O Último dos Moicanos: Setembro 2008

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Uma verdade muito inconveniente

“Há um grupo de cientistas que inventam as paranóias mais inacreditáveis, e falam delas com «voz grossa» dando a entender que quem não os acompanha é porque é intelectualmente limitado; e assim, a pouco e pouco, a ciência tem vindo a tornar-se pura ficção, vale-nos a tecnologia que vai empurrando esta nave enquanto a ciência se transforma em circo que entretém o ‘povão’.”
Alf, num comentário no ‘post’ intitulado “Passeios no tempo”, no blogue “Outra Física” (imperdível para quem gosta de astrofísica) de que é autor.
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , , ,

domingo, 28 de setembro de 2008

A propósito de democracia…

"Os dois maiores obstáculos à implementação da democracia nos Estados Unidos são: primeiro, a ilusão generalizada entre os pobres, de que temos uma, e segundo, o terror crónico entre os ricos de que alguma vez tenhamos uma". [Tradução minha] A frase data do longínquo ano de 1941 e pertence ao editor Edward Dowling mas é de uma actualidade e universalidade, desesperantes.
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: ,

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Morrer da cura

“A person went to a doctor who diagnosed a potentially fatal disease.The doctor prescribed a course of treatment that was claimed to halt the disease and restore good health. Unfortunately the treatment was too much for the person, who died a slow and excruciating death. Many years later a post-mortem was carried out on the patient. It was discovered that the disease was non-existent and the person was very healthy. It was the course of treatment that killed him!
(Sound familiar? Just substitute person for economie; doctor for climate scientist; disease for anthropogenic global warming; and treatment for eliminate CO2 emissions.)"
[William Kininmonth, climatologista, ex-colaborador do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas e da Organização Meteorológica Mundial]
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: ,

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Magalhães: Velhos do Restelo ou alternativas ao Choque Tecnológico? (2)

(continuação…)
“O Sr. acredita que a incorporação destas tecnologias na educação é um processo irreversível?”
“Não existe nada irreversível nas actividades humanas. Isso depende de nós mesmos. Infelizmente, se a ignorância continuar, a tendência será essa. Será cada vez mais difícil encontrar escolas que não usem computadores na educação. Provavelmente só sobrarão as escolas ‘Waldorf’. No meu artigo contra o projecto ‘Um Laptop por Criança’, eu menciono alguns estudos estatísticos que mostram que, quanto mais as crianças e jovens usam o computador, pior é o seu rendimento escolar. Menciono também um artigo que saiu no jornal ‘The New York Times’ que mostra que cinco escolas nos EUA acabaram com o programa que permitia a cada aluno ter um computador, pois ficou claro que isso prejudica o rendimento escolar, não traz benefícios e o custo é altíssimo. Assim, tenho ainda alguma esperança de que a razão e o bom senso acabem por prevalecer e escolas e pais acabem ou reduzam o uso de computadores por crianças e adolescentes.”
“Muitos educadores defendem o uso dos computadores pelas crianças alegando que as máquinas estão cada vez mais presentes na sociedade e fazem parte do quotidiano dos alunos, além de facilitar o acesso à informação. O que é que o Sr. acha disto?”
“A necessidade de crianças usarem o computador porque ele faz parte da nossa sociedade é uma falácia completa. Nesse caso, as crianças deveriam conduzir um automóvel, logo que os pezinhos conseguissem chegar aos pedais e não deveria haver restrições ao consumo de bebidas alcoólicas pelos jovens pois ambos fazem parte da sociedade. É necessário examinar sempre a questão da maturidade. Como o computador não provoca danos físicos como os automóveis e as bebidas alcoólicas, acha-se que o computador é inócuo. Este é um grande erro, pois o desastre que ele provoca é mental, portanto, de certo modo, muitíssimo pior. Estamos a condenar as crianças a serem adultos antes do tempo, com pensamentos frios e rígidos, por exemplo. Além disso, por é que as crianças devem ter acesso à informação? Como em tudo na educação, há idade adequada para isso. Qualquer psicólogo sabe que a aceleração do desenvolvimento das crianças, seja ela física ou mental, é prejudicial. É um paradoxo que se tentem proteger as crianças contra agressões físicas e psicológicas e não se perceba que os meios electrónicos violam a natureza das crianças e dos jovens, formatando-os nas suas capacidades de pensar, sentir e querer. Há tempo para as crianças entrarem em contacto com o mundo dos adultos. Da mesma forma que não vamos para o altar de fraldas, também chegará o tempo em que o jovem terá maturidade suficiente para enfrentar as atrocidades do mundo. E terá muito mais energia para as enfrentar se a sua infância tiver sido poupada. Assim, o acesso à informação por crianças e adolescentes só deveria acontecer naquilo que é adequado para a sua maturidade. Repito que não é necessário que uma criança use um computador ou a Internet, pelo contrário, eles são prejudiciais; mas se algum pai achar que o seu filho deve usá-los, é absolutamente necessário que fique ao lado da criança para que ela não aceda a informação imprópria para a sua idade e não fique horas sentada em frente à máquina, com consequências graves para a sua saúde física.”
“O que é que o Sr. recomenda às crianças e adolescentes em vez do uso do computador?”
“Isso depende da idade. Em crianças até aos 9 anos, o essencial é o incentivo à imaginação e à fantasia - exactamente o contrário do que fazem os aparelhos com tela. Contar histórias, mostrar figuras em livros infantis, jogar à bola, correr e saltar, usar brinquedos toscos de madeira e bonecas de pano, etc. Por falar em livros, infelizmente existem muito poucos livros infantis, entre nós, realmente artísticos e interessantes; em geral as figuras são caricatas, mostrando um mundo distorcido, povoado de monstros. Isto mostra como se perdeu totalmente a intuição do que é apropriado para as crianças e deveria ser suficiente para se desconfiar profundamente de todas estas novidades pedagógicas "modernaças", principalmente as que propõem o uso sistemático de meios electrónicos na educação. Recomendo fortemente a visita a uma ‘Escola Waldorf’ para ver como pode ser um ensino profundamente impregnado de arte e com o mínimo recurso às tecnologias electrónicas. Em particular, visite-se qualquer jardim-de-infância ‘Waldorf’ para se ter uma ideia do que é um ambiente carinhoso, acolhedor, artístico, que faz com que qualquer pessoa queira voltar a ser criança novamente. Note-se como nele não há absolutamente nenhum ensino formal, como apreender a ler ou fazer contas. Há tempo para isso, idealmente aos 6 ou 7 anos de idade. A propósito, nenhuma Escola ‘Waldorf’ digna desse nome usa computadores na educação antes do ensino secundário. Note-se também que, nestas escolas, não existe a geração do «copia-e-cola»."
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , ,

