O Último dos Moicanos: Agosto 2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

A prova da inexistência de facilitismo

“A notícia de que as reprovações no ensino «básico» e «secundário» caíram vertiginosamente durante os últimos anos apanhou-me desprevenido. Sinceramente, julgava que o Eng. Sócrates e a Sra. ministra já tinham conseguido erradicar total e definitivamente tal calamidade, e que a figura do «chumbo» estava hoje restrita às decisões de Cavaco Silva sobre as leis governamentais. Erro meu. Pelos vistos, ainda há alunos que reprovam. Permitam-me uma pergunta: como? Permitam-me agora uma resposta: não é fácil e, em abono da verdade, há que reconhecer os esforços do Governo em sentido contrário, embora no mesmo sentido dos governos anteriores. Se bem se lembram, foi o presente Ministério da Educação (ME) que alertou para o peso de cada reprovação no sensível bolso dos contribuintes. Foi o ME que transformou a reprovação numa tortura burocrática que Kafka não se atreveu imaginar. Foi o ME que inventou o novo «Estatuto do Aluno», o qual praticamente ilegaliza as «retenções». Foi o ME que vinculou a avaliação dos professores e das escolas às notas dos alunos. Foi o ME que deixou alunos com 8 ou 9 negativas «transitarem» de ano. Foi o ME que dissipou a pouca autoridade que restava aos decentes sobre as crianças. Foi o ME que baixou a exigência dos exames nacionais para níveis acessíveis a uma ou, vá lá, a duas alforrecas. Foi, enfim, o ME que criou as «Novas Oportunidades» de forma a legitimar com diplomas do 9.º e do 12.º anos os analfabetos não legitimados pelo «ensino tradicional». Perante isto, o Eng. Sócrates nega a existência de «facilitismo», o que é um facto se tivermos em conta que, por enquanto, o Estado não distribui doutoramentos por recém-nascidos. (…)”
Alberto Gonçalves (sociólogo), no “Diário de Notícias” de ontem

