O Último dos Moicanos: Novembro 2013

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

O que é “fazer Ciência”?


O professor (da Universidade do Algarve) Igor Khmelinskii relata, neste ‘post’ do seu blogue “Clima Virtual versus Clima Real”, que gastou metade do seu dia (1 de Novembro) a assistir à 5.ª Conferência Portuguesa de Ciências Polares e concluiu que os conferencistas, supostos cientistas (seniores), não sabem como se faz Ciência.
Desde os primeiros anos de escolaridade incutimos nos alunos a importância do conhecimento científico. Nos últimos anos do Ensino Secundário, os estudantes das áreas científicas passam metade do seu tempo de escola a adquirirem conhecimentos científicos [infelizmente (e cada vez mais) também alguns pseudocientíficos]. Muitos chegam à universidade para se graduarem em áreas científicas. Alguns são cientistas profissionais. E, no entanto, (já muitos de nós verificámos que) a esmagadora maioria deles não sabe o que é, ou como se faz, Ciência.
As ciências aplicam o método científico, isto é: observam determinado acontecimento; formulam hipóteses justificativas e/ou explicativas do mesmo; planeiam e executam experiências, investigações, trabalhos de campo que tentem negar as hipóteses; se o conseguem, formulam novas hipóteses e repetem os trabalhos; se o não conseguem, as hipóteses não negadas transforma-se em teses. É a este conjunto de procedimentos que chamamos “fazer Ciência”. O objectivo (final) do trabalho dos cientistas é provar que as hipóteses (formuladas) estão erradas.
Então, porque é que a maior parte dos (alegados) cientistas gasta somas colossais de dinheiros públicos e toda a sua vida profissional a tentar demonstrar que as hipóteses que formulou são verdadeiras? Alguém, alguma vez, conseguiu provar a veracidade de alguma?
Apache, Novembro de 2013

Etiquetas: , , , ,

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

A higienista

“A ministra Assunção Cristas garante que a ideia de limitar por decreto o número de animais domésticos é apenas uma proposta que anda há sete anos a ser estudada "ao nível [o português é o da senhora] dos serviços do Ministério" da Agricultura [MA], processo no qual "têm sido ouvidas várias entidades, que têm dado contributos muito sérios".
Ou seja, o caso é ainda pior do que constou. Não vou perguntar o que se entende por "contributos muito sérios" num tema que tresanda a circo, mas uma coisa é uma governante com conhecidas inclinações socialistas abraçar tamanha enormidade. Outra coisa, bastante mais assustadora, é a enormidade ter nascido na cabeça de socialistas assumidos e entretido, durante quase dois mandatos, um sortido indeterminado de funcionários ministeriais, além de especialistas avulsos. Lidar com a demência de uma criatura é tarefa complicada; enfrentar a demência de um sistema é tarefa desumana.
Não vale a pena repetir que a quantidade de cães, gatos, hamsters e cágados que os cidadãos apascentam em casa é assunto que só aos próprios - e aos condomínios, a existirem - diz respeito. Talvez valha a pena pensar se, em prol da famosa higiene pública, as restrições não se deveriam aplicar justamente aos tiranos pequeninos que dedicam as vidas a regulamentar a vida do contribuinte que os patrocina. Apesar das reduções na última década, o MA, por exemplo, emprega seis mil indivíduos, cifra excessiva na medida em que a instituição serve exclusivamente para castigar as pessoas pelas decisões que lhes competem e premiá-las pelos fenómenos que lhes são alheios: abrigar três cachorros (ou promover uma campanha de descontos em supermercados) dá direito a multa, sofrer três meses de chuva suscita indemnização.
Para protagonizar esta comédia, a senhora ministra, sozinha, chegaria e sobraria. Sobraria porque li algures que a dra. Assunção possui quatro filhos, notoriamente um excesso se, ao contrário do que costuma suceder com os bichos, cada fedelho implicar berreiro nocturno (ou diurno), perturbação da ordem e meses a fio de licença de parto, subsidiada por todos nós. Mesmo imaginando que a estimável prole da dra. Assunção esteja isenta de tais desvarios, a lei é cega e geral. Qual lei? A que, um belo dia, outro tirano pequenino, inspirado por uma longa tradição de abusos, se lembrará de propor. Por enquanto, aqui fica o meu contributo muito sério. Se quiserem um contributo a brincar, financiem-me durante sete anos e aguardem."
Alberto Gonçalves, no “Diário de Notícias”

Etiquetas: , , ,

sábado, 2 de novembro de 2013

Do politicamente correcto…


“Muito haveria a dizer sobre o marxismo cultural ou “gramsciano” que vai penetrando lentamente nas mentes sob a forma do “politicamente correcto”. Em poucas décadas, o marxismo cultural tornou-se a única força organizada à escala planetária com influência em múltiplos sectores das sociedades e tradicionais meios de comunicação de massas – televisão e imprensa e nas redes sociais onde se dissemina de forma vertiginosa.

O “politicamente correcto” é marxismo com tudo o que esta ideologia tem de nefasto: perda de liberdade de expressão, polícia do pensamento, inversão da ordem social e tradicional e, por fim, um Estado totalitário.”
Floriano Mongo, em comentário deixado no blogue “Porta da Loja"

Etiquetas: , ,