O Último dos Moicanos: O fenómeno da Tunguska fez 100 anos

sexta-feira, 4 de julho de 2008

O fenómeno da Tunguska fez 100 anos

O agricultor Semenov tinha o hábito de se levantar de madrugada adiantando as primeiras tarefas na quinta, antes de observar diariamente o nascer do Sol. Naquela manhã de 30 de Junho de 1908, dezassete minutos depois das sete horas, Semenov olhava estupefacto para o céu. Não havia um mas sim dois sóis no horizonte. Um deles, de tom azulado, rasgava o céu a uma velocidade astronómica em direcção a Semenov que não conseguia esboçar reacção. Antes que a fantasmagórica bola de fogo o atingisse, um fortíssimo vento quente elevou-o do solo e fê-lo voar uma centena de metros. Ao estatelar-se no solo desmaiou. Quando voltou a si, atordoado, olhou em volta o cenário dantesco que o rodeava. A sua roupa rasgada e chamuscada queimava-lhe a pele, a casa onde morava pura e simplesmente desaparecera, todas as árvores que o seu olhar alcançava estavam derrubadas ou tinham perdido os seus ramos. Centenas de cabeças de gado do vaqueiro Luchektan a cerca de 2 km de si tinham sido assadas e jaziam pela estepe, algumas trespassadas pelos ramos da vegetação. Alguns riachos e pequenos lagos da região secaram instantaneamente. Dois mil quilómetros quadrados de floresta (mais de 80 milhões de árvores) foram arrasados. A 750 km dali passava o comboio transiberiano. O maquinista relatou que sentiu um vento forte e muito quente, enquanto os vidros das janelas estilhaçavam e as cortinas eram arrancadas. Assustados, muitos dos passageiros gritavam, mas os seus gritos foram rapidamente abafados por um trovão como nunca se tinha ouvido. Quando olhou para os carris, reparou que estes ondulavam à sua frente, enquanto o comboio se sacudia. Aterrorizado, puxou o travão de emergência debruçou-se sobre os joelhos e rezou. A 4 mil quilómetros do local, a estação meteorológica de São Petersburgo registou um abalo sísmico de média intensidade e uma enorme perturbação do campo magnético terrestre. Um dos funcionários da estação afirma que as agulhas das bússolas rodavam como moinhos ao vento. A oito mil quilómetros dali, em Londres, os sismógrafos registavam um abalo sísmico de fraca intensidade. Mas durante semanas, a qualquer hora da noite e sem luz artificial, era possível ler o jornal. (continua…)
Apache, Julho de 2008

Etiquetas: , ,

4 Comments:

Blogger cris said...

Fiquei curiosa... não demores muito para escrever mais um bocadinho, está bem? Please!!! :) Era meteorito?

Bom fds

sexta-feira, julho 04, 2008 4:05:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Amanhã, Cris, que hoje uns contratempos deixaram-me sem paciência.

sábado, julho 05, 2008 3:34:00 da manhã  
Blogger cris said...

Boa... este era o que já me tinha deixado curiosa... eheheh ando mesmo na lua.. :)

Calma que os contratempos estão... na moda!

sábado, julho 12, 2008 1:05:00 da manhã  
Blogger Apache said...

:)

quarta-feira, julho 16, 2008 3:45:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home