Etiquetas: , , ,

domingo, 30 de agosto de 2009

Maria de Lurdes Rodrigues, a ministra da barbárie

“O mandato de Maria de Lurdes Rodrigues no ministério da educação teve a característica, aparentemente paradoxal, de ser simultaneamente de continuidade e de ruptura. Esta é mais fácil de descrever do que aquela, uma vez que consistiu basicamente em duas políticas, ambas com raízes extrínsecas à educação e visando fins políticos fora desta área. A primeira destas políticas - a demonização dos professores - serviu sobretudo o projecto político pessoal de José Sócrates. Tratava-se de arranjar um inimigo interno para congregar a população em torno de um líder supostamente forte (refira-se, a talhe de foice, que expressões como «população» e «opinião pública», relevantes da geografia, da sociologia, da comunicação e do marketing político, calham melhor ao estilo deste governo que a palavra «cidadãos», relevante da política na sua vertente nobre). A segunda política de aparente ruptura foi, por um lado, uma política de «o que parece é», e por outro, uma política de favorecimento económico e político a diversas clientelas. Refiro-me às chamadas reformas, tecnológicas ou administrativas, que não tiveram nem estão a ter outro efeito que não seja dar dinheiro a ganhar aos parceiros do «Centrão» no regime de «crony capitalism» que se está a consolidar no nosso país. Vejam-se, a título de exemplo, as manigâncias com o Magalhães e as adjudicações referentes à requalificação do parque escolar - negócios de muitos milhões a que só alguns eleitos têm acesso. Noutra vertente, a política, o novo modelo de gestão veio satisfazer os apetites de caciques locais, de quem se espera agora, como contrapartida, um maior empenho político no enraizamento do PSD e do PS por via da multiplicação de comissariados políticos. De tudo isto, só a melhoria das condições de conforto nas escolas se poderá traduzir num melhor ensino, mas mesmo assim muito menos do que aconteceria se os projectos de engenharia e arquitectura tivessem sido distribuídos a mais empresas e mais pequenas, de um modo mais transparente, e obedecendo a cadernos de encargos na elaboração dos quais tivessem participado os profissionais no terreno, que são quem melhor sabe o que faz falta. Mas a melhoria do ensino nunca fez parte dos objectivos destas políticas; e mesmo a melhoria da «educação» foi, quando muito, um objectivo subsidiário. Se as reformas e as rupturas tiveram origens e perseguiram objectivos exteriores ao sistema educativo, as políticas de continuidade nasceram dentro do sistema e tiveram como objectivo agir sobre ele. Maria de Lurdes Rodrigues nunca rompeu com o gigantismo do seu Ministério, nunca afrontou os interesses duma burocracia que tem que produzir sempre mais leis e regulamentos, sem cuidar da sua qualidade, utilidade, coerência ou racionalidade, para manter os empregos (nos escalões mais baixos da hierarquia) ou o poder (nos escalões mais altos). Manteve, sem quaisquer modificações, uma política de manuais escolares que não serve os alunos, os pais ou os professores, mas se enquadra perfeitamente nos interesses dos editores e livreiros. Promoveu e reforçou as correntes pedagogistas mais convenientes ao interesse das Escolas Superiores de Educação (ESSE’s) privadas. Na sua complacência criminosa com o gigantismo burocrático, com o delírio pedagógico e com o incivismo que grassa nas escolas, Maria de Lurdes Rodrigues não se distinguiu substancialmente de muitos dos seus antecessores. A diferença decisiva está em que estes, embora criados no caldo de cultura das ESE's e do sociologismo, tinham ligações culturais e conceptuais ao exterior deste mundo, ligações estas que lhes permitiam reconhecer pelo menos a existência de algo para além dele. Maria de Lurdes Rodrigues, pelo contrário, só existe neste pequeno mundo e não acredita que haja alguma coisa fora dele. E, não conhecendo outro mundo, também não conhece o seu. Nunca afrontaria a «Nomenklatura» tecnoburocrática do seu ministério porque nem sequer se dá conta da sua existência - tal como um peixe não se dá conta da água. Por isso foi capaz de assinar um Estatuto da Carreira Docente em que as palavras «ensino» e «ensinar» não aparecem uma única vez - nem sequer na parte em que são enumeradas as vinte e nove tarefas e competências dos professores. O que deixa Maria de Lurdes Rodrigues para o futuro? Que dirá dela a História? Dirá, provavelmente, que introduziu mais irracionalidade num sistema que já era irracional. Que se propôs recompensar os bons professores e penalizar os maus, mas impôs para isso uma ferramenta que tem precisamente o efeito oposto. De futuro, se se mantiver o sistema de avaliação e de carreiras que inventou (ou foi copiar ao Chile), os professores beneficiados serão os mais burocratas, os mais carreiristas, os mais chico-espertos, os mais ignorantes, e sobretudo os mais integrados nas redes locais e nacionais de tráfico de influências. Dirá a História, provavelmente, que foi ela quem abriu aos bárbaros as portas da cidade, entregando nas mãos dos «Isaltinos» e dos «Ferreira Torres» uma das últimas instituições públicas portuguesas que ainda estavam relativamente imunes ao caciquismo e à corrupção. Se a civilização é, como se diz, uma corrida entre a escola e a barbárie, Maria de Lurdes Rodrigues será a ministra que pôs peias e freios à escola. Não foi ministra da educação, foi ministra da barbárie.”
José Luiz Sarmento (professor), do blogue “As Minhas Leituras

