O Último dos Moicanos: Vem aí o “Magalhães"!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Vem aí o “Magalhães"!

O mérito a quem o tem…
Foi apresentado na passada quarta-feira, com a pompa e circunstância (entenda-se palhaçada) habitual o “Magalhães”, um computador portátil que na versão do Governo será distribuído por “meio milhão de alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico” (a antiga escola primária). Ainda, segundo o Governo, este “será o primeiro computador portátil com acesso à Internet montado em Portugal.” Na apresentação do projecto, o Primeiro-Ministro afirmou que se trata de “um computador de última geração tecnológica - nomeadamente o último microprocessador da Intel”. No Portal do Governo pode ler-se ainda que “o Magalhães é um computador portátil que permite o acesso à Internet, tem uma autonomia de seis horas, é resistente ao choque e à água e trabalha com qualquer sistema operativo.” Na mesma apresentação, o Sr. Sousa, sem fazer (uma vez mais) a mínima ideia do que estava a dizer, aproveitou para informar que vai ser instalada ligação à Internet em todas as salas de aula e que a velocidade da Banda Larga será aumentada para um mínimo de 48 megabit por segundo. Anunciou ainda a instalação de câmaras de videovigilância e a criação de um cartão magnético que substitui o dinheiro e permite o controlo de entradas e saídas dos alunos. No anúncio da iniciativa, a RTP foi ainda mais longe na asneira e, além de ter mostrado uma reportagem, com alunos bem mais velhos que aqueles a quem o portátil se destina, manuseando-o, anunciou o produto como uma estreia mundial e totalmente fabricado em Portugal. Bom, em primeiro lugar, louve-se a capacidade que o “Seu Zé” tem em nos surpreender, dificilmente alguém conseguiria numa única iniciativa fazer e dizer mais asneiras. A saber: Não é dado adquirido (bem pelo contrário) que a introdução de máquinas de calcular no primeiro ciclo do ensino básico, efectuada há alguns anos, tenha tido contributo positivo na melhoria das aprendizagens, antes, a sua introdução coincidiu no tempo com uma degradação acentuada dos conhecimentos dos alunos no final deste ciclo. E várias organizações ligadas ao ensino, nomeadamente a Sociedade Portuguesa de Matemática, através do seu Presidente, Nuno Crato, têm tecido duras criticas a esta medida, que consideram uma das principais causas do baixo nível de conhecimentos dos alunos na área da Matemática. A larga maioria dos professores de Matemática e de Ciências Físico-Químicas do 3º Ciclo e do Secundário (incluindo vários autores de manuais escolares), com quem tenho contactado, subscreve as palavras de Nuno Crato. Imagine-se agora, o que será a qualidade das aprendizagens futuras com a introdução do “Magalhães”, que será destruído a todas as crianças a partir dos 6 anos, a maioria das quais desconhece as mais elementares regras de comportamento em sala de aula. Das duas, uma, ou a iniciativa foi feita à revelia de qualquer parecer técnico credível, como é usual no Ministério da Educação, ou fica demonstrada uma clara intenção do Governo em desferir mais um rude golpe na já muito débil qualidade do nosso ensino. Diz o Sr. Sousa que o portátil será distribuído a meio milhão de alunos, custando: 50 euros a quem não dispõe de apoios dos Serviços Acção Social Escolar (SASE), 20 euros, para quem está incluído no escalão B do SASE e, será gratuito para o escalão A. Como estão actualmente a frequentar o 1º Ciclo do Ensino Básico Público, pouco menos de 450 mil alunos e há 500 mil “Magalhães” será que vão obrigar todos os alunos a possuir o dito, mesmo aqueles cujas famílias, apesar de não serem apoiadas pelo SASE, mal dispõem de verba para comprar cadernos e material de escrita? Na apresentação do “Magalhães” o Sr. Sousa usou e abusou uma vez mais da propaganda, sem pejo no recurso à mentira sistemática, como é aliás prática corrente de toda a equipa governativa. Afirmou que este é o primeiro computador portátil montado em Portugal, com acesso à Internet, mas, por exemplo, a empresa que vai ser responsável pela montagem do “Magalhães” (a JP Sá Couto) monta também o Tsunami e o Solbi e há mais empresas portuguesas que importam os componentes e montam os computadores em Portugal. Como bom vendedor de “banha de cobra”o dito Sr. Sousa afirmou que o portátil viria equipado com o último processador da Intel, mas segundo a directora-geral da plataforma para os mercados emergentes, Lila Ibraim, a primeira leva de computadores será equipada com o processador mais antigo da Celeron, ficando para mais tarde os equipados com o microprocessador Atom. Inebriado pelas próprias palavras, o Sr. “inginheiro” prometeu uma autonomia de 6 horas para o “Magalhães”. Esperamos para ver. É que os primeiros portáteis, vendidos aos professores por 150 euros, integrados no pacote propagandístico do ano passado (e-escolas) apresentam a fabulosa autonomia de 50 minutos. No pacote de promessas, consta ainda, a de todas as salas de aula terem ligação à Internet (ninguém percebeu ainda muito bem para quê) e com uma velocidade de 48 Mbps, quando a velocidade máxima disponível no mercado (para todos os operadores) é de 24 Mbps. Já agora, uma correcção à peça da RTP que refere o “Magalhães” como totalmente produzido em Portugal. O que é produzido em Portugal é a caixa plástica exterior, e o pequeno logótipo nela colocado, tudo o resto é importado e montado cá pela já citada empresa de Matosinhos. O “Magalhães” é uma cópia integral (excepto a referida caixa exterior) do Classmate PC da Intel, disponível (com vários nomes comerciais diferentes) em cerca de 30 países.
E para terminar, uma perguntita para o Sr. Sousa: A Intel ganhou o concurso público para o fornecimento dos computadores e a JP Sá Couto o da montagem, ou…?
Hum… Pois…
Apache, Agosto de 2008