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Magalhães: Velhos do Restelo ou alternativas ao Choque Tecnológico?

Valdemar Setzer, professor no Departamento de Ciência da Computação da Universidade de São Paulo, uma das vozes mais críticas da utilização de computadores por crianças, deu no passado mês de Junho uma polémica entrevista que transcrevo com a devida “tradução” para o português europeu.
"Quais são os seus principais argumentos contra o uso de computadores na educação?"
"Eu uso um argumento que talvez seja único, pois provavelmente mais ninguém o usa: o computador força um tipo de pensamento matemático, lógico-simbólico, que não é próprio para as crianças ou mesmo para os adolescentes. O computador também força uma linguagem formal, estrita. É uma máquina que trabalha com causa e efeito matemáticos, isto é, se a máquina está num certo estado, dando-se um comando ou accionando-se um ícone ocorre sempre o mesmo efeito. Isto não existe noutras máquinas e muito menos nas actividades humanas, principalmente nas relações sociais. Esse tipo de pensamento e linguagem, forçados pelo computador, não é próprio para crianças. Além disso, mais ou menos até aos oito anos de idade as crianças não distinguem fantasia e realidade.O computador e a internet exigem muita maturidade e autocontrole. Eles representam um ambiente totalmente fora do contexto cultural e de maturidade da criança. Ela teria que ter um discernimento de adulto para distinguir o que é próprio ou impróprio para a sua idade e cultura. A internet, quando usada na educação, representa uma educação libertária, onde a criança faz o que quer. Sou totalmente contra este tipo de educação, pois as crianças e adolescentes precisam de ser orientados. Em termos de internet, existe um enorme perigo para crianças e adolescentes, como foi mostrado por Gregory Smith no seu livro, "Como Proteger os seus Filhos na Internet" , que está a ser traduzido pela Editora Novo Conceito para o qual dei um parecer favorável e fiz um resumo, disponível no meu site. Nesse livro, ele mostra como as crianças e os adolescentes são extremamente ingénuos (ainda bem, senão seriam adultos!) e revelam dados pessoais em blogues, chats, e-mails etc. chegando a conversar com desconhecidos. Isto mostra a necessidade de uma certa maturidade para usar a internet. Não é, em absoluto, necessário que uma criança ou adolescente use a Internet. Afinal, nenhum adulto que hoje tenha mais de quarenta anos usou computador ou internet quando criança ou adolescente e, hoje, não tem dificuldades em usá-los. No entanto, se algum pai acha que os filhos devem usar internet, deve estar permanentemente ao lado da criança ou adolescente. Computador e internet são coisas sérias e não brinquedos. Penso que só por volta dos 17 anos é que um jovem começa a perceber que o computador e a internet podem ser instrumentos de trabalho sérios e úteis. Esta é, na minha opinião, a idade ideal para que os jovens comecem a usar a internet e o computador. Infelizmente, esta sugestão é considerada bastante utópica por parte de pais e professores, por falta de conhecimento ou pela abdicação da responsabilidade de educar."
"O que é que o Sr. achou do estudo realizado na Unicamp que aponta a queda no rendimento escolar dos alunos que usam os computadores para realizar as tarefas escolares?"
"O estudo da Unicamp confirmou um outro anterior feito no Instituto de Pesquisas Económicas da Comunidade Europeia, utilizando os mesmos dados (Saeb de 2001). Só que no da Unicamp foi feita uma análise multivariada, separando-se os alunos em classes socioeconómicas, mas no global os resultados foram os mesmos: quanto mais os alunos usam o computador, pior é o rendimento escolar. Estes e outros estudos comprovam as minhas deduções, que tinham sido puramente conceituais. Em geral, supõe-se que uma das causas do abaixamento do rendimento escolar seja a perda de tempo no uso do computador em vez da dedicação a tarefas escolares. Claro que esse é um factor importante, mas eu vou muito mais longe, pois analiso a influência do computador sobre a mente das crianças e jovens, em particular, sobre o pensamento. Por exemplo, qualquer aparelho com tela prejudica a imaginação, pois quando se vê uma foto, ou pior, um filme ou animação, não há nada mais a ser imaginado. Compare-se com a leitura de um romance onde tudo tem que ser imaginado, isto é, no segundo caso incentiva-se e treina-se a imaginação. Os desastres provocados por estes aparelhos levou um neurologista alemão, Manfred Spitzer, a escrever um livro cujo título é "Cuidado, Tela!", onde ele mostra que todos os aparelhos com tela produzem enormes prejuízos para crianças e jovens, desde um aumento de peso pela passividade física que estes aparelhos impõem até vários problemas psicológicos, como o aumento da agressividade, passando por muitos outros efeitos." (continua…)
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , ,

