O Último dos Moicanos: Julho 2006

quarta-feira, 26 de julho de 2006

Importam-se de repetir?... (2)

José Sócrates, primeiro ministro… “O que melhor mostra que o Governo está a governar bem é, a existência de "tantas greves e de tantas manifestações.” (Tal e qual como no Estado Novo… A malta barafustava porque os gajos eram todos bons!) Francisco José Viegas, escritor e jornalista, a propósito da “crise” no Médio Oriente… “Um contingente de meninas idiotas e genericamente ignorantes, que assina peças de “internacional” nas nossas televisões, não se tem cansado de falar na “agressão israelita” e apenas por pudor, acredito, não tem valorizado os “heróis do Hezbollah”. Infelizmente, nem a ignorância paga imposto nem o seu atrevimento costuma ser punido.” (Eu posso voluntariar-me para dar tautau em algumas…)
Apache, Julho de 2006

Etiquetas:

quarta-feira, 12 de julho de 2006

"Cinderela" - Carlos Paião

video
"Eles são duas crianças a viver esperanças, a saber sorrir.
Ela tem cabelos louros, ele tem tesouros para repartir.
Numa outra brincadeira passam mesmo à beira sempre sem falar.
Uns olhares envergonhados e são namorados sem ninguém pensar.
Foram juntos, outro dia, como por magia, no autocarro, em pé.
Ele lá lhe disse, a medo: «O meu nome é Pedro e o teu qual é?»
Ela corou um pouquinho e respondeu baixinho: «Sou a Cinderela».
Quando a noite o envolveu ele adormeceu e sonhou com ela...
Então,
bate, bate, coração,
louco, louco, de ilusão.
A idade assim não tem valor.
Crescer,
vai dar tempo p'ra aprender,
vai dar jeito p'ra viver,
o teu primeiro amor.
Cinderela das histórias, a avivar memórias, a deixar mistério…
Já o fez andar na lua, no meio da rua e a chover a sério.
Ela, quando lá o viu, encharcado e frio, quase o abraçou.
Com a cara assim molhada ninguém deu por nada, ele até chorou...
Então,
bate, bate, coração,
louco, louco, de ilusão.
A idade assim não tem valor.
Crescer,
vai dar tempo p'ra aprender,
vai dar jeito p'ra viver,
o teu primeiro amor.
E agora, nos recreios, dão os seus passeios, fazem muitos planos.
E dividem a merenda, tal como uma prenda que se dá nos anos.
E, num desses momentos, houve sentimentos a falar por si.
Ele pegou na mão dela: "Sabes Cinderela, eu gosto de ti..."
Carlos Paião - Cinderela

Etiquetas: , , ,

sábado, 8 de julho de 2006

Blatter, de novo o centro das atenções…

Não é que… pediu mesmo! Todos sabemos que as arbitragens deste mundial de futebol têm sido polémicas. De facto os donos do apito (e das bandeirinhas) estiveram longe de exibições irrepreensíveis, mas... hoje em dia, todas as equipas perdem por culpa do árbitro, raramente alguém reconhece os seus próprios erros. Poque há uns dias, também eu o havia criticado, é justo que hoje destaque alguém que, sendo o homem mais poderoso do futebol mundial teve a “humildade” (ou será que outros interesses mais altos se levantaram?) de reconhecer o seu erro. No final do mais polémico jogo deste “Alemanha – 2006”, o Portugal – Holanda, o presidente da FIFA, o Suíço, Joseph Blatter, criticou o árbitro da partida, Valentin Ivanov. Nos dias seguintes, primeiro a Federação Russa de Futebol, depois a imprensa mundial (com destaque para russos, norte americanos, ingleses, franceses e alemães) criticara duramente as palavras de Blatter. No “New York Times” escrevia-se: “Antes tivesse sido o Russo, o culpado do mais feio, aberrante, cínico e depravado jogo de uma fase final de um mundial de futebol” e acrescentava “cartão vermelho para as declarações de Blatter”. “O Sovietskiy Sport” desafiava o suíço, nestes termos, “ Aponta quais os cartões mal mostrados por Ivanov ou pede desculpa”. E não é que pediu mesmo… Na passada Terça-Feira, 4 de Julho, dia de aniversário de Ivanov, Joseph Blatter, em conferência de imprensa proferiu as seguintes declarações: “Peço desculpa ao árbitro russo Valentin Ivanov por ter dito que este merecia um cartão amarelo pela sua actuação na partida entre Portugal e a Holanda, dos oitavos-de-final do Campeonato do Mundo, foi um jogo muito difícil para ele, devido ao comportamento dos jogadores de ambas as equipas, preocupados com tudo excepto jogar futebol. Lamento o que aconteceu e a declaração que fiz sobre ele, no final do jogo. Os jogadores mereceram todos os cartões exibidos e o cartão amarelo que eu dei a Ivanov, merecem-no as duas equipas.” Será que foi reconhecimento do erro e, se assim foi, aplica-se a máxima “quem confessa o pecado não merece castigo”? Será que o facto de Blatter se preparar para se recandidatar a um novo mandato na FIFA e a pressão que sobre ele foi exercida pela imprensa, nada teve a ver com esta reviravolta? Polémico como sempre, vai continuar a ser o centro das atenções… Até quando? P.S. Bem me parecia que o cartão que ele queria dar a Ivanov era de parabéns pelo aniversário! Eh, eh, eh!
Apache, Julho de 2006

Etiquetas:

segunda-feira, 3 de julho de 2006

Este ainda é pior que eu...

O jornal “New York Times” publica hoje um comentário ao Mundial de futebol em que critica a “falta de ideias” da equipa portuguesa nos jogos que tem disputado neste mundial, principalmente no último jogo frente à selecção inglesa. Dificilmente se arranjaria um título menos abonatório para o artigo… Portugal in Semifinals in Spite of Itself Escreve-se em subtítulo… “Depois das caras novas, das esperanças, e das grandes esperanças africanas, há um «outsider» ainda vivo…" O comentário, datado de um de Julho, de Gelsenkirchen e assinado pelo jornalista desportivo George Vecsey, critica duramente a actuação de Portugal durante o mundial, dando especial ênfase ao jogo dos quartos-de-final, apontando “a gritante falta de ideias da equipa, principalmente no jogo em que defrontou os ingleses, onde apesar de ter mais um jogador em campo durante uma hora, nada fez para tentar ganhar.” Diz George Vecsey, “Portugal, a nação que há 40 anos, Eusébio levou às meias-finais, está de volta do modo mais precário que seria possível imaginar.” “É difícil pensar-se em Portugal como um intruso, mas pelo que até agora demonstrou e pelo que jogam os colossos que o acompanham é-o certamente!” Acrescenta ainda que “o sistema de desempate por penalties coloca todos em pé de igualdade, recompensando equipas como Portugal, que nenhuma iniciativa mostra durante a maior parte do tempo de jogo.” "Num torneio dominado pela qualidade imposta pelos grandes do futebol mundial, todos os danados da mó de baixo, se podem agarrar a Portugal como o Santo Patrono dos Pequenos.”
Apache, Julho de 2006
P.S.

Aqui vai a foto para o teu açúcareiro, Morgana...

Etiquetas: ,

domingo, 2 de julho de 2006

Egoísmo

Que me importa
amor
que seja dia
ou que seja noite iluminada.
Que me importa
amor
que seja a chuva
ou um novelo de paz a madrugada.
Que me importa
amor
que seja o vento
ou a flor, o fogo mais aceso
Que me importa
amor
que seja a raiva.
Que me importa
amor
que seja o medo.
Maria Teresa Horta

Etiquetas: