O Último dos Moicanos: Novembro 2007

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Desta vez, a ciência perdeu

A vida é mesmo assim, feita de vitórias e derrotas e a História da Humanidade está pejada de avanços e de retrocessos, de períodos de luz e de épocas de trevas, não valendo a pena dramatizar excessivamente. De facto, à pouco mais de um mês atrás, tinha destacado em três publicações consecutivas e complementares, a decisão de um tribunal londrino considerar provada a existência de nove erros no DVD de Al Gore “Uma verdade inconveniente” e, uma vez que em Inglaterra é obrigatória a exibição do “documentário” a todos os adolescentes, entendeu o juiz que os professores, imediatamente antes ou logo após a exibição do dito, deverão alertar os alunos para o facto de este conter opiniões políticas contrárias ao conhecimento científico actual.
Esta é, do ponto de vista da ciência, apenas uma meia vitória, pois o documentário, poderia ser visualizado em qualquer lado, menos nas aulas de ciências, onde é suposto aprender-se ciências. E o único ensinamento que resulta da visualização do DVD é que tanto no passado como no presente, pessoas de elevada responsabilidade, muito têm contribuído para a criação de mitos que em nada contribuem para a evolução do conhecimento científico e para o progresso da humanidade.
Soube hoje, através de uma colega, que à poucos dias, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, decidiu por cinco votos contra quatro, considerar o dióxido de carbono, um gás poluente.
Sim, eu sei que é vulgar aparecer na comunicação social idêntica classificação, até já se chegou ao cúmulo de o considerar tóxico, mas obviamente, ninguém espera que a maioria dos jornalistas, seja, em matéria de ciência, pouco mais que analfabeta, de facto, ninguém é mestre em todas as artes e a sua formação académica é, na generalidade dos casos, na área das letras.
Sim, eu sei, e neste caso é gravíssimo que assim seja, que muitos autores de manuais escolares (alguns deles, professores universitários) escrevem semelhante aberração nos mesmos. Conheço alguns manuais de 10º ano, da disciplina de Física e Química A e (pelo menos) um da disciplina de Química do 12º ano, onde o dióxido de carbono é considerado poluente. Neste último manual, chega-se mesmo ao ridículo de escrever que o vapor de água não tem efeito de estufa, ele que é o responsável por mais de 90% desse efeito, na atmosfera terrestre.
Sim, eu sei que não podemos criticar os tribunais sempre que as decisões são contrárias à nossa opinião e considerar que não têm competência para tal decisão, mas mostrarmo-nos agradados quando as decisões vão mais de encontro ao que pessoalmente defendemos.
Mas, acontece que, apesar de ambas as decisões (do tribunal inglês e do norte-americano) versarem assuntos científicos, o primeiro caso, parece-me de facto, susceptível de decisão judicial, enquanto o segundo, não.
No primeiro caso (tribunal inglês), discutia-se se era ou não legítimo o governo britânico obrigar os professores a exibir, em contexto de sala de aula de ciências, um filme que difunde uma ideia nada consensual na sociedade e totalmente rejeitada por inúmeros cientistas, ainda que aceite por alguns outros (sabe Deus com que contrapartidas) .
Entendeu o juiz, que tal obrigatoriedade de exibição é legítima, em nome da liberdade de expressão e da competência do governo na definição das políticas educativas (decisão com a qual não concordo, por causa da obrigatoriedade imposta). Entendeu também que devem, no entanto, ser destacados pelos professores, vários erros, facilmente perceptíveis (mesmo para o juiz) que atropelam a “verdade” científica, em nome do rigor que a esta se associa.
No segundo caso (tribunal norte-americano), entendeu o Supremo ser competente para decidir uma matéria estritamente científica, de incluir ou não, o dióxido de carbono na lista das substâncias poluentes. Tal decisão (certa ou errada) só podia, a meu ver, ser tomada por um organismo composto apenas por pessoas com elevada formação académica na área científica. Apetece-me perguntar, porque não se pronuncia o Supremo americano, pela decisão tomada em Agosto de 2006, pela União Astronómica Internacional, de "despromover" Plutão da categoria de planeta, logo o único que havia sido descoberto por um astrónomo americano?
Ao tomar conhecimento da cómica decisão judicial, lembrei-me do (este, tristemente) célebre episódio "medieval", de 1616, em que Galileu enfrenta a decisão do Tribunal do Santo Ofício, de considerar herético o Modelo Heliocêntrico do Sistema Solar, do padre Copérnico, que Galileu tanto se esforçou por demonstrar, e que, ao que parece, tê-lo-ia levado ao churrasco, não fora a sua amizade pessoal com um destacado cardeal romano, pouco depois eleito papa, Urbano VIII.
Em pleno século XXI, alguns políticos parecem continuar a querer guardar para uma elite dirigente restrita (e acéfala), o conhecimento científico e tecnológico que muito poderia contribuir para o progresso e para a redução das tremendas desigualdades sociais que o mundo, cada vez mais enfrenta. Pelo contrário, empenham-se pessoalmente e esbanjam fortunas na criação de mitos idiotas, para que alguns continuem a recolher fortunas colossais à custa da miséria de milhões.
Apache, Novembro de 2007