terça-feira, 23 de setembro de 2008

O culto da mediocridade

Na sequência do comentário do Diogo no ‘post’ abaixo (cuja leitura é fundamental para o entendimento deste), que como referi, é uma adaptação minha de um texto recebido por e-mail; e a propósito das declarações alucinadas feitas hoje pela dona Maria de Lurdes, decidi insistir no tema. Antes porém, um esclarecimento… O autor do blogue não se identifica com nenhum dos partidos políticos existentes (lamento se goro expectativas), o que obviamente não o impede de pontualmente ter posições coincidentes com algum (ou alguns) deles. O texto publicado ontem é na sua essência uma crítica à mensagem implícita no novo Estatuto do Aluno (Lei nº 3/2008 de 18 de Janeiro) que a dona Lurdes apresentou como necessário para aligeirar a carga burocrática dos procedimentos conducentes à punição disciplinar de um aluno, que existia (segundo ela) no antigo estatuto; mas afinal, a única grande novidade que apresenta é a penalização dos professores pelas faltas dos alunos, sobretudo se estas forem injustificadas e os alunos estiverem fora da escolaridade obrigatória. Na anterior Lei, sempre que um aluno, fora da escolaridade obrigatória, excedia o limite de faltas injustificadas, estava automaticamente excluído. Agora, quando o aluno ultrapassa esse limite, o professor tem de lhe elaborar uma prova e, se o aluno obtiver aproveitamento na dita, as faltas dadas até aí deixam de contar. Se o aluno não obtiver aproveitamento na prova, mesmo que as faltas sejam injustificadas, o Conselho de Turma pondera a justificação ou não das mesmas (não há engano, é mesmo isto que está escrito no artigo 22º) e pondera ainda se o aluno deve ou não ser submetido a um plano de recuperação (com possibilidade de aulas de apoio) e a posterior sujeição a uma nova prova, podendo ainda, eventualmente excluir o aluno por faltas, o que não convém porque vai estragar a avaliação dos professores desse Conselho de Turma, uma vez que a classificação dos docentes (na sua avaliação) depende do sucesso dos seus alunos. É esta cultura do laxismo, da irresponsabilidade e da impunidade, na escola dos coitadinhos, que não posso deixar de criticar. Quanto aos dois milhões de pobres, também já me referi a eles em ‘post’ anterior. Muitos deles são trabalhadores por conta de outrem que laboram no duro 40 e mais horas por semana e são pagos miseravelmente. Uma percentagem igualmente significativa, são reformadas que depois de uma vida de trabalho árduo auferem pensões de miséria, que muitas vezes nem chegam para pagar as despesas de saúde. O rendimento Social de Inserção pago à custa dos nossos impostos é muitas vezes atribuído a famílias numerosas de gente de pele morena, Mercedes (ou BMW) à porta da casinha atribuída pela câmara (também à nossa custa) que passeia impunemente pela rua de caçadeira na mão, finge vender roupa contrafeita nos mercados de levante mas de facto enche os bolsos em negócios de metais amarelos adquiridos sem recibo nem vontade do vendedor, pós brancos de cheiro característico e armas de caça grossa. Que matriculam os filhos na escola para terem direito ao dito Rendimento (que algumas vezes excede os 750 euros) mas estes raramente lá põem os pés. São vários, os que à luz da teoria do coitadinho protegem estes parasitas da sociedade. É esta imagem de impunidade que o novo estatuto quer incutir nos adolescentes. O tal direito ao sucesso de que falava a ex-sindicalista que lidera a DREN e que hoje foi reforçado pela senhora da 5 de Outubro quando afirmou que o objectivo é chegar a 100% de sucesso no 9º ano, nos próximos anos. Um dia destes, ainda havemos de ver o ‘Inginheiro’ que provavelmente não completou o liceu, ou um seu herdeiro político, a distribuir diplomas de mestrado à saída das maternidades. Sublinho de novo, a todos os que querem propagar, por força de Lei, a sua própria mediocridade: P*** que os pariu.
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , ,