Etiquetas: , , , ,

sábado, 29 de agosto de 2009

Os cartazes da pré-campanha eleitoral

“O cartaz do PS é uma reprodução da bandeira nacional, mas com senhoras verdes à esquerda, senhoras vermelhas à direita, e José Sócrates no lugar da esfera armilar. É possível que as senhoras verdes estejam verdes de fome, e as senhoras vermelhas estejam vermelhas de irritação por estarem desempregadas. Mas tanto as senhoras verdes como as senhoras vermelhas olham para o primeiro-ministro com benevolência, o que leva a acreditar que se trata de uma fotomontagem. Na testa de uma das senhoras vermelhas está o slogan: "Avançar Portugal". Uma agramaticalidade que pode ser mais um efeito da insatisfação social: tendo em conta o estado a que chegou a relação entre o Governo e os professores, é natural que não tenha havido ninguém a avisar o PS de que "Avançar Portugal" não é das frases mais escorreitas que já foram escritas no nosso idioma. Em contraponto, os cartazes do PSD apresentam desde logo uma vantagem cromática: são os únicos que incluem uma senhora que não está verde nem vermelha. Manuela Ferreira Leite aparece com a sua cor natural ao lado de frases que o PSD recolheu junto daquela entidade a que antigamente se chamava "povo" e a que hoje se chama "pessoas". Antes das frases, para que não haja dúvidas sobre a sua autoria, diz: "Ouvimos os Portugueses", assim mesmo, com maiúscula. O PSD, à semelhança do que sucede com os outros partidos, aproveita a campanha para ouvir os portugueses, e faz questão de os escutar com particular atenção agora, uma vez que vai passar os próximos cinco anos a ignorá-los. Há um tempo para tudo. O cartaz do PCP contém a palavra "Mudança" (change, em inglês), e a frase "Sim, podemos ter uma vida melhor" (em inglês, "Yes, we can", etc.). Onde é que eu já ouvi isto? Não me lembro, mas parece-me que a fotografia do cartaz mostra um Jerónimo de Sousa bastante mais bronzeado do que é costume. A campanha dos comunistas portugueses usa os mesmos lemas que a campanha do chefe do imperialismo americano, facto que mais uma vez me obriga a constatar que não percebo nada de política. O cartaz mais arriscado é o do CDS. Ao lado da fotografia de Paulo Portas aparece a frase "Há cada vez mais pessoas a pensarem como nós". "Sim, mas são todos sócios da Autocoope", dirão os cínicos que sistematicamente identificam o discurso do CDS com o dos taxistas. O certo é que a mensagem do cartaz é arriscada na medida em que, para chegar à conclusão de que há cada vez mais pessoas a pensar como o CDS, os democratas-cristãos tiveram forçosamente que fazer uma sondagem. Ora, os democratas-cristãos têm-nos dito com muita insistência que não devemos fiar-nos nas sondagens. Que fazer? Eis um cartaz que estimula o pensamento político mas também o filosófico. Quanto ao Bloco, que eu tenha visto, não tem ainda novos cartazes com as suas principais caras. O Bloco tem, evidentemente, caras para pôr em cartazes, mas talvez não saiba ainda quais dessas caras vão estar nos cartazes do PS. Há que esperar e ver quem sobra.”
Ricardo Araújo Pereira, na “Visão” do passado dia 27

Etiquetas: , , , ,

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

As escutas ao Presidente da República

Pelo cartoonista Henrique Monteiro, no seu blogue "HENRICARTOON"

Etiquetas: , ,

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Houve uma redução para metade, do insucesso escolar?

