uns poucos “expertos” comilões...
O País-nação estará fora de cena.
E enquanto não falir, deficitário,
grafe-se “portugal” no Novo Dicionário.
[poema de Madalena Homem Cardoso]»
Texto de Aníbal Oliveira, professor da Escola Secundária de Cacilhas-Tejo

Etiquetas: , , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home