O Último dos Moicanos: Fevereiro 2007

sábado, 24 de fevereiro de 2007

As barbaridades da semana…

A Dra. Heidi Cullen, climatologista do canal norte-americano Weather Channel, afirmou: “A sociedade deve remover todo e qualquer meteorologista que se mostre céptico face ao aquecimento global causado pelo Homem”.
O Ministro da Saúde, Correia de Campos, a propósito da participação do presidente da Câmara Municipal, João Baptista, na manifestação de protesto contra o encerramento das urgências do hospital de Chaves, disse: “O presidente da Câmara Municipal de Chaves tornou a sua vida mais difícil ao participar na manifestação”. Na sequência de protestos contra o encerramento de várias urgências hospitalares no norte do país, os populares cortaram algumas estradas, tendo a GNR sido chamada a intervir. Numa dessas intervenções um militar da GNR agrediu à dentada um dos manifestantes. Foi concluída uma nova tradução para o alemão da Bíblia Sagrada, que será apresentada na feira do livro de Frankfurt. Segundo os tradutores, esta é uma versão “mais adequada à linguagem contemporânea, sem sexismos, sem anti-semitismos e sem radicalizações de relacionamento entre pobres e privilegiados.” E acrescentam alguns exemplos… “Nas epístolas de São Paulo, quando ele refere «meus irmãos», alterámos para «meus irmãos e irmãs»; também aligeirámos as críticas que Jesus faz aos judeus, principalmente a linguagem desadequada do apóstolo São João; além disso, em várias passagens, referimo-nos a Deus na forma feminina”.
Sem comentários…
Apache, Fevereiro de 2007

Etiquetas: , ,

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Sem desculpa

Mesmo que eu permaneça em silêncio, tudo em mim to anuncia... Sussurram-to as minhas mãos quando tacteiam o teu rosto… Falam-no os meus olhos quando lêem os contornos do que és... Gritam-no os meus lábios quando beijam os teus… Escrevo-o com o fogo do desejo, quando toco a tua pele… Lamento, mas não peço desculpa, não posso nem quero poupar-te a este AMOR!
Apache, Fevereiro de 2007

Etiquetas:

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

25,3% disseram que a vontade de uns prevalece sobre o direito à vida, dos outros!

