O Último dos Moicanos: Carta Aberta ao Presidente das Maldivas

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Carta Aberta ao Presidente das Maldivas

Há, sensivelmente, um mês, o Governo das Maldivas reuniu-se debaixo de água, segundo noticiou a imprensa, com o objectivo de alertar para as consequências da subida do nível do mar resultante das alegadas “alterações climáticas”. No início deste século, uma equipa internacional esteve nas Maldivas a efectuar estudos que concluíram que o nível do mar na região permaneceu estável nos últimos 30 anos. O cientista que liderou essa equipa, indignado com a propaganda implícita na dita reunião de governo, escreve assim ao presidente Mohamed Nasheed: “Sr. Presidente, Realizou recentemente um Conselho de Ministros submarino de sensibilização para a ideia de que nível do mar está a subir e, portanto, ameaça submergir as Maldivas. Esta proposição não é fundada em factos observáveis nem em verdadeiros juízos científicos. É, portanto, incorrecta. Por isto, manifesto-me muito surpreendido com a sua acção, tendo redigido a presente carta como forma de protesto. Em 2001, quando o nosso grupo de investigação encontrou provas irrefutáveis de que o nível do mar não estava em crescimento nas Maldivas, pelo contrário, permaneceu bastante estável nos últimos 30 anos, eu pensei que não seria respeitoso para com o povo do arquipélago se voltasse para casa e apresentasse os resultados nas instâncias internacionais. Por isso, decidi anunciá-lo numa entrevista à emissora de TV local. No entanto, o seu antecessor no cargo censurou a notícia, interrompendo a transmissão. Quando o senhor se tornou presidente, esperei a democracia e o diálogo. No entanto, escrevi-lhe duas vezes, ambas sem resposta. O seu povo não deveria viver sob a constante ameaça de que não há futuro para eles nas suas próprias ilhas. Esta mensagem é profundamente inapropriada, uma vez que não é fundada na realidade mas sim num conceito importado, que carece de justificação científica, sendo, por isso, insustentável. Simplesmente não há base racional para ele. Deixe-me resumir alguns fatos (veja a figura junta e as provas apresentadas em Mörner, 2007):

A azul, o nível do mar nas Maldivas, nos últimos 500 anos. A cor-de-rosa, a estimativa máxima de subida até ao final do século.

(1) Nos últimos 2000 anos, o nível do mar apresentou 5 picos que oscilaram entre os 60 cm e 1,2 m acima do nível actual; (2) Entre 1790 e 1970 o nível do mar esteve cerca de 20 centímetros mais elevado do que hoje; (3) Na década de setenta, o mar baixou cerca de 20 centímetros, vindo a situar-se no nível actual; (4) O nível do mar manteve-se estável nos últimos 30 anos, o que significa que não se justifica qualquer alarmismo sobre a sua subida; (5) Assim, estamos em condições de libertar as Maldivas (e as restantes ilhas e costas de baixa cota, mundo fora) da condenação de se verem alagadas, num futuro próximo. Quando eu era presidente da Comissão INQUA sobre “Alterações do Nível do Mar e Evolução Costeira” (1999-2003), despendemos bastante esforço nesta questão das alterações futuras do nível do mar. Após estudos de campo intensivos e discussões em cinco reuniões internacionais, a Comissão concluiu que no máximo, a subida esperada até ao ano de 2100 é de 5 centímetros, com uma margem de erro de ±15 centímetros (conforme indicado na figura apresentada). Tais mudanças implicam efeitos pequenos ou insignificantes. Na figura podemos ver que o tal pequeno aumento não traria nenhuma ameaça para as Maldivas. Quando muito, tal subida corresponderia a um retorno às condições naturais existentes entre 1790 e 1970, ou seja, o mar retomaria a posição antes do abaixamento verificado nos anos setenta. Aplica-se aqui a mesma história sem senso, repetida para várias outras áreas do globo, de que o nível do mar está a subir e que já há enchentes a ocorrerem: Tuvalu, Vanuatu e Veneza (Mörner, 2007b). Convém referir que, a tendência global resultante dos dados obtidos pelos altímetros dos satélites sofreu uma correcção manual para que pudesse revelar uma tendência crescente (Mörner, 2008), que na realidade nunca foi medida. Portanto, Sr. Presidente, quando você ignora os factos disponíveis, se recusa ao normal diálogo democrático, e continua a ameaçar o seu povo com um imaginário de enchentes já em andamento, acho que está a cometer um grave erro. Vamos ser construtivos. Vamos discutir os factos observáveis. Vamos continuar e alargar os nossos estudos do nível do mar para outros locais no enorme atol das Maldivas. E deixe-nos, pelo amor de Deus, levantar o fardo psicológico terrível que você e o seu antecessor colocaram sobre os ombros de todo o povo das Maldivas, que vivem agora com a ameaça imaginária que as inundações em breve os expulsarão de suas casas, porque isto mais não é senão uma ficção de poltrona, artificialmente construída por um simples programa de computador cujos resultados, se têm constantemente provado estarem errados, por meticulosas observações do mundo real. A reunião que efectuou, sob as águas, não é senão um artifício ou uma acrobacia política. Al Gore é um mestre nestas fantasias baratas. Mas estas condutas são desonestas, improdutivas e, acima de tudo, não científicas.

Estocolmo, Suécia, 20 de Outubro de 2009

Nils-Axel Mörner Chefe de Paleogeofísica e Geodinâmica da Universidade de Estocolmo, Suécia (1991-2005) Presidente da Comissão INQUA sobre “Alterações do Nível do Mar e Evolução Costeira” (1999-2003) Líder do “Projecto Nível do Mar nas Maldivas” (desde 2000) Presidente do projecto INTAS sobre “Geomagnetismo e Clima” (1997-2003) Premiado com a medalha de ouro de Mérito da Universidade do Algarve (2008) "pela sua irreverência e contribuição para nossa compreensão das alterações do nível do mar.” [Tradução minha]

Apache, Novembro de 2009

Etiquetas: , , ,

2 Comments:

Blogger Diogo said...

O aldrabão Mohamed Nasheed já respondeu?

terça-feira, novembro 24, 2009 10:35:00 da tarde  
Blogger Apache said...

Que eu saiba, não. E duvido que o venha a fazer.

quarta-feira, novembro 25, 2009 7:15:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home