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

O problema não é dele…

O Estatuto do Aluno concede-lhe o direito de não reprovar por faltas. Se faltar, o problema não é dele... A escola é que terá de lhe facultar apoio e resolver o problema. Tendo atingido o fim da escolaridade sem saber ler nem escrever e mesmo sem ter posto os pés nas aulas, o certificado das suas fantásticas habilitações concede-lhe o direito de ter um emprego. Se por acaso faltar ao emprego como faltava às aulas, o problema não é dele. O patrão, se precisa mesmo do empregado vai ter que resolver a questão.
Se, por um impensável absurdo, for despedido, o problema não é dele. O estatuto de desempregado concede-lhe o direito de ter um subsídio de desemprego.
Se, na vigência do subsídio, faltar às entrevistas ou recusar novo emprego,o problema não é dele. As suas competências, arduamente adquiridas, concedem-lhe o direito de escolher um emprego compatível com a especificidade da sua complexa individualidade. O problema é do Instituto do Emprego, obrigado a arranjar-lhe ocupação condizente ou a engrossar as listas de desempregados.
Se, por possuir um carácter de tal excepcionalidade não for, de todo, possível arranjar-lhe emprego à altura, o problema não é dele, que o estatuto de cidadão concede-lhe o direito ao Rendimento Social de Inserção, que constituirá uma renda perpétua, pois tão distinto cidadão tem direito a uma vida digna. Este, constitui uma renda paga pelos portugueses e não, como devia ser, pelos autores desta celerada lei, fautora da indisciplina, do laxismo, do não te rales, da irresponsabilidade mais absoluta.
Por uma vez, evocando o direito à indignação: P*** que os pariu!…
[Adaptado de um texto recebido por e-mail, de autor desconhecido]
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , ,