Etiquetas: , ,

4 Comments:

Blogger -pirata-vermelho- said...

Estimado índio Apache,
não quer explicar à populaça emparvecida quem é o inefável aldrabilhas, o sr. Sousa?
Outra coisa, sr índio das américas, a omissão do merecido e esmiuçado título académico pode, em purtugale, ser considerada acintosa; sabia?

sábado, agosto 02, 2008 7:50:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Caro Pirata Vermelho, seja bem-vindo a terra.
Quanto ao Sr. Sousa, penso que percebeu a quem me refiro. No texto, a expressão “versão do Governo” remete (em link) para um texto que pode esclarecer as suas dúvidas, se, de facto as tiver.
Quanto à omissão do título, foi mesmo “acintosa”, é que fiquei com dúvidas de qual seria o título mais adequado: Licenciado por faxe ao domingo, numa Universidade encerrada por más práticas, achei que não ficava bem ao ilustre; Bacharel é um título em vias de extinção em Portugal e poder-se-ia confundir o título com a espécie e pensar que esta também estaria em vias de extinção, infelizmente a espécie a que o Sr. Sousa pertence reúne cada vez mais indivíduos; Ainda pensei num título que pudesse referenciar o seu Curso Complementar dos Liceus (actual 12º ano), mas ao que consta, no liceu, o dito, apenas terminou o Curso Geral (actual 9º ano), tendo depois, por artes mágicas da Revolução saltado para o Instituto Superior de Engenharia de Coimbra. Com tantas dúvidas em relação ao “esmiuçado” título, não lhe quis arranjar de forma leviana, um que pudesse ser considerado i”merecido”, parecendo-me menos dúbia, a simples omissão.

sábado, agosto 02, 2008 10:25:00 da tarde  
Blogger cris said...

Eheheheheh... o sr. Sousa está atrasadíssimo. Lá na minha loja, o governante obrigou à compra de cartões magnéticos e trataram da inermete sem fios à força. Tou farta do sr. sousa e de acólitos que teimam em ser mais rápidos que a sombra para se gabarem no fim da porcaria que fazem diariamente. Grrrrrrrrrrrrrrr. Quanto ao Magalhães, tadinho, só vem mostrar que tuga precisa de reminiscências e alembraduras para ainda se sentir com laivos de força ... taditos dos putos que ao pequeno-almoço terão, ao invés d sandes e copo de leite... um pc.


Boa semana

domingo, agosto 03, 2008 2:14:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Aqui na zona também há várias escolas onde os cartões magnéticos foram implementados há vários anos.

segunda-feira, agosto 04, 2008 4:02:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home