De acordo com o jornal “Público”, a ministra da educação, Maria de Lurdes Rodrigues, afirmou ontem que os resultados escolares do ano lectivo 2008/2009 revelam uma "redução para metade do abandono e insucesso escolar" nos últimos anos. A diminuição do abandono não é surpresa para ninguém, desde que, através de alteração legislativa (Estatuto do Aluno) e inclusive de instruções ilegais (nomeadamente as da DGIDC), o Ministério da Educação manipulou ardilosamente o conceito de falta injustificada, reduzindo o número de reprovações por ultrapassagem do limite de faltas. Quanto à questão da redução do insucesso, para podermos aferir da veracidade das suas afirmações, impõe-se que explique o que entende por “insucesso”. E já agora, se o incómodo não for muito, esclareça também o que (para si) significa “metade” (por via das dúvidas…) Abaixo, apresentam-se dois gráficos com a evolução (dados oficiais), nos quatro anos de tutela do actual governo, das percentagens de reprovações, e das médias, das quatro disciplinas com mais alunos a exame (Matemática A, Português, Biologia e Geologia e Física e Química A). Recordo que (à excepção do de Português) estes exames são feitos com consulta de formulário e com o uso de máquinas de calcular gráficas e programáveis, para as quais os alunos copiam cadernos e livros.
[Cliquem nas imagens para ampliar]
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , ,

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

“E pur si muove”

A foto acima, da Associated Press, publicada no Sunday Telegraph, é uma das fotos mais caricatas do ano. Nashville, Tennessee, 21 de Julho de 2009 (pleno Verão no hemisfério norte), Al Gore (um dos principais responsáveis pela propaganda em volta do alegado aquecimento global antropogénico) acena junto da janela da sua mansão, a um repórter fotográfico da AP, enquanto a neve lhe vai serenamente cobrindo a vidraça.
P.S. Já agora, uma curiosidade em relação ao título:
A frase “no entanto ela move-se” é muito usada em meios académicos para contrariar teorias oficialmente aceites e cientificamente incorrectas. A frase é atribuída a Galileu Galilei, no final do julgamento a que a Santa Inquisição o submeteu por ter defendido publicamente a teoria heliocêntrica de Nicolau Copérnico. No entanto, o mais provável é que Galileu nunca a tenha proferido. Que a Terra se movia em volta do Sol, sabia-o a Igreja há algum tempo, o que a instituição pretendia é que isso não fosse tornado público, daí Galileu ter sido “forçado” a negar publicamente a teoria. A célebre frase terá (ao que consta) sido inventada por Giuseppe Baretti.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , ,

sábado, 22 de agosto de 2009

O alter-ego do “inginheiro”

Carolina Patrocínio, a jovem modelo e apresentadora da SIC, é a mandatária do PS para a juventude. Há dias, num programa da RTP que o vídeo abaixo documenta, disse: “Odeio perder. Prefiro fazer batota, a perder. Gosto de dar nas vistas (no bom sentido). Gosto que reparem. Gosto de ser notada, não gosto de passar despercebida.” E mais adiante: “Odeio os caroços das frutas. Só como cerejas quando a minha empregada tira os caroços para mim. Não como fruta se tiver que descascar. E uvas sem grainha.” São afirmações, ainda que ridículas, desvalorizáveis pela "infantilidade" dos 22 anos da Carolina e pelos mimos que a família (abastada) não parece ter sabido dosear. O que é curioso nesta “estória” é que, com declarações deste tipo, Carolina Patrocínio passa de si, a imagem que temos do “artista” de Vilar de Maçada. Acidentalmente, ou não, o “inginheiro” acaba de descobrir o seu alter-ego.