Etiquetas: , ,

terça-feira, 27 de novembro de 2007

A semana passada...

Ficámos a saber que o actual presidente de Timor Leste, José Ramos Horta, propôs o outro José, o “Burroso” para Prémio Nobel da Paz. Se olharmos para a lista de facínoras que já receberam o prémio, o José Manuel, ao pé deles é um Betinho. Mas não me parece bem que o também Nobel (Ramos Horta), se esqueça das outras três amigas da tertúlia açoriana. É que segundo consta, as meninas das esquinas conhecem-se todas umas às outras e não perdem uma oportunidade de pagar a gratidão das amigas.

A semana ficou também marcada pela acusação do líder da JC, Pedro Moutinho, ao líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, de este ser um dos protagonistas dos “distúrbios revolucionários” do verão de 1975, data em que Bernardino Soares tinha apenas 4 anos de idade. Parece-me muito provável que Pedro Moutinho tenha razão. De facto, após ter tido acesso ao diário que Bernardino Soares escreve desde os 6 meses de idade, pude ler, em vários dias de Junho de 75, várias referências onde o autor se congratula com uma série de “vitórias em prol da correcta distribuição de riqueza” obtidas a custo de alguma desordem pública, em que participou. Destaco o xixi feito no Largo do Caldas, mesmo em frente à sede Centrista, em reivindicação de um rebuçado, no mínimo, a todos aqueles a quem por motivos devidamente justificados não fosse atribuído, o respectivo subsídio de época, vulgo “tostãozinho para o Santo António”.

Ficámos ainda a saber, pelo Sr. Ministro do Ambiente, que este ano, Portugal vai exceder a quota de emissões de dióxido de carbono, em 9 milhões de toneladas e por isso, vai ter de pagar 200 milhões de euros. Como medida futura, a vigorar já no próximo ano, evitando repetir a “multa”, sugiro que, todos os portugueses, os respectivos periquitos, canários, cães, gatos e restantes animais de estimação, bem como os galináceos (de aviário ou não), porquinhos (e limpinhos), coelhinhos (e coelhinhas), quadrúpedes e afins, retenham a respiração durante um em cada 10 minutos. Tal medida deverá, nos meus modestos cálculos, poupar entre 10 e 15 milhões de toneladas do indesejado, cumprindo assim as quotas e poupando 200 milhões de euros dos nossos impostos, que ficam assim disponíveis para serem esbanjados noutra taradice qualquer. Entretanto, para este ano, proponho uma solução que custará metade do preço. O Sr. Ministro do Ambiente, ficará encarregado de entregar em morada a combinar, os nove milhões de toneladas de dióxido de carbono em excesso (que deve ser a quantidade que a nossa indústria vai emitir até ao fim do ano), devidamente engarrafados, evitando serem dispersos pela atmosfera, conjuntamente com o pagamento de apenas 100 milhões de euros (pronto, 50 milhões, que é por uma boa causa e eu também quero contribuir para salvar o planeta e ainda poupar 150 milhões de euros ao erário público). Entretanto, vou andando, que preciso de fazer uns telefonemas para a indústria de refrigerantes e para umas quantas fábricas de extintores a dizer-lhes que tenho para venda, a preços promocionais, verdadeiramente imbatíveis, elevado “stock” de dióxido de carbono.

Apache, Novembro de 2007

Etiquetas: , ,

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Por qué non te callas?