2 238 053 portugueses optaram hoje pela alteração do código penal, no sentido de despenalizar a interrupção voluntária da gravidez, nas primeiras dez semanas. Por outras palavras, a partir de hoje, fica aberto o caminho para a prática do aborto, nas 10 primeiras semanas de gravidez, por duas razões (muito concretas): por tudo e por nada. Ao invés, quase 6,6 milhões de cidadãos do meu país, maiores de 18 anos, optaram por respeitar a Declaração Universal dos Direitos do Homem (nomeadamente, o seu artigo 3º): “Todo o indivíduo tem direito à vida…” e a Constituição da República Portuguesa (artigo 1º): “Portugal é uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa humana…”; (artigo 24º) “A vida humana é inviolável.”
Com a despenalização da IVG, nas condições propostas pela pergunta agora validada, onde a vontade da mãe prevalece, sobre o direito à vida, do filho, em qualquer circunstância, Portugal, país pioneiro na abolição da escravatura e da pena de morte, privilegia o retrocesso civilizacional, afastando-se (também nesta questão) da larga maioria dos países mais desenvolvidos da União Europeia, Espanha, França, Alemanha, Reúno Unido, Irlanda, Itália, Malta, Polónia, Bélgica e Finlândia, onde a despenalização apenas é permitida em algumas situações devidamente comprovadas.
Antevendo a alteração ao código penal, colocam-se-me algumas questões jurídicas… - Que acontece a uma menor de 18 anos que decida abortar contra a vontade dos seus pais? - Que acontece a um pai que, em defesa do direito à vida, do seu filho, decida impedir a sua companheira de praticar a IGV? E se ainda assim, esta optar por a fazer, de que medidas compensatórias beneficiará o progenitor? - Se uma grávida, viúva, co-herdeira (conjuntamente com o futuro filho) de uma herança apreciável, decidir abortar, deixaremos de estar perante um crime premeditado e passaremos a estar perante um acto de mera “engenharia económica”?
Porque todos os partidos políticos, assim como todos os movimentos participantes na campanha, se manifestaram publicamente contra o aborto, urgem medidas políticas sérias, de combate ao mesmo e de incentivo à maternidade! Recordo que o Estado propõe-se pagar 1 074,45 euros (215 contos, na moeda antiga) por cada aborto efectuado (Portaria nº 110-A/2007 de 23 de Janeiro). Pela dignificação dos valores da vida, é necessário exigirmos a reposição do subsídio de nascimento, extinto em 1997 e, é justo que este não seja inferior a 10 vezes o “subsídio de aborto”. Na Alemanha, onde (repito) a legislação sobre o aborto é mais restritiva que a que resultará deste referendo, o Estado paga (até) 25 mil euros de subsídio de nascimento. Em França, o país da UE com a mais alta taxa de natalidade, entre subsídio de nascimento e abono de família, até ao final do 1º ano de vida do bebé, poderão ser pagos 25,2 mil euros. Actualmente, Portugal é um dos países europeus com taxa de natalidade mais baixa, cada mulher tem em média 1,4 filhos. Não têm direito a abono de família, os agregados familiares com rendimentos superiores a 1 875 euros mensais (ou seja, mais de 30% da população activa). A licença de maternidade é de 120 dias. O abono de família mínimo, em França é de 166 euros mês e as famílias desfavorecidas recebem 265 euros por mês por cada filho a frequentar a escola. A licença de maternidade é de 3 anos. A estas medidas somam-se creches gratuitas, descontos em restaurantes, supermercados, cinemas e transportes públicos e ainda actividades extra-escolares a preços reduzidos. Voltando a Portugal, segundo dados da Direcção Geral de Saúde, em 2005 foram realizados 906 abortos legais. Quantos serão realizados em 2008? Recordo que com a alteração da Lei, ficarão criadas as condições para dezenas de milhar de espanholas virem a Portugal abortar, uma vez que em Espanha não se prevê nenhuma alteração legislativa nos próximos tempos, mantendo-se em vigor, uma lei semelhante à que Portugal se prepara para alterar.
Os movimentos pelo “Sim”, Sr. Bacharel José Sousa incluído, apelaram ao voto na despenalização, pela dignificação da mulher e dos mais elementares cuidados de saúde. Em nome dos mesmos princípios exija-se que sejam imediatamente colocados, pelo menos 70 obstetras, que de acordo com o Director do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Santa Maria e presidente do Colégio da Especialidade da Ordem dos Médicos, são necessários para assegurar os serviços mínimos nos hospitais públicos. Pelos mesmos princípios de dignidade extensivos a todo o ser humano, reabram-se todas as maternidades, serviços de urgência hospitalares e escolas que o governo do Sr. Sousa fechou desde que tomou posse, reponham-se as comparticipações do Estado em todos os cuidados de saúde. Reponham-se ainda, todos os direitos sociais que este governo retirou!
A quem tão generosamente dignifica a morte, exijamos respeito pelos valores da vida!
Apache, Fevereiro de 2007

Etiquetas: , ,

sábado, 10 de fevereiro de 2007

Importam-se de repetir?... (4)

Notícia do “Sol”… “Benfica é o 20º clube mais rico do mundo.” Com um passivo que ronda os 300 milhões de euros? Bolas… Ninguém me avisou que eu sou o Bill Gates. Ainda o “Sol”… “Al Gore esteve hoje em Lisboa com as suas «verdades inconvenientes» e brilhou como comunicador.” Quando soube que ele ía ganhar 170 mil euros para falar um pouco mais de uma hora, liguei para a organização a dizer que por metade do preço, contava, não uma, mas duas histórias infantis… Recusaram, disseram-me que estavam convencidos que ele tinha mais jeito para adormecer a plateia. Aqui há dias numa reportagem televisiva, perguntava-se a um polícia… "-Já alguma vez tentou o suicídio?” Resposta: “- Já! Várias vezes!” Assim vai a instrução de tiro na PSP. A “Lusa”, aquando da visita do PM à China… “Sócrates quer empresas portuguesas na China.” Deve ser para deixar espaço livre, em Portugal, para abrir mais lojas chinesas. Um estudo revela… “Os golfinhos desligam parte do cérebro alternadamente, por isso, não precisam de dormir.” Grande proeza… Os políticos desligam-no na totalidade e ainda conseguem tirar o sono a muito boa gente. ----------Na campanha do referendo---------- Um anónimo numa reportagem televisiva… “Em 1998 votei “não” mas agora vou votar “sim”! Mudou de ideias por causa do “Aquecimento Global”… Mais gente, mais emissões de dióxido de carbono. Um “personagem” de um dos movimentos pelo “sim”… “A Lei deve proteger a mulher de pressões em relação à sua decisão e penalizar qualquer tipo de pressão, inclusive do progenitor que exerça coacção na sua decisão.” Também acho! É urgente uma lei que atire irremediavelmente para a cadeia essa corja de canalhas que tentem convencer as suas companheiras a ter filhos. O Dr. Mário de Sousa (alegado) especialista em procriação medicamente assistida… “A vida da mulher é um todo que tem primazia sobre o feto. Este é um anexo sem autonomia.” Não percebi… Vossa sapiência defende o aborto, ou o envio de crianças para adopção, por e-mail?
Mais uma do "Sol"... A maçonaria deseja a vitória do “Sim!” Finalmente um bom argumento a favor do “NÃO”!
Apache, Fevereiro de 2007

