O Último dos Moicanos: Nikola Tesla, O Mágico da Electricidade… (6)

domingo, 5 de agosto de 2007

Nikola Tesla, O Mágico da Electricidade… (6)

Decorria o ano de 1917, os Estados Unidos participavam na Primeira Guerra Mundial e Tesla (aparentemente preocupado com as baixas provocadas pela guerra) ocupa-se de mais uma invenção, a que chamou “Raio Explorador”. O engenho permitia, através do envio e recepção de ondas electromagnéticas, detectar à distância, a posição exacta dos veículos inimigos. Mais uma vez, os militares ignoraram a sua proposta. Curiosamente, o “Radar” (assim rebaptizado na segunda metade dos anos 30) ajudaria à vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial.
A destruição do Wardenclyffe Tower, que operava conjuntamente com outro laboratório que Tesla construiu em Long Island, a Telefunken Wireless Station, dá-se precisamente em 1917, por alegadamente, a segunda, ser usada pelos alemães para espionagem. A torre tinha sido construída em parceria com a emissora de rádio alemã (Telefunken) que iniciara emissões (na Alemanha) em 1903.
Por esta altura Tesla manifesta publicamente outra rara doença, diagnosticada como sendo “Transtorno Obsessivo-Compulsivo”. A partir desta data surgem com frequência na imprensa várias acusações de insanidade. Tesla era um homem de poucas mas corrosivas palavras e o facto de se ter tornado vegetariano, de ser um crítico da “Sociedade das Nações” criada no final da Primeira Guerra Mundial, de prever que no futuro a sociedade seria dominada (no topo hierárquico) pelo sexo feminino, entre outros, politicamente incorrectos (à época) contribuíram significativamente para a generalização do boato de que o inventor enlouquecera.
Em 1928 Tesla registou a sua última patente, um “avião de descolagem vertical”.
Outro facto que contribuiu para a descredibilização de Tesla foi ter criticado publicamente Albert Einstein. Ambos procuravam uma teoria que juntasse as quatro forças fundamentais do universo, a gravítica, a electromagnética, a nuclear forte e a nuclear fraca. Einstein conseguiu a sua maior aproximação com a “Teoria da Relatividade” (Geral e Restrita) que Tesla disse (aparentemente com alguma razão) ser plagiada de trabalhos anteriores do compatriota, Ruder Boskovic. Nikola, por seu lado, afirmou tê-lo conseguido, na sua “Teoria do Campo Unificado”, obra nunca publicada, onde Tesla conclui ser a gravidade causada por forças electromagnéticas, sendo as forças nucleares, também elas forças electomagnéticas. Tesla acompanhava os trabalhos e subscrevia-se com vários físicos quânticos de renome.
Os últimos anos da sua vida foram passados no New Yorker Hotel, entre livros e revistas com as novidades da ciência, livros de poesia e correspondência com outros ilustres cientistas e com escritores célebres, como o amigo de longa data, Mark Twain.
Como invenções suas dos últimos anos, destacam-se vários equipamentos de electroterapêutica, tendo mesmo fundado uma empresa que (apesar da novidade para a época) conseguiu algum sucesso financeiro.
Com a teoria do físico francês De Broglie (1926) da natureza ondulatória e corpuscular da luz, posteriormente demonstrada por George Thomson (1937), Tesla interessa-se de novo pelo mais polémico dos seus “inventos”, o “Raio da Morte” (que havia testado, sem (aparente) sucesso, em 1908), como lhe chamou a imprensa, posteriormente por “Paredes de Luz” (que deveriam permitir a invisibilidade de um objecto) e mais tarde pelo “Teletransporte”.
Tesla chegou a escrever ao Presidente Americano para lhe pedir que assistisse a uma demonstração do “Raio da Morte”, tendo apenas recebido uma carta a agradecer mas declinar o convite.
Por esta altura, J. P. Morgan havia-se juntado à enorme campanha que Edison (entretanto falecido) iniciara para denegrir a imagem do inventor e era frequente a imprensa sensacionalista o apelidar de louco.
Em 1940, a famosa banda desenhada de Max Fleischer, apresentava o herói (o Super-homem) a lutar contra o Raio da Morte de um cientista louco que queria conquistar o mundo, de nome Tesla. Os seus colegas universitários gozavam-no nas colunas do “New York Times”, excepto um pequeno grupo que se correspondia com ele, quase anonimamente.
Tesla havia recusado, anos antes, apoios monetários que considerava miseráveis, provenientes de entidades oficiais americanas e vivia essencialmente de um subsídio concedido pelo Governo Jugoslavo e de algumas patentes que ainda não tinham caducado, bem como dos direitos da tradução para o Inglês, do (mais conhecido) poeta Sérvio, Jovan Jovanovic Zmaj.
A 7 de Janeiro de 1943, o FBI entra na suíte 3327 situada no 33º andar do New Yorker Hotel e (aparentemente) encontra Nikola Tesla (de 86 anos) morto. O corpo é levado, o quarto selado e todos os pertences confiscados ilegalmente, em nome da “segurança nacional”. Dias depois é indicada como causa da morte, uma paragem cardíaca e (alegadamente) o corpo é cremado, fazendo-se um funeral público, estranhamente com grande aparato.
Polémico e excêntrico em vida, não podia deixar de o ser, na morte. Existem várias testemunhas que afirmam que trabalhou para os militares, até finais dos anos 50, tendo desempenhado papel importante na estranha “Experiência de Filadélfia”, que oficialmente nunca existiu.
Durante 40 anos, vários tentaram em vão, apagar da história o nome de Nikola Tesla. Nos anos 80, o FBI divulgou uma parte dos documentos confiscados 40 anos antes e começaram a surgir vários investigadores da obra do génio, bem como (pelo menos quatro) biografias.
Tesla Possui actualmente uma estátua na sua terra natal e outra nas Cataratas de Niágara. Na comemoração dos 150 anos do seu nascimento (2006) a estação pública dos Estados Unidos (PBS) produziu um documentário de (curta) homenagem “Master of Lightning”. Os Sérvios colocaram a sua imagem nas notas de 100 dinares, deram o seu nome ao Aeroporto Internacional de Belgrado, e com as “suas” cinzas e os documentos disponibilizados pelo FBI, construíram-lhe um pequeno museu. Também os russos lhe construíram (com réplicas) um pequeno museu em Moscovo.
Aos poucos, os Norte Americanos vão perdoando a genialidade do homem que disse “Sou cidadão americano e estou grato ao país que me acolheu, mas acima dessa gratidão está o meu orgulho pela minha Croácia natal e pela minha educação e cultura Sérvia”.
Do muito que dele recentemente escreveram vários biógrafos, merecem destaque, os epítetos de J.J. O´Neil, “Tesla, o génio prodigioso” e, de Robert Lomas “Nikola Tesla, o homem que inventou o século XX”. Mas a mais célebre frase que lhe foi dedicada é de Mark Twain, “Nikola Tesla é o inventor dos sonhos”.
Registou 272 patentes em 25 países, mas viu muitas mais terem-lhe sido roubadas. Um biógrafo atribui-lhe cerca de 900 invenções, outro, mais de 1 200.
Excêntrico como Newton, multifacetado como Da Vinci, dedicado como Galileu, mais ou menos louco que qualquer mortal, Nikola Tesla pertence ao grupo restrito dos mais geniais entre Nós.
Apache, Agosto de 2007