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

"É preciso topete" - Santana Castilho

"Para os portugueses que conhecem a realidade das escolas e do sistema de ensino, comentar as últimas afirmações de José Sócrates é pura perda de tempo. A credibilidade do que diz não vai além da da publicidade enganosa. Mas junto dos menos esclarecidos, que infelizmente constituem a maioria, é dever cívico não as deixar passar em branco.
É preciso topete para falar do maior investimento de sempre nas escolas portuguesas, quando as verbas consignadas à Educação, em cada um dos três orçamentos de Estado da responsabilidade deste governo, decresceram sempre até atingir, no orçamento de 2008, o valor mais baixo dos últimos sete anos, quer em termos absolutos, quer em percentagem do PIB.
É preciso topete para, não contente com tal demagogia, ainda se gabar de um programa que vai obrigar qualquer governo, até 2015 - note-se bem, 2015 -, a executar orçamentos de Estado sucessivos segundo a cartilha que ele agora definiu. Onde chegou o absolutismo! Qualquer governo e ministro da educação futuros terão a vida armadilhada pela enxurrada caótica de legislação que será preciso corrigir. Mas destacar o armadilhamento das decisões dos que virão é obra dum despudor inimaginável.
É preciso topete para dizer que os que manifestam opinião contrária ao Grande Delfim ofendem os professores, os alunos e as famílias.
É preciso topete para dizer que os críticos não sabem explicar por que razão as reprovações caíram ao longo dos últimos três anos. Onde tem andado Sócrates, que não lê, não ouve, nem vê o que, de todos os quadrantes, tem formado um consenso notório? O milagre da drástica diminuição das reprovações deve-se a uma despudorada manipulação estatística, da responsabilidade do Governo.
Há dias e a esse propósito, questionado por Mário Crespo na SIC Notícias, o ministro Santos Silva foi de uma candura comovente. Disse ele não compreender os críticos de um facto evidenciado por dados fornecidos pela estatística, que é uma ciência. Como cientista social, não ignora que a natureza dos indicadores e o uso que deles se faz condiciona fortemente os resultados a que, a coberto da estatística, se pode chegar. Como professor universitário, sabe que o objecto da Ciência é a procura da verdade e que na história desse percurso abundam exemplos de enormes mistificações e desonestidades feitas em seu nome. Como político, não ignora a convicção de Maquiavel, segundo a qual a Política não conhece a Moral. Porque não aproveitou a ocasião para separar bem as águas? Por que não resistiu a dar ele próprio um belo exemplo de manipulação grosseira? Santos Silva denegriu uma sociedade científica, de cujo nome se não recordava, por ter dado um parecer favorável sobre um exame que, depois… (estupefacção do ministro)… viria a criticar fortemente, pelo seu “facilitismo”. Falava da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM), a quem o Ministério da Educação pediu um parecer sobre a eventual existência de erros científicos no exame de Matemática do 9º ano. À SPM não foi pedido parecer sobre a adequação pedagógica do exame nem sobre o correspondente grau de dificuldade. A SPM já separou as águas publicamente. É preciso topete para teimar em misturá-las!O milagre da drástica diminuição das reprovações deve–se: a um estatuto do aluno que incentiva a indisciplina e desvaloriza o trabalho (os alunos podem passar sem pôr os pés nas aulas); a um estatuto do professor que baniu a palavra ensino e grudou a carreira dos docentes a resultados que dependem de muitas variáveis que eles não podem controlar; a uma autêntica avalanche normativa (há quem tenha contado 37 comandos diários) que soterrou as escolas em burocracia que o talento de Franz Kafka não imaginaria; a um perverso processo administrativo que dificulta de tal modo o chumbo que o mais inteligente é nem começar; a exames indigentes, a que só falta trazer as soluções, de patas para o ar, no final do enunciado; a uma confusão assassina sobre o que significa sucesso escolar (notas fabricadas versus conhecimento efectivamente acrescentado)."
Santana Castilho, Professor do Ensino Superior

Etiquetas: , , ,

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

"Os números da ministra, os da OCDE e o dia-a-dia da escola"

"Para assinalar a abertura do ano lectivo, o PÚBLICO pediu a 85 professores que dissessem o que iriam fazer para melhorar a escola. Não escolhemos uma amostra científica nem procurámos que fosse representativa, apenas tivemos o cuidado de que fosse aleatória e de não condicionar as respostas. Ora lendo o trabalho que hoje editamos verifica-se que uma grande parte dos professores, talvez a maioria, afirma ou dá a entender que ensinaria melhor se o ministério atrapalhasse menos. E são numerosíssimas as respostas em que se percebe até que ponto chegou a desmotivação de muitos docentes. No entanto, milagrosamente, a ministra Maria de Lurdes Rodrigues e o primeiro-ministro José Sócrates vieram dizer-nos que tudo corre às mil maravilhas na área da educação. Há mais investimento (?) e conseguiram-se melhores resultados a todos os níveis, sobretudo no sucesso educativo dos alunos. Distribuíram aos jornalistas alguns quadros em abono da sua tese, provando que a percentagem de chumbos diminuiu (mas já não entregaram os números absolutos, para se perceber melhor o universo a que se referiam as percentagens...), e ainda disseram, humildemente, que o êxito se devia aos professores. O que significa que estamos perante um paradoxo: professores que viveram um ano conturbado e de contestação conseguiram o milagre de estarem fortemente motivados para alcançar os objectivos com mais sucesso. Não bate certo. Até porque o inquérito também não encontrou, antes pelo contrário, esses professores altamente motivados. Existindo um paradoxo, tem de existir uma explicação. A primeira seria estarmos perante uma geração de alunos mais motivada e mais interessada na aprendizagem e no sucesso. Seria óptimo se fosse verdadeira, mas é falsa: a maioria dos alunos são os mesmos do ano passado, só que um ano mais velhos. Por esse lado não houve milagres. A segunda explicação é a que foi ontem dada pela generalidade dos professores que se pronunciaram: há instruções para chumbar menos alunos, houve exames mais fáceis e aumentou-se tanto a burocracia que é quase preciso ser um herói para, como se diz em ‘eduquês’, "reter" uma criança ou um adolescente. É muito mais fácil deixá-lo prosseguir, mesmo que mal preparado. Infelizmente é esta a resposta verdadeira, a resposta que foi sendo antecipada ao longo do ano lectivo, quando aqui se escreveu que o Ministério da Educação estava mais preocupado com boas estatísticas do que com um bom sistema de ensino e alunos realmente qualificados. Vale a pena citar, a este propósito, José Pacheco, director do Centro de Investigação em Educação (CIED) da Universidade do Minho, que ontem explicou à agência Lusa que "as elevadas taxas de retenção que se registavam há uns anos eram incomportáveis para qualquer Governo, por causa da comparação dos resultados a nível internacional. Agora reter um aluno é um processo difícil, o que faz com que, estatisticamente, haja uma diminuição significativa dos chumbos". Ou então Jorge Ramos, especialista em História da Educação, que concretizou: "Os níveis de exigência estabelecem-se de acordo com os objectivos esperados por parte do Estado e o objectivo actual é que toda a gente termine o seu percurso escolar. As competências e os objectivos esperados para cada ano de escolaridade passam a ser definidos em função de toda a população de uma determinada faixa etária." Acontece porém que, mesmo utilizando as estatísticas portuguesas, em particular as do Ministério da Educação, a OCDE sempre vai produzindo estudos comparativos que, mesmo condicionados pelos dados enviados de Portugal e não podendo avaliar fenómenos como o criticado "facilitismo", permitem comparações interessantes. Por exemplo: ficámos a saber que Portugal é um dos países da União Europeia onde se dedica menos tempo ao ensino da língua pátria e da Matemática, precisamente as duas cadeiras centrais, básicas, de qualquer currículo escolar; ou que os docentes portugueses de todos os níveis de ensino são os que dão mais horas de aulas e os que mais tempo têm de permanecer nas escolas, razão por que é provável que sejam dos que têm menos tempo para preparar as aulas e dos que mais horas gastam a preencher papéis e a desempenhar funções burocráticas. Fazendo o cruzamento das estatísticas "embrulhadas" para eleitor ver com as da OCDE e acrescentando a leitura que os especialistas fazem do "milagre" do sucesso, só se pode chegar a uma conclusão: depois da fase da massificação do ensino que, naturalmente, se traduziu numa perda de qualidade por passarem a aceder ao sistema alunos com uma base familiar mais frágil, aquilo que devia ser a fase da qualificação e da exigência está ser substituído por uma mistificação que procura transformar o insucesso em sucesso, fingindo que, assim, se ganhou qualidade. Num país onde os níveis formais de qualificação da população continuam ao nível dos da Turquia (só 28 por cento da população entre os 25 e os 64 anos completou o ensino secundário), este teatro político não é uma comédia, é uma tragédia que pagaremos muito caro no futuro."
José Manuel Fernandes, no “Público” de 10 de Setembro de 2008