Segundo noticiava a “Lusa”, ontem, no final do jogo de futebol entre Portugal e a Finlândia, que terminou empatado a zero, resultado que permitiu a Portugal o apuramento para o Euro 2008, o seleccionador nacional abandonou energicamente a sala de imprensa do estádio do Dragão, tendo repudiado todas as críticas feitas pela comunicação social nos últimos jogos. "Portugal consegue a qualificação e o burro sou eu?” Pois… O burro é o Gilberto Madaíl, ao ter recorrido para a UEFA do castigo de 4 jogos de suspensão, na sequência da agressão a Dragutinovic. É que nos 3 jogos em que estiveste suspenso, Portugal ganhou sempre. O seleccionador explicou que Portugal esteve 11 jogos sem perder, conseguiu nova qualificação num "grupo complicado" e fez hoje, no empate com a Finlândia, uma "exibição boa, dentro daquilo que tinhamos planeado." Bom… Nos 14 jogos de apuramento, Portugal conseguiu 7 vitórias (apenas 4, contigo sentado no banco), 6 empates e uma derrota. Portanto, ganhou 50% dos jogos. Com 8 vitórias em apenas 12 jogos (67%) a Escócia ficou fora do apuramento, num grupo que continha a França e a Itália (finalistas do último mundial) e a Ucrânia (que chegou aos quartos de final), mas “complicado” era o nosso grupo. Com as mesmas 7 vitórias (que nós), mas em apenas 12 jogos (portanto 58% de vitórias) ficaram também fora do apuramento, a Noruega, a Inglaterra, Israel e a Bulgária. Ou seja, 5 equipas conseguiram melhores resultados que nós e ficaram fora da fase final e o nosso grupo era... "complicado". Quanto à boa exibição, "dentro daquilo que tinham planeado", concordo em absoluto. O que tu ainda não percebeste é que nós não gostamos desses planos, em que uma equipa com bons jogadores e um treinador pago a peso de ouro, com dinheiro dos nossos impostos, joga para o empate, em casa, frente a uns rapazes altos e louros… Deixa lá, depois fazemos-te um desenho. "Porque não fizemos nenhum golo? Se não estivesse lá o guarda-redes, se calhar teríamos feito.” Pois… Se calhar… Não é certo, porque este era também um jogo "complicado". “Peço desculpa, mas não preciso de estar aqui". Era isso mesmo que estamos a tentar dizer-te, há vários messes… O seleccionador (…) explicou que é sempre "preciso sofrer para atingir qualquer qualificação". Mau, afinal ainda aí estás? Esquece essa parte do sofrimento, a “malta” já pratica o sadismo com os políticos… "Será que vocês não conseguem ver nada de bom naquilo que nós fazemos?" Era aquela fase em que ias embora, mas… Luiz Felipe Scolari questionou ainda os jornalistas: "Será que só tem porcaria e ruindade no nosso trabalho?" Não! Tem porcaria e ruindade em muito mais sítios… Conheces a zona de São Bento?... Ainda sobre o resultado, justificou-se… "Estava a chover e o campo estava pesado.” Claro… A ideia de andarem de um lado para o outro com o relvado às costas, não era de facto a melhor, foi bom teres optado por outra táctica. “Depois, a Finlândia tem oito jogadores muito altos” E louros! Mas isso foi o que eu disse, pôrra… Não consegues dizer nada, original? Antes de abandonar a sala de imprensa, afirmou ainda… "Ninguém me defendeu. Eu faço mais por Portugal do que alguma vez fiz pelo Brasil. Não compreendo". Não, estás a fazer confusão… Quem não compreendeu essa tua ideia parva de ires defender o Cigano, foi o Ricardo Araújo Pereira, se bem que... sinceramente, eu também não percebi… Agora, não te defendermos, tem toda a lógica, tu revelaste-te o melhor pugilista que já passou pelos comandos da nossa selecção. Bom... esquece isso e põe-te a milhas... Nããããoooo... Não é para apanhares o autocarro para Lisboa...