Etiquetas: ,

8 Comments:

Blogger PSM said...

Marsupial Man was here.

domingo, agosto 05, 2007 4:50:00 da manhã  
Blogger Magna said...

Olá colega!
Estive um pouco sumida mas hoje coloquei em dia a minha leitura da história de Tesla.
Te indiquei para o prêmio Blog com Tomates, espero que aceite.
Beijos!

domingo, agosto 05, 2007 11:43:00 da tarde  
Blogger cris said...

Bem...Não fiquei nada decepcionada com Tesla no final da sua vida... continuou fiel s si mesmo, não foi?... ninguém é perfeito, por isso nem sequer é de admirar o vaipe com Einstein. Até o avião de descolagem vertical???? Possa o homem era mesmo único... Acho as comparações finais interessantes. Da Vinci é outro que, apesar de badalado, nem toda a gente conhece a fundo, as suas invenções quero eu dizer.

Gostei muito desta descrição de um senhor que eu desconhecia por completo. Obrigada pela tua partilha.


boa terça

segunda-feira, agosto 06, 2007 11:25:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Thanks for de visit, Psm. I hope you should read and understand.

Claro que aceito, Magna, é a segunda nomeação. Obrigado. Beijinho.

Olá Cris. Tinha alguma razão em relação ao Einstein, ele copiou mesmo (entendimento meu) as ideias de Ruder Boskovic e aperfeiçoou-as. Quanto à teoria da unificação das forças, ambos (Einstein e Tesla) têm adeptos na elite cientifica, mais o primeiro que o segundo, mas ainda hoje não sabemos de que lado está a razão, até porque as ideias de ambos convergem em muitos pontos, ambos eram amigos de outros grandes nomes da física quântica, como Niels Bohr ou Erwin Schrodinger.
Quanto ao Leonardo Da Vinci, foi pintor, escultor, músico, inventor e arquitecto e é, tal como Tesla, outro genial injustiçado, por não ser conhecido na proporção do seu mérito.

terça-feira, agosto 07, 2007 4:07:00 da manhã  
Blogger cris said...

concordo na totalidade... Da Vinci era um génio também... a humanidade tem destas coisas, atrasa-se a reconhecer o mérito aos semelhantes... aquela inércia própria do preconceito, mesquinhez, prepotência e inépcia... terrível... temos muito que aprender...


boa terça

terça-feira, agosto 07, 2007 3:10:00 da tarde  
Blogger redonda said...

Ainda bem que se está a resgatar a sua memória, embora um pouco tarde e ele era mesmo um génio.

quinta-feira, agosto 09, 2007 4:01:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Mais vale tarde, que nunca!

segunda-feira, agosto 13, 2007 4:32:00 da manhã  
Blogger rob10 said...

Foi o gênio que essa civilização egoísta e ambiciosa da rapina e do ódio não reconheceu! Mas o mais importante é o que ele realmente representou para o maior avanço científico da Humanidade que é a Teoria do Campo Unificado que será responsável pelo Teletransporte que é a Fantástica Viagem no tempo. a partir daí ele será real e merecidamente reconhecido ainda que bastante tardiamente. foi um homem MUITO ALÉM DO SEU TEMPO.

quarta-feira, abril 20, 2016 10:06:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home