Etiquetas: , ,

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Todos para a esquadra, já!

O Tribunal da Relação do Porto condenou ontem o Estado ao pagamento de uma indemnização a Pinto da Costa, Presidente do Futebol Clube do Porto, por detenção ilegal, durante três horas, no âmbito do processo Apito Dourado. A ser confirmada esta indemnização, por instância superior, Pinto da Costa receberia mais de 22 mil escudos (na antiga moeda) por cada minuto de detenção. O que (obviamente) me obrigaria a exigir ser imediatamente detido, preferencialmente por uma gaja boa.
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: ,

domingo, 14 de setembro de 2008

“Hoje é preciso saber-se muito…”

Na passada sexta-feira, de visita à Escola Secundária José Gomes Ferreira (Lisboa), no âmbito da iniciativa “O dia do Diploma”, dirigindo-se aos alunos, José Sócrates disse que “hoje é preciso saber-se muito para se entrar no mercado de trabalho”. Uma vez mais, como já vem sendo hábito, disse-o e conseguiu não se rir. É que felizmente isso ainda não é válido para todos os empregos, no entanto, é fundamental para uma carreira política de relevo. Veja-se por exemplo o caso de Maria de Lurdes Rodrigues a quem faríamos uma injustiça se considerasse-mos que (apenas) sabe muito, quando de facto, a figurinha, sabe-a toda. Para os incrédulos nas capacidades da dita, deixo dois exemplos: 1- Cavalo de batalha da sua tutela foi a implementação de um Novo Estatuto da Carreira Docente e de um novo modelo de avaliação de professores, pois tal (dizia) era fundamental para a melhoria dos resultados escolares. Atente-se no número 2 do artigo 3º do Decreto Regulamentar nº 2/2008, de 10 de Janeiro: “a avaliação de desempenho do pessoal docente visa a melhoria dos resultados escolares dos alunos (…)” Ora, durante os três anos da senhora à frente do Ministério da Educação, nos dois primeiros, a avaliação dos professores não se realizou devido ao congelamento da progressão na carreira e no último (2007/2008) apenas os contratados foram avaliados e de forma simplificada. Apesar disso, nesse período (repito, três últimos anos), a taxa de retenção e abandono escolar caiu 27,2% no ensino básico e 29,3% no ensino secundário; 2- No início de 2008, confrontada com a impossibilidade técnica de aplicação em tão curto tempo, do complexo modelo de avaliação que havia elaborado, a dona Lurdes teimou na necessidade de avaliação, ainda que simplificada, dos docentes contratados, sem a qual, não poderiam concorrer ao concurso correspondente ao ano lectivo que agora se inicia. No entanto, a avaliação deste ano lectivo de 2008/2009, nos moldes em que está legislada, só deverá ficar concluída, na melhor das hipóteses, no final de Julho de 2009, podendo mesmo prolongar-se até 31 de Dezembro de 2009. Porém, em Fevereiro, deverá decorrer o concurso para colocação e afectação de docentes que será válido por 4 anos, obviamente, sem que qualquer avaliação tenha sido concluída. Ainda há quem ache que a lógica é uma batata, mas a maioria começa a considerar que é mais provável que seja um robusto ramo de cenouras, que Lurdes Rodrigues vai devorando com avidez.
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , , , ,