Apache, Novembro de 2007

Etiquetas:

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

An Inconvenient Truth (once again)

O gráfico acima representa a variação da temperatura média global da Terra, em graus Celsius, medida por satélite, entre Outubro de 2001 e Setembro de 2007.
É obvio que a variação da temperatura global, não é um dado significativo, em termos climáticos, uma vez que alguns locais estão a temperaturas bem mais elevadas que outros.
Coloco-o, porque os apologistas do Aquecimento Global, agora corrigido para Alterações Climáticas (para justificar as ondas de calor, o frio, a chuva, a neve, ou qualquer outra manifestação climatérica) falam sempre da perigosa subida de temperatura provocada pelo Homem devido às emissões de dióxido de carbono provenientes da utilização de combustíveis fósseis.
Mas voltemos ao gráfico…
A linha curva representa as temperaturas médias do planeta, medidas pelos satélites, enquanto a linha horizontal é a recta que mais se aproxima dos valores efectivamente medidos (regressão linear), digamos (grosseiramente) que é a "média" dos valores da curva.
O zero da escala (vertical) corresponde à temperatura média global dos últimos 125 anos.
Da análise do gráfico, concluímos que:
1º - A temperatura média da Terra subiu no último século, cerca de 0,56 ºC, apesar de valores bem mais elevados aparecerem continuamente na comunicação social;
2º - Nos últimos 6 anos, não foi verificada qualquer alteração na temperatura média global, esta permaneceu constante. Apesar de serem frequentes notícias em sentido contrário.
Aproveito para acrescentar que as emissões de dióxido de carbono “industrial” para a atmosfera aumentaram sempre a ritmo constante durante o mesmo período.
Em defesa da balela a que chamam “consenso científico” (o que quer que isso seja), argumentarão alguns que 6 anos é pouquíssimo tempo para tirar conclusões sobre a evolução do clima… Claro que sim, e cem também!
P.S. O gráfico é da autoria do Goddard Institute For Space Studies (GISS) da NASA.
Apache, Novembro de 2007