video

Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , ,

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A pedagogia da DGS

“A tão negligenciada literatura de casa de banho acaba de obter o significativo patrocínio do Estado. O recente panfleto que a Direcção-Geral de Saúde espalhou por todas as casas de banho públicas do País é, antes de tudo, inquietante - como toda a boa literatura deve ser. Intitulado "Como lavar as mãos?", o texto começa por ser magistral no modo como manipula a arrogância do leitor para, em primeiro lugar, provocar o riso. Um riso que depressa se torna amargo: em poucos segundos, o mesmo leitor que intimamente escarneceu da intenção de quem se propunha ensinar-lhe insignificâncias é tomado pelo assombro de verificar que nunca, em toda a vida, teve as mãos verdadeiramente lavadas. O panfleto apresenta um plano de lavagem das mãos em 12 (doze) passos, incluindo manobras de esterilização com as quais o cidadão médio jamais terá sonhado. Não haja dúvidas: estamos perante um compêndio da higiene manual e digital, uma bíblia da desinfecção do carpo e metacarpo. Este detalhado e rigoroso guia não deixa nem uma falangeta por purificar. Mas - e isto é que é terrível -, ao mesmo tempo que o faz, esfrega-nos na cara a nossa imundície passada e presente. Ao primeiro passo da boa lavagem de mãos é atribuído, misteriosamente, o número zero: "Molhe as mãos com água." Trata-se, é claro, de um momento propedêutico em relação à lavagem propriamente dita, mas não deixa de ser surpreendente que a Direcção-Geral de Saúde não lhe reconheça dignidade suficiente para lhe atribuir um número natural. O passo número um vem então a ser o seguinte: "Aplique sabão para cobrir todas as superfícies das mãos." É aqui que começa a vergonha. Quem sempre ensaboou não deixará de sentir a humilhação de nunca ter aplicado sabão. A instrução encontra na linguística um cruel elemento diferenciador do grau de asseio: quem sabe lavar-se aplica sabão; os porcos ensaboam-se. Porcos esses que, como é óbvio, olham pela primeira vez para as mãos como extremidades dotadas de uma pluralidade de superfícies. No passo número dois ("Esfregue as palmas das mãos, uma na outra", recomendação acompanhada de um desenho em que duas mãos se esfregam em movimentos circulares contrários ao movimento dos ponteiros do relógio), quem sempre esfregou no sentido inverso, como é o meu caso, sente que desperdiçou uma vida inteira de higiene pessoal. Os passos seguintes fazem o mesmo, embora em menor grau: em terceiro lugar há que "esfregar a palma da mão direita no dorso da esquerda, com os dedos entrelaçados, e vice-versa"; o quarto passo apela a que se esfregue "palma com palma com os dedos entrelaçados"; e o quinto passo aconselha uma fricção da "parte de trás dos dedos nas palmas opostas com os dedos entrelaçados". Bem ou mal, com os dedos mais ou menos entrelaçados, estes passos descrevem esfregas que estão ao alcance da imaginação de qualquer pessoa. A partir daqui, o caso piora de novo. O passo seis determina que se "esfregue o polegar esquerdo em sentido rotativo, entrelaçado na palma direita e vice-versa", em movimentos semelhantes aos que se fazem quando se acelera numa motorizada, e o passo sete recomenda que se "esfregue rotativamente para trás e para a frente os dedos da mão direita na palma da mão esquerda e vice-versa". O cuidado posto nestes preceitos amesquinha quem até aqui se limitava a esfregar as mãos uma na outra, descurando, por exemplo, o papel que os dedos devem desempenhar, e logo rotativamente, na higiene. Enxaguar as mãos é o passo oito. Secar as mãos com toalhete descartável, o passo nove. Mas o passo dez volta a revelar que o processo é complexo: "Utilize o toalhete para fechar a torneira, se esta for de comando manual." A torneira deve, por isso, continuar a correr durante todo o passo nove, provavelmente para prevenir eventuais emergências de enxaguamento, sendo fechada apenas no passo dez. O décimo primeiro passo é o mais interessante: "Agora as suas mãos estão limpas e seguras." A contemplação da limpeza e segurança das mãos constitui, portanto, um passo autónomo neste processo de lavagem manual. No fim da lavagem, falta apenas, com as mãos impecavelmente limpas (e seguras), sair da casa de banho abrindo a porta em que toda a gente mexeu. E, creio, voltar atrás para repetir o processo.”
Ricardo Araújo Pereira, na “Visão”, de ontem (20 de Agosto)