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Dedicado às vítimas do 11 de Setembro...

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Passar é ‘bué da fixe’…

De acordo com os dados publicados pelo Ministério da Educação, tornados públicos, ontem, a taxa de reprovações nos ensinos básico e secundário, atingiu no passado ano lectivo (2007/2008) o valor mais baixo da última década. A melhoria dos resultados, ao que consta, ter-se-á verificado em todos os níveis de ensino. Quando comparadas com o ano anterior, as reprovações diminuíram 3,5% no secundário e 2,5% no básico. Perguntada pelo jornalista do Correio da Manhã se estava satisfeita com os resultados, a Ministra respondeu: “Muito. Diminuímos o insucesso e o abandono. É motivo de alegria e orgulho para todos.” Justificando os resultados, a 'douta' senhora afirma que resultam “de um trabalho continuado: mais tempo de estudo acompanhado, o Plano de Acção da Matemática, planos de recuperação, escola a tempo inteiro.” Senhora Ministra, não confunda os professores com a gentinha dos gabinetes ministeriais, motivo de orgulho para um professor é os seus alunos demonstrarem elevado grau de conhecimentos, não uma equipa ministerial mostrar capacidade de manipulação estatística. Para lhe reavivar a memória, lembro que o Estudo Acompanhado existe apenas no ensino básico, o Plano de Acção da Matemática, também foi implementado apenas no básico e somente nos dois últimos anos, não tendo sido aplicado a nenhum aluno que agora completou o 12º ano, planos de recuperação também só existem no básico e a escola a tempo inteiro, apenas no 1º ciclo. O que significa que não apresenta qualquer justificação válida, para as melhorias reveladas pelas estatísticas, no ensino secundário, onde as reprovações caíram em relação ao ano passado: 1,6%, no 10º ano; 4,2% no 11º ano; e 3,3% no 12º ano. Em comparação com o início da década de noventa, o número de chumbos diminuiu escandalosamente cerca de 50%, apesar da massificação da escolaridade obrigatória até ao 9º ano, ter trazido para o sistema mais alunos com dificuldades de aprendizagem. Em compensação, enquanto nessa época os alunos, à saída do secundário sabiam qualquer coisinha, hoje, salvo honrosas e escassas excepções, repetem frases avulsas lidas em manuais e copiam acriticamente textos encontrados na Internet. A capacidade de raciocínio de alguns é tão fraca que o único futuro que se lhes augura é um cargo no governo. Alguns, com a cunha certa, talvez cheguem a ministros da educação e então, tal como acontece hoje, será inútil explicar-lhes que o sucesso educativo se mede pelo grau de conhecimentos dos alunos e não pelas percentagens de aprovação.
Apache, setembro de 2008

Etiquetas: , , ,

domingo, 7 de setembro de 2008

O regresso da Guerra Fria

A Rússia de hoje pode ser substancialmente diferente da União Soviética dos tempos da velha Guerra Fria, mas em alguns aspectos, parece não querer deixar os seus créditos em mãos ocidentais. A fazer fé nas recentes declarações (datadas de 29 de Agosto) do ex-comandante da Frota Russa do Mar Negro, o Almirante Eduard Baltin, o lema parece ser: a propaganda quando nasce é para todos. Segundo a agência de notícias russa, RIA Novosti, instado pelos jornalistas a comentar a presença de 10 navios da Nato nas águas do Mar Negro, com outros 8 a serem esperados no local, Baltin afirma peremptório: “Apesar da aparente força, este não é um grupo de navios digno de uma batalha. Se fosse necessário, uma única salva de mísseis do cruzador ‘Moskva’ (o Navio-Almirante) coordenada com mais dois ou três navios seria suficiente para aniquilar todo o grupo. Em 20 minutos limpávamos as águas.” À pergunta de qual a probabilidade de um confronto militar entre a Rússia e a Nato no Mar Negro, descansou os jornalistas, respondendo com sarcasmo: “O risco é negligenciável. Nós não vamos disparar primeiro e eles não parecem pessoas com tendências suicidas!”
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , ,

