O Último dos Moicanos: Nikola Tesla, O Mágico da Electricidade…

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Nikola Tesla, O Mágico da Electricidade…

Precisamente à meia-noite de 9 para 10 de Julho (27 para 28 de Junho, no calendário ortodoxo), de 1856, debaixo de uma violenta trovoada, nascia em Smiljan, actual Croácia (à época, Áustria-Hungria) Nikola Tesla, o mais polémico, e extravagante (e digo eu, genial) inventor, de todos os tempos.
Filho de um pastor da Igreja Ortodoxa Sérvia, Milutin Tesla e de uma (pequena) inventora de utensílios de cozinha, Duka Mandic, Tesla teve uma vida recheada de grandes e estranhos acontecimentos.
Quando Tesla tinha cinco anos, morreu o seu irmão Dane, de 12 anos, vítima de uma queda de cavalo provocada por uma semente lançada por uma fisga que o próprio Tesla construíra. O triste acontecimento tê-lo-á estigmatizado para sempre.
A infância foi marcada pelo convívio com a família, de que faziam parte mais três irmãs, Milka, Angelina e Marika, e por estranhas doenças que o acometeram.
Depois de concluída a escolaridade obrigatória em Karlovac, foi estudar para o Instituto Politécnico em Graz (Áustria). Apesar de ser um aluno interessado e extremamente aplicado, Tesla não chegou a graduar-se, os biógrafos referem que um esgotamento nervoso e falta de dinheiro para pagar o curso o impediram de continuar os estudos.
Mudou-se depois para a Eslovénia, onde arranjou o primeiro emprego, como ajudante de um engenheiro electrotécnico, ramo da Física que constituía a grande novidade da época e matéria que (conjuntamente com mecânica) sempre interessou Tesla, que em criança havia construído uma máquina movida a mosquitos.
Mais tarde, o pai, consciente das elevadas capacidades intelectuais do filho, convence-o a continuar os estudos na prestigiada Universidade de Praga (República Checa). Tesla acaba por aceder a fazê-lo em 1880, mas abandona os estudos no ano seguinte, após a morte do pai, devido, (novamente) a dificuldades económicas. Muda-se então para Budapeste (Hungria), para trabalhar na recém-criada companhia dos telefones.
Passado outro ano (1882) muda-se para Paris, para trabalhar na “Continental Edison Company” de Thomas Edison, o inventor da lâmpada de incandescência. É nesta empresa que Tesla revela o seu génio criativo e patenteia os seus primeiros inventos, nomeadamente, o famoso motor de indução.
Regressa à Terra Natal para acompanhar as últimas horas da mãe... por esta altura, Tesla o autodidacta, fala fluentemente seis línguas e os seus inventos são comentados pela comunidade científica europeia. As últimas palavras da mãe “babada” terão sido, “Nidzo (diminutivo de Nikola) és o meu orgulho”. A morte da mãe abala profundamente a frágil saúde de Tesla que fica vários dias em convalescença. Segundo o próprio, além de outros problemas neurológicos, sofria de Sinestesia, rara perturbação em que o estímulo de um sentido provoca uma percepção automática noutro, por exemplo, um cheiro traz uma visão, ou um sabor. Tesla refere na sua autobiografia que via frequentemente luzes à sua frente e que elas lhe proporcionavam visões de novos inventos com impressionante realismo.
A 6 de Junho de 1884, Tesla chega a Nova Iorque para trabalhar na empresa de Edison, com uma carta de recomendações do gerente da filial francesa, onde se lia: “Só conheço dois grandes homens, tu (referindo-se ao patrão) e este jovem”. Com uma recomendação destas, Tesla passa a trabalhar e a ganhar como Engenheiro Electrotécnico, mas como parecia ser marca do destino, não ficaria muito tempo na companhia de Edison.
(continua…)
Apache, Julho de 2007

Etiquetas: ,

4 Comments:

Blogger joana said...

voltei, agora com um pouco de mais tempo para passar aqui mais vezes...

engraçado o texto...

bjinho***

sexta-feira, julho 13, 2007 11:10:00 da manhã  
Blogger cris said...

Ora cá está um grande senhor... que soube tornar-se grande... Gostei...

beijocas e boa sexta

sexta-feira, julho 13, 2007 2:57:00 da tarde  
Blogger Magna said...

Olá! Foi por acaso que encontrei esse blog, mas certamente não será por acaso que retornarei...
Quero saber como termina a história de Tesla.

Até mais!

domingo, julho 15, 2007 3:18:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Olá Joana, sê bem regressada. Será que é desta que vamos ter "post's" teus com mais frequência?

Grande no génio e grande no humanismo, Cris. Apesar de nunca ter tido filhos, nem nunca ter casado, penso não haver dúvidas que "os tinha" no sítio!

Olá Magna, obrigado pela visita. Fico à espera que voltes.

domingo, julho 15, 2007 4:44:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home