Etiquetas: , ,

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Dos políticos que temos

Estas declarações têm mais de um ano, mas em vésperas de campanha eleitoral é bom recordarmos que habitualmente só mudam as moscas.
“Os que têm surgido vêm apenas para ganhar eleições, promover-se e repartir vantagens pelos amigos e pelos arrivistas de sempre; usam sem escrúpulos sofismas que só retardam a compreensão das coisas e dificultam a aplicação das decisões essenciais. Montam circos atraentes para impressionar, acenam com «facilidades» que não existem e prometem um «amanhã» que nunca chegará. Servem-se e servem outros.”
Medina Carreira, no Público de 13/06/2008
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , , , ,

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Espelho meu, espelho meu… Há alguém mais bronco do que eu?

video

A dado momento da acção de propaganda que intentou junto de alguns escritores de blogues, no passado dia 27 de Julho, a que já me referi (por outra razão) anteriormente, José Sócrates afirmou: “O que eu queria dizer é que nós fomos o governo que menos fez”. Detectado o erro, o José emendou para: “que melhor fez”. Para a frase ficar correcta, faltou-lhe acrescentar: actuámos como uma verdadeira bactéria decompositora; de Portugal, muito pouco resta.

Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , ,

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O bobo de serviço

Comentando a acção, do passado dia 10, levada a cabo pela ala monárquica do “31 da Armada”, Duarte Moral, um dos assessores de António Costa (o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, eleito em 2007, por 10,8% dos eleitores lisboetas) afirmou: "É tradição da monarquia ter uns bobos de serviço”. Tem razão, Duarte Moral, a diferença é que à época os bobos não governavam nem assessoravam.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , ,

domingo, 16 de agosto de 2009

Gente fina é outra coisa

O jornalista João Cristóvão Baptista escreve no “24 Horas” que o Primeiro-Ministro passou duas semanas de férias numa suíte do hotel de luxo ”Insotel Punta Prima”, na ilha espanhola de Menorca (Arquipélago das Baleares), acompanhado dos filhos e de um segurança, depois de em Junho após a derrota nas “Europeias” ter descansado uns dias no “Sheraton Pine Cliffs”, em Albufeira. Ao que consta, a suíte onde Sócrates ficou alojado, custa a módica quantia de 990 euros por noite (em regime de meia-pensão). Preço a condizer com um dos pratos preferidos do governante luso, uma caldeirada de lagosta do restaurante “Jagardo”, a 100 euros a dose. O ponto interessante desta história é tentarmos perceber como é que alguém que ganha pouco mais de 5500 euros ilíquidos (não considerando as despesas de representação), consegue gastar mais de 15 mil (mais de 4 meses de ordenado líquido), numas férias de 15 dias.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , ,

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

PSP publicita a “causa monárquica”

De acordo com as notícias divulgadas nas edições ‘online’ de vários jornais, três autores do blogue “31 da Armada” (Rodrigo Moita de Deus, Henrique Burnay e Nuno Miguel Guedes) dirigiram-se, cerca das 17 horas, à Câmara Municipal de Lisboa para trocarem a bandeira municipal pela bandeira monárquica, tendo dois deles sido interrogados pela PSP, segundo informação da sua Direcção-Nacional. Rodrigo Moita de Deus, porta-voz do movimento, foi constituído arguido. Convém recordar os distraídos, que quando (há dois anos) um grupo de arruaceiros (Verde Eufémia), de QI inversamente proporcional à intensidade do odor corporal, destruíram 51 hectares de milho, no Algarve, a GNR assistiu impávida e serena à cena. Convém também recordar que quando Luís Filipe Scolari era seleccionador nacional, várias pessoas, em dia de jogo da selecção portuguesa, passeavam na rua, vestindo a bandeira (da república) em total desrespeito pelo símbolo nacional. Ainda hoje, circulando pelo país, se vêem inúmeras bandeiras nacionais sujas e rasgadas, ondulando ao vento, sem que tal ultraje incomode os agentes policiais. Recordo ainda (uma vez mais), que a 10 de Agosto passado, 4 elementos do “31 da armada” arrearam a bandeira municipal e substituíram-na pela bandeira monárquica, num gesto simbólico de sentido contrário àquele que há 99 anos implantou a república à revelia da esmagadora maioria do povo. Não acredito que os dirigentes da PSP sejam suficientemente estúpidos para “angariarem” mais alguns presos políticos, a um regime que se diz democrático, pelo que, suponho ser objectivo da PSP aumentar a “visibilidade” do blogue “31 da Armada” e contribuir para publicitar a “causa monárquica”.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , ,