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

A Falta de vergonha... (2)

Num balanço aos meses de Verão mais frios de que tenho memória, escreve-se assim no Instituto de Meteorologia: “O Balanço Climatológico do Verão de 2008 (meses de Junho, Julho e Agosto) no Continente evidencia registos de um período caracterizado por tempo quente e seco. Numa comparação com os valores médios de referência climatológica (3 décadas, de 1971 a 2000) verifica-se que no Verão do corrente ano as temperaturas médias situaram-se ligeiramente abaixo daqueles valores, embora evidenciando uma elevação relativamente aos valores médios registados em igual período do ano passado.” O texto (que podem ler na íntegra no link acima) continua em moldes de tal ridículo que não consegui conter o riso nesta frase: “Numa análise regional do Verão de 2008 no Continente verifica-se que no Sul foram registados valores de temperaturas máximas acima dos valores do período de referência” [referem-se a 1971 a 2000]. O artigo não está assinado, o que é pena, porque a um funcionário destes, eu preferia que os meus impostos pagassem o Rendimento Social de Inserção, e dessem o emprego a alguém com neurónios suficientes para conseguir ler um termómetro. Já agora, antecipando a possibilidade da propagação pelo Instituto, de semelhante espécie, deixo uma perguntita… Será que se faz a despistagem de álcool e drogas nas instalações do Instituto de Meteorologia, ou o sítio virou ‘Sala de Chuto’?
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , , , ,

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

A falta de vergonha…

De visita a algumas escolas da região de Lisboa, o Primeiro-Ministro, instado a comentar o facto de largas dezenas de milhares de docentes terem ficado sem colocação, afirmou: “Muitos gostariam que o Estado contratasse mesmo que não precisasse deles, mas não é essa a nossa visão. O tempo da facilidade acabou.” Estas asserções são de dúbia interpretação, daí que convenha esclarecer que: 1- A responsabilidade pela contratação de professores está, como esteve no caso dos anteriores governos, delegada no Presidente do Conselho Executivo (ou Director, se for o caso) de cada Escola ou Agrupamento de Escolas, que, por norma (salvo algum lapso, a que ninguém é imune) sempre contratou, apenas, em caso de necessidade. A lógica na acção, é prática corrente nas actividades humanas e não um mérito (especial) do seu Governo, Senhor Sousa; 2- Mais do que alguns destacados membros do seu Governo, os professores esperam que, de facto, o tempo da facilidade tenha acabado. E que licenciaturas concluídas aos domingos, em universidades de credibilidade duvidosa, com trabalhos de casa medíocres enviados por fax, sejam práticas do passado, protagonizadas por gentinha sem carácter, grupo ao qual, a esmagadora maioria dos docentes portugueses se orgulha de não pertencer.
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , , ,

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Obama, "O Profeta" (2)

A eurodeputada Ana Gomes esteve presente na Convenção Democrata e sobre ela, escreveu assim: “Desci a rampa do estádio, em Denver, rodeada de gente que ria, sorria ou chorava, largando interjeições emocionadas: «Oh my God! We've got to elect him.» «He is great, great, great!» «He must be President!» Eu estava sem fala e dava-me também para sorrir, cabeça e coração fervilhantes de admiração, contentamento e esperança. Não era só da excitação de sentir que estava a assistir à história e ao sonho de Martin Luther King a realizar-se.” Eu até podia ser mauzinho e perguntar, que mais, além do sonho de Martin Luther King, excitava a senhora? Mas, sinceramente, prefiro permanecer na ignorância. Adiante no seu relato dos acontecimentos, entre outras qualidades que só ela descobriu no candidato que lhe tira a fala, encontrou também a “extraordinária capacidade de comunicar”. Ora aqui é que está o busílis da questão. A paixão de Ana Gomes é tal, que ela perdeu a noção do significado da palavra “comunicar”. É que comunicar não pressupõe só falar, mas também ser entendido por quem ouve. Que Obama fale muito, não tenho dúvidas, que diga alguma coisa, já me parece um bocadinho forçado, mas esperar que a audiência entenda, é acreditar nas capacidades de milagreiro, do artista. No ‘post’ de 6 de Junho, já tinha citado Obama, num dos seus delírios discursivos, deixo agora um outro, que julgo demonstrativo da sua “extraordinária capacidade de” delirar, ainda que correndo o risco de excitar a eurodeputada. “A beam of light will come down upon you, you will experience an epiphany... and you will suddenly realize that you must go to the polls and vote for Obama.” [Obama - New Hampshire, Janeiro de 2008]
Apache, Setembro de 2008

Etiquetas: , ,