O Último dos Moicanos: Jumbo e IKEA - Ricardo Araújo Pereira

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Jumbo e IKEA - Ricardo Araújo Pereira

Aqui por estas bandas, há pouco mais de um mês, o hipermercado Jumbo teve a ideia de abrir umas caixas onde é o cliente quem tem de efectuar todas as operações inerentes ao registo e pagamento dos produtos que pretende adquirir. Como o povo (que dizem, é de brandos costumes) não se fez ouvir com a intensidade sonora que se impunha, esta semana a nova moda é ser também o cliente a pesar os vegetais e frutos e a etiquetá-los. Dizem que é inovação tecnológica. Onde é que eu já ouvi isto? Certamente a um gajo cujo coeficiente de inteligência raia a mesma mediocridade que a dos gestores desta loja. Palpita-me que, ou os clientes mudam de loja, ou um destes dias, à entrada do hipermercado está alguém a distribuir um balde e uma esfregona para que cada cliente limpe os corredores por onde passa, antes de abandonar a loja. Com estas medidas, o hipermercado reduz o número de funcionários, poupa em salários e maximiza os lucros. O texto que apresento a seguir (já com uns meses mas igual actualidade), bem mais humorado, refere-se às lojas IKEA e descreve um tipo de actuação similar, a esperteza em substituição da inteligência, ou a gestão à boa maneira do artista de Vilar de Maçada…
“Os problemas dos clientes do IKEA começam no nome da loja. Diz-se «Iqueia» ou «I quê à»? E é «o» IKEA ou «a» IKEA? São ambiguidades que me deixam indisposto. Não saber a pronúncia correcta do nome da loja em que me encontro inquieta-me. E desconhecer o género a que pertence gera em mim uma insegurança que me inferioriza perante os funcionários. Receio que eles percebam, pelo meu comportamento, que julgo estar no «I quê à», quando, para eles, é evidente que estou na «Iqueia». As dificuldades porém, não são apenas semânticas mas também conceptuais. Toda a gente está convencida de que o IKEA vende móveis baratos, o que não é exactamente verdadeiro. O IKEA vende pilhas de tábuas e molhos de parafusos que, se tudo correr bem e Deus ajudar, depois de algum esforço hão-de transformar-se em móveis baratos. É uma espécie de Lego para adultos. Não digo que os móveis do IKEA não sejam baratos. O que digo é que não são móveis. Na altura em que os compramos são um puzzle. A questão, portanto, é saber se o IKEA vende móveis baratos ou puzzles caros. Há dias, comprei no IKEA um móvel chamado Besta. Achei que combinava bem com a minha personalidade. Todo o material de que eu precisava e que tinha de levar até à caixa de pagamento pesava seiscentos quilos. Percebi melhor o porquê do nome do móvel. É preciso vir ao IKEA com uma besta de carga para carregar a tralha toda até à registadora. Este é um dos meus conselhos aos clientes do IKEA: não vá para lá sem duas ou três mulas. Eu alombei com a meia tonelada. O que poupei nos móveis gastei no ortopedista. Neste momento tenho doze estantes e três hérnias. É claro que há aspectos positivos: as tábuas já vêm cortadas, o que é melhor do que nada. O IKEA não obriga os clientes a irem para a floresta cortar as árvores, embora por vezes se sinta que não faltará muito para que isso aconteça. Num futuro próximo, é possível que, ao comprar um móvel, o cliente receba um machado, um serrote e um mapa de determinado bosque na Suécia onde o IKEA tem dois ou três carvalhos debaixo de olho que considera terem potencial para se transformarem numa mesa de cabeceira engraçada. Por outro lado, há problemas de solução difícil. Os móveis que comprei chegaram a casa em duas vezes. A equipa que trouxe a primeira parte já não estava lá para montar a segunda e, a equipa que trouxe a segunda recusou-se a mexer no trabalho que tinha sido iniciado pela primeira. Resultado: o cliente pagou dois transportes e duas montagens e ficou com o móvel incompleto. Se fosse um cliente qualquer, eu não me importaria. Mas como sou eu, aborrece-me um bocadinho. Numa loja que vende tudo às peças (que, por acaso, até encaixam bem umas nas outras) acaba por ser irónico que o serviço de transporte não encaixe bem no serviço de montagem. Idiossincrasias do comércio moderno. Que fazer, então? Cada cliente terá o seu modo de reagir. O meu é este: para a próxima pago com um cheque todo cortado aos bocadinhos e junto um rolo de fita gomada e um livro de instruções. Entrego metade dos confetti num dia e a outra metade no outro. E os suecos que montem tudo se quiserem receber.”
Ricardo Araújo Pereira – “IKEA: Enlouqueça você mesmo”
Apache, Agosto de 2008

Etiquetas: , ,

3 Comments:

Blogger redonda said...

:):) já estive a rir com isto :) achei o máximo a do balde e da esfregona...só espero que ninguém de lá leia isto e resolva seguir com a ideia para a frente :)

terça-feira, agosto 12, 2008 2:50:00 da manhã  
Blogger Apache said...

Acho que já faltou mais ;)

quinta-feira, agosto 14, 2008 2:52:00 da manhã  
Blogger João Araújo said...

Realmente da para rir :) mas ao sr. Ricardo Araújo Pereira, a combinação de Arrumação besta é disponível num conjunto de 12 embalagens em que o total em pouco ultrapassa os 100kg, e a embalagem mais pesada não chega a 60 kg... se ganhou três hérnias a colocar 12 embalagens no carro, humm.. o meu amigo é um "menino" :)

quarta-feira, janeiro 30, 2013 10:27:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home