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Baxter patenteou vacina “contra” o H1N1, em 2007

Segundo noticia a “Visão”, a gigante farmacêutica, Baxter, que está a produzir a vacina para a gripe causada pelo vírus H1N1, registou em 2007 a patente da dita. Já tinha referido que o H1N1, inicialmente chamado de “gripe suína” e depois rebaptizado (de forma pouco correcta) “gripe A” é (ao que parece) o mesmo vírus da “gripe espanhola”, que entre 1918 e 1920 terá morto mais de 40 milhões de pessoas. É portanto admissível que a Baxter tenha decidido produzir, preventivamente, vacina contra o dito. O que não deixa de ser uma estranha coincidência é tê-lo feito tão proximamente ao aumento da actividade do vírus e, estar agora a prepara-se para comercializar esta vacina, separadamente do “cocktail” que constitui anualmente a “vacina da gripe”, com consequentes vantagens económicas para a companhia e prejuízos para o utilizador.
“Yo no creo en brujas, pero…”
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: ,

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Foi há 64 anos

“De súbito, um deslumbrante clarão cor-de-rosa-pálido surgiu no céu, acompanhado de um tremor extraordinário, seguido, quase imediatamente, por uma vaga de calor sufocante e um vento que varria tudo o que encontrava no seu caminho. Em poucos segundos, milhares de pessoas que se encontravam nas ruas e nos jardins do centro ficaram queimadas. Muitas morreram imediatamente devido ao calor sufocante. Outras torciam-se no chão, gritando de dor, queimadas de morte. Tudo o que estava de pé na zona da deflagração - muros, casas, fábricas e outros edifícios - ficou arrasado; os seus destroços, em turbilhão, foram projectados a grande altura. Os comboios foram arrancados dos carris como se fossem brinquedos. Os cavalos, os cães e o gado sofreram a mesma sorte que os humanos. Nem sequer a vegetação foi poupada. Milhares de árvores desapareceram nas chamas, os campos de arroz perderam a verdura, a erva ardeu no solo como palha seca. Para lá da zona de morte total, em que nada ficou vivo, as casas desmoronaram-se num turbilhão de vigamentos, de tijolos e barrotes. Até cinco quilómetros do centro da explosão, as casas construídas de materiais leves ficaram arrasadas como castelos de cartas. Os que se encontravam dentro delas morreram ou ficaram gravemente feridos. Os que, por milagre, conseguiram fugir ficaram cercados por uma cortina de chamas. E as raras pessoas que conseguiram abrigar-se morreram, de uma maneira geral, vinte a trinta dias mais tarde, devido à acção retardada dos impiedosos raios gama... À noite, o fogo começou a diminuir, e de madrugada extinguiu-se. Nada mais havia para arder. Hiroxima deixara de existir.”
Relato de um sobrevivente anónimo
A 6 de Agosto de 1945 um B-29 Superfortress, da força aérea norte-americana (Enola Gay), largou sobre a cidade japonesa de Hiroxima, uma bomba contendo 60 kg de urânio-235. Três dias depois, avião idêntico (Bockscar) largou sobre Nagasáqui outra bomba, desta vez, 6,4 kg de plutónio-239. Cerca de 120 mil pessoas morreram instantaneamente e muitos milhares nos dias seguintes. Mais de 90% eram civis. Um dos maiores crimes de guerra da história recente da humanidade, continua por julgar.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , ,

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Bandeira monárquica içada na Câmara Municipal de Lisboa