Etiquetas: ,

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

E o vencedor é…

Foram hoje conhecidos os vencedores dos prémios com que o Ministério da Educação pretende comprar a subserviência dos docentes às políticas que ao longo dos últimos anos têm vindo a destruir o já pouco que restava de qualidade no ensino em Portugal.
Recordo que às quatro categorias de mérito (Carreira, Inovação, Liderança e Integração), materializados em Diplomas de Mérito Pedagógico, concorreram 30 espertezas saloias. Teresa Pinto de Almeida, docente de Inglês na Escola Secundária Carolina Michaelis, no Porto, venceu o prémio Carreira, enquanto Ana Paula Canha, que lecciona Biologia na Escola Secundária de Odemira, foi distinguida com o Prémio Inovação. O Prémio Liderança foi atribuído a Armandina Soares, presidente do Conselho Executivo da Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Vialonga. E, por decisão unânime do Júri, presidido por Daniel Sampaio, o prémio Integração não foi atribuído.
Ao mais “cobiçado” dos prémios, intitulado “Prémio Nacional do Professor”, no valor de 25 mil euros, concorriam 35 oportunistas (menos de 0,02%, dos professores lusos), tendo a láurea, sido atribuída a Arsélio de Almeida Ribeiro, que lecciona Matemática na Escola Secundária José Estêvão, em Aveiro.
Arsélio Martins, tem 35 anos de serviço, contando no seu vasto currículo com a participação numa série de “eventos” de que certamente se orgulharia qualquer “boy”, tendo entre outras actividades, sido formador de docentes e integrado equipas de revisão dos programas de Matemática, desde 1995, sendo portanto responsável directo pelo estado caótico do ensino. Na década de 80 foi dirigente do Sindicato de Professores da Região Centro e actualmente é activista do Sindicato de Professores do Norte, sendo portanto co-responsável (por inércia subserviente) pela publicação dos vergonhosos diplomas legais produzidos pela Madame Lulu, nomeadamente, o que rege os concursos de docentes, o (novo) Estatuto da Carreira e o agora tão badalado, novo Estatuto do Aluno.
Acumula ainda as funções de representante (eleito) pelo Bloco de Esquerda na Assembleia Municipal de Aveiro.
Em declarações aos jornalistas, no final de uma cerimónia onde estiveram presentes, além da Madame, o Sr. Lelé (o tal que perdeu o mandato de Vereador na Câmara Municipal de Penamacor, por excesso de faltas injustificadas, e que acha que quem falta muito são os professores) e o Seu Zé (que diz que é uma espécie de Engenheiro, por antecipação do “novas oportunidades”), afirmou: “Penso que sou um professor comum. O que me diferencia é sobretudo a participação cívica de que nunca abdiquei".
Não sejas modesto Arsélio, tu não és um professor comum, o teu currículo envergonharia a maioria de nós, para ser sincero (independentemente das competências que possas demonstrar nas actividades desenvolvidas com alunos, as quais não comento, por não conhecer), eu nem sei bem se te podemos chamar professor, pois ao longo dos 35 anos de carreira, deve ter sido muito pouco, o tempo que gastaste em actividades educativas, junto dos alunos. O que te distingue dos outros é esta tua capacidade para “surfar no esgoto”, de sorriso no lábio e coxinha destapada, com o ar mais angélico, tal qual a Madame que agora te premiou.
Eu exemplifico para que percebas melhor…
Estiveste na mesma sala que a corja dos fantoches que já citei, e não levantaste a voz contra o encerramento de milhares de escolas; nem contra as péssimas condições de muitos outros milhares; nem contra o facilitismo imposto pelo Ministério, para mascarar o insucesso; nem contra a inexplicável divisão da carreira docente em duas categorias e negação do acesso ao topo a dois terços dos docentes, independentemente do seu mérito profissional; nem contra o congelamento das carreiras, que vigora desde 2005; nem contra as constantes campanhas mentirosas do Ministério, visando denegrir a imagem pública dos docentes; nem contra o aumento do tempo que os docentes passam na escola, com consequente diminuição do tempo para preparar aulas e materiais de apoio, diminuindo assim a qualidade do ensino; nem contra os currículos ridículos que ajudaste a construir, onde, por exemplo a Físico-Química exige competências matemáticas de conteúdos que essa disciplina (a Matemática) ainda não abordou, os mesmos currículos que retiraram tempo precioso a várias disciplinas, em favor da palhaçada a que chamaram Áreas Curriculares não Disciplinares; nem contra a vergonha que agora se denuncia na blogosfera, de professores contratados para leccionarem actividades de enriquecimento curricular (AEC), que não recebem salário à vários meses (ver “post”, que o “ Carreira” publicou no blogue “Cegueira Lusa”); nem contra a perda de poder de compra dos professores, verificada continuamente nos últimos 7 anos, etc., etc., etc. Nem sequer uma palavra crítica contra o mais cínico governo e o mais abjecto Primeiro-Ministro português dos últimos 30 anos… E és tu, sindicalista à 20 anos, de um Sindicato associado a partidos da oposição, como seria se não fosses?
Não Arsélio, não és um professor como os outros, até agora eras apenas uma “garota de programa” que, nos intervalos da leccionação, ganhava uns trocos extra nas esquinas do poder, agora, repito, nada de modéstias, o prémio é inteiramente merecido, o teu currículo, associado a este concurso e, à visibilidade desta venda pública, por 25 mil euros, fazem de ti, uma verdadeira “Rainha das Putas”.
Apache, Novembro de 2007

Etiquetas: , ,

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Diz que é uma espécie de orçamento

O Orçamento de estado para 2008, em debate na Assembleia da República, prevê cerca de 62 milhões de euros para despesas de deslocação de membros do governo, um aumento de quase 19% face a este ano de 2007, que conta, no segundo semestre, com a presidência portuguesa da União Europeia, indutora (pensava eu) de um incremento do número de viagens de longa distância.
Felizmente, este ligeiro acréscimo de despesa, perfeitamente justificável por “razões de estado” [cito Correia de Campos, Ministro da Saúde, justificando ao dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, a razão porque o Governo está a despedir enfermeiros imprescindíveis ao funcionamento do Sistema Nacional de Saúde], em nada prejudicará a nobre tarefa de redução do défice (para a qual fomos tão gentilmente convidados pelo governo, a contribuir), como seria de esperar, dada a nata dos gestores públicos que compõem o executivo, se ter precavido, e previsto no mesmo orçamento (para 2008) que sejamos premiados com um aumento de impostos que ronda os dois mil milhões de euros.
Assim, sim… ainda me convencem a fazer campanha pelo PS em 2009.
Apache, Novembro de 2007

Etiquetas: ,