Etiquetas: ,

sábado, 3 de fevereiro de 2007

Blá, blá, blá...

Notícia do Jornal "Sol" da passada quinta-feira... "Dois deputados noruegueses nomearam o antigo vice-presidente americano Al Gore para Prémio Nobel da Paz pelos seus feitos na consciencialização global das alterações climáticas. (...) Se ganhar, não será o primeiro Nobel a ser gratificado por trabalho ambiental." Eu diria mais, se ganhar, não será o primeiro charlatão a consegui-lo, depois de em 1973 o Nobel da Paz ter ido parar às mãos do perverso Henry Kissinger, tudo se espera do Comité Nobel. Ontem, o "Sol" insistia... "Até ao final do século, o planeta vai aquecer entre 1,8 e 4 graus Celsius, o que fará subir o nível dos mares até 58 centímetros e multiplicar as secas e vagas de calor, de acordo com um estudo internacional divulgado hoje. Estas são as principais conclusões do relatório hoje apresentado em Paris pelos 500 delegados do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) da ONU, após quatro dias de intensas negociações. Os peritos basearam as suas conclusões no conjunto das investigações científicas realizadas nos últimos seis anos para actualizar e corrigir os dados do seu anterior relatório, de 2001. Para o presidente do painel, Rajendra Pachauri, trata-se de «um documento muito impressionante que vai vários passos além das investigações anteriores», e, segundo a cientista Susan Dolomon," (peço desculpa pela correcção, mas o apelido da artista é Solomon) "representante do governo norte-americano, «não há dúvida de que o aumento dos gases com efeito de estufa é dominado pelas actividades humanas». Segundo uma síntese do relatório, intitulada «Resumo à Atenção dos Decisores», o aumento da temperatura global será muito diferenciado conforme as regiões, podendo ser multiplicada por dois nos pólos, por exemplo. A subida dos termómetros fará subir também o nível dos mares entre 18 e 59 centímetros e estará na origem de múltiplos fenómenos extremos, como vagas de calor, episódios de seca e precipitações intensas cada vez mais frequentes que poderão provocar a deslocação de cerca de 200 milhões de refugiados climáticos daqui até ao fim do século. (...) O aquecimento previsto reduzirá a cobertura de neve e as calotes polares, e não se exclui a possibilidade de o gelo do Pólo Norte se derreter completamente em finais do século. (...) O painel científico deverá divulgar nos próximos meses outros relatórios sobre o impacto do aquecimento global, as formas de o mitigar e um documento final de síntese, a aprovar em Novembro em Valência (Espanha)." Isto é pior do que eu pensava, eles prometem mais episódios da novela. Aliás a repetição da mentira é de tal ordem que vários manuais escolares, editados este ano, viram alguns textos sobre os mais variados assuntos acrescentados com barbaridades científicas sobre este assunto. Como toda a gente sabe, o clima da Terra foi-se alterando ao longo de milhares (ou talvez milhões) de anos até à chegada do homem, mantendo ainda hoje uma lenta mas continuada evolução. A revolução industrial ocorreu há pouco mais de 200 anos e as "ferramentas" que nos permitem medir com precisão grandezas relacionadas com o clima têm cerca de 100 anos, por isso, apesar de parecer que na Idade Média, a Terra era bem mais quente que hoje, deixemos as "incertezas" e concentremo-nos nos factos. Segundo dados fornecidos em Dezembro pela NASA, o Planeta aqueceu, no seu todo, em termos médios, cerca de 0,5 graus Celsius, desde 1880. Obviamente, houve zonas que aqueceram mais e zonas que arrefeceram, contando-se entre as que aqueceram, a América do Norte, a Europa, parte da Ásia Central e uma pequena faixa junto ao Pólo Norte. Entre as que arrefeceram, destacam-se, a Gronelândia e quase todo o Continente Antárctico. A distribuição do gelo permanente na superfície da Terra é aproximadamente de 85% no Antárctico, 