O Último dos Moicanos: A propósito de conspirações…

quarta-feira, 22 de novembro de 2006

A propósito de conspirações…

“Parece claro que existe um plano conducente à supressão de Portugal do conjunto dos Estados soberanos europeus. Pobres em recursos naturais e confinados a uma linha junto ao mar, com um único vizinho terrestre muito maior, foi ao mar que cedo fomos procurar meios que viabilizassem e assegurassem a nossa sobrevivência. Encerrado esse ciclo de quinhentos anos, tornava-se necessário que a república que nos calhou em "sorte" apontasse ou viabilizasse soluções alternativas. Em lugar de um novo desígnio, meteram-nos na União Europeia, com o inerente cortejo de subsídios, que apenas serviram para exibir algumas ostentações de novo-riquismo saloio. Enquanto outros países investiram na educação, por cá a aposta parece ter sido na total falta dela, com especial incidência no Português e na História, dois importantes factores de identidade, que apresentam hoje danos irreparáveis, pois parece difícil para as novas gerações passarem informação que nunca receberam. Supunha-se ser função do Estado assegurar, com as receitas cobradas, os serviços públicos mínimos que, por menos rentáveis, não são prestados pelas empresas privadas, que permitissem dar a toda a população o direito à saúde, ao ensino, à justiça e à cultura, em todo o território. Com a prevalência de critérios economicistas sobre o interesse do povo, o que vemos é o Estado a encerrar tudo o que não é rentável, contribuindo para agravar inexoravelmente a trágica desertificação de zonas de já difícil fixação, por ausência de vias de comunicação e de actividades geradoras de emprego. Porque as zonas mais sacrificadas ficam próximas da fronteira, eis que os terrenos agrícolas são comprados por espanhóis, com mais apoios do seu país e as mães da raia são forçadas a ter os seus filhos no país vizinho. Com impostos insuportavelmente mais elevados e salários muito inferiores, até o consumo de combustível, porque mais barato, contribui para o PIB do país vizinho. As nossas obras públicas, como o TGV, estão na sua grande maioria, condicionadas pelos interesses espanhóis. Enquanto isso, grandes empresas e bancos vão passando, através da bolsa e sem ruído para as suas mãos, boa parte do capital das (poucas) competitivas empresas nacionais, bem como os nossos melhores quadros técnicos, parte deles a trabalharem para grandes empresas espanholas. As nossas indústrias, sem adequada e prévia preparação, vão soçobrando à competição asiática originada pela globalização, da qual não temos dimensão nem recursos para tirarmos partido. Na cultura, os escritores portugueses recebem prémios Cervantes ou Príncipe das Astúrias, aprende-se castelhano no Instituto Cervantes, lê-se na "Hola" todo o social dos vizinhos, enquanto eles promovem visitas da sua Família Real às suas e nossas antigas possessões ultramarinas, instalam os seus institutos culturais e as suas empresas, enfim, fazem pela vida… A dúvida é se os senhores guardiães da república são apenas ceguinhos, estão distraídos ou são cúmplices. Venha o diabo e escolha!”
Extraído de um texto intitulado “Cegueira ou cumplicidade” escrito por Dom Vasco Teles da Gama para o “Diário Digital”

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger joana said...

interessante...

bjinho**********************

quinta-feira, novembro 23, 2006 9:19:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Olá Joanita, boa semana!

segunda-feira, novembro 27, 2006 1:59:00 da manhã  
Blogger DarkMorgana said...

Que passa, hombre?
Por supuesto no te habiam dito nada?

terça-feira, novembro 28, 2006 11:34:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Eu acho que sou sempre o último a saber...

quinta-feira, novembro 30, 2006 12:57:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home