10% na Gronelândia, 4% no Árctico e 1% no topo dos cumes mais elevados do planeta. Ou seja, 95% do gelo terrestre situa-se em regiões que têm arrefecido nos últimos 120 anos. O Antárctico "vê" a espessura da sua camada de gelo aumentar 1,4 cm por ano. Ainda assim, não me choca que se chame "Aquecimento Global" a um aumento médio das temperaturas de 0,5 ºC em mais de um século, o que me choca, é que fundamentando em modelos de previsão com mais de 30 anos e comprovadamente desfasados da realidade, se insista num aquecimento de alguns graus nos próximos 100 anos, acusando disso, os gases com efeito de estufa (principalmente o dióxido de carbono), que como sabemos (no caso de serem produzidos pelo Homem e, exceptuando a respiração) são provenientes da queima de combustíveis fósseis, principalmente o petróleo, que (dizem) se esgotará dentro de 30 a 40 anos. Mas... admitamos por pura especulação que a previsão, perfeitamente ridícula, (desta vez) se confirma e o planeta aquece 5 ºC, melhor, já que é para especular, digamos 10 ºC. Agora, neste preciso momento, são 9 horas da manhã em Vostok (provavelmente o local mais frio do planeta), estação meteorológica Russa, no coração do Antárctico (latitude 80º Sul), estamos em pleno Verão, o Sol, que nasceu pela última vez a 23 de Setembro de 2006, só baixará a linha do horizonte a 21 de Março de 2007, brilhando neste momento num céu sem nuvens, os termómetros marcam 40,4 ºC negativos; em meados do passado mês de Agosto, em pleno Inverno, e após 5 meses de longa noite polar, os termómetros desciam 80 ºC abaixo do ponto de solidificação da água. Ou seja, desde Agosto até Fevereiro, a temperatura subiu no Pólo Sul terrestre (como acontece aliás, todos os anos) 40 graus. Alguém ouviu falar de cheias neste, ou em qualquer outro Verão, na Austrália, na Nova Zelândia, na Argentina, na África do Sul? Enormes quantidades de gelo derreteram e voltaram a solidificar, ano após ano, sem que isso tenha alterado o nível dos oceanos. Uma parte do gelo existente na Terra, encontra-se sobre o mar, se derreter, a água ocupará o seu lugar não resultando daí qualquer alteração no nível desta (Principio de Arquimedes). O nível do mar sobe, apenas quando derretem gelos que estão à superfície de terra firme e nunca na mesma quantidade, porque uma parte da água daí resultante é absorvida pela terra e outra evapora-se para a atmosfera em resultado do aumento de temperatura. Mas continuemos a especulação… Admitamos que a Terra aqueceria e o nível médio dos oceanos subiria significativamente, atropelando as Leis da Física, então, o clima temperado e húmido, tropical, atingiria latitudes maiores, tanto no hemisfério Norte como no Sul, os Invernos seriam mais quentes e os Verões mais frescos, devido à humidade do ar e, choveria com mais frequência. Então e onde entra a "estória" das secas extremas, dos incêndios e da escassez de água? Não faço ideia, alguém achou que ficavam bem no argumento. Tínhamos também o problema da submersão de alguns quilómetros quadrados de litoral costeiro com a subida do nível do mar… Pois tínhamos, partindo do pressuposto que todo este "romance" era verdadeiro e os governantes nada faziam para alterar a situação. Imaginem que tinham uma enorme poça de água, numa zona arenosa, e que decidiam retirar areia de dentro da poça, que acontecia à água? Ocupava o lugar deixado vago pela saída da areia, baixando assim o nível, em comparação com a terra fora da poça... E se depositassem a areia extraída, nas margens da poça? Aumentaria ainda mais o desnível entre a água e a terra firme, certo? Tecnologia de ponta!... Ah, já agora... para que é que estão a gastar uma fortuna com aquelas ilhas artificiais no Dubai, (como a palmeira da foto, ou o conhecido mapa-mundo) se o mar ao subir vai afundar aquilo tudo nos próximos anos?...

Apache, Fevereiro de 2007

Etiquetas: , ,