[A Câmara Municipal de Lisboa, na manhã de ontem]
Durante a noite e grande parte da manhã de ontem, 10 de Agosto de 2009, a bandeira monárquica substituiu a bandeira do Município, na varanda da Câmara Municipal de Lisboa.
A medida, concretizada pela “ala monárquica” do blogue do “31 da Armada” (ao que consta outras se seguirão) peca, quanto a mim, pelo ridículo do capacete usado pelo protagonista (Darth Vader). Em acções simbólicas, passo a redundância, os símbolos contam.

video

Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , ,

Ministério da Igualdade (entre Homens e animais?)

Aqui ao lado (na vizinha Espanha), o Ministério da Igualdade, liderado por Bibiana Aído, distribuiu um guia, destinado a crianças e adolescentes dos 9 aos 17 anos, que faz parecer a nova lei da educação sexual da nossa Assembleia da República, escrita por puritanos. O guia foi distribuído numa altura em que o governo socialista prepara alterações à lei do aborto para permitir que a partir dos 13 anos, as adolescentes possam abortar sem conhecimento dos pais. No Guia de Saúde VIII, do Ministério da Igualdade, a propósito de sexualidade, lê-se: “vive, investiga, descobre, aprende.” Mais adiante… “Não há uma idade ou um momento determinado para partilharmos a nossa sexualidade. [Não?] Não imponhas isso a ti própria nem permitas que to imponham. A decisão é tua.” Sob a “bandeira” da liberdade, acrescentam: “Tu és dona dos teus sentimentos, do teu corpo, do teu prazer e da tua vida.” Destinasse-se o prospecto a adolescentes e pensar-se-ia que estávamos perante um texto de “deseducação sexual”. No entanto, considerando que se destina também a crianças de 9 anos, quem autorizou a sua distribuição parece não distinguir os humanos dos animais irracionais. A ser assim, não se percebe porque permitem os espanhóis que alguém mentalmente doente exerça o cargo de ministra.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , ,

sábado, 8 de agosto de 2009

Lei da “valorização da sexualidade”…

A Lei nº 60/2009, de 6 de Agosto, “estabelece o regime de aplicação da educação sexual em meio escolar.” Futuramente, aquando da regulamentação da dita (tarefa que deverá competir ao Governo, no prazo de 60 dias) saberemos se esta “aplicação da educação sexual em meio escolar” será uma aplicação prática, com direito a grelha de registo de observações, ou uma aplicação teórica, com direito a testes e (eventualmente) a exame nacional. No artigo 2º da citada lei, pode ler-se: “Constituem finalidades da educação sexual: a) A valorização da sexualidade e afectividade entre as pessoas no desenvolvimento individual, respeitando o pluralismo das concepções existentes na sociedade portuguesa;” “Valorizar a sexualidade”? Haverá lugar à atribuição de uma classificação? E médias nacionais? “Pluralismo de concepções”? Preciso de formação… “b) O desenvolvimento de competências nos jovens…” Hum… Para testar e “valorizar” “competências” tem (mesmo) de haver avaliação prática. “c) A melhoria dos relacionamentos afectivo-sexuais dos jovens;” Só entre os jovens? Protesto. Isto é descriminação com base na idade. “(…) h) A promoção da igualdade entre os sexos;” “Igualdade entre os sexos”? Não quereriam dizer, igualdade entre pessoas de sexo diferente? Não? Retiro o protesto anterior e a necessidade de formação. Fica só para os “jovens” e não se fala mais nisso.
O legislador prossegue depois, grafando em letra de lei mais alguns fetiches, como: o “projecto de educação sexual da turma” (artigo 7º); a criação em cada escola, da “equipa interdisciplinar da educação sexual” com o respectivo “professor-coordenador” (artigo 8º); culminando com a pérola do número 1 do artigo 11º, onde se institui o dever de estudantes e encarregados de educação terem um papel activo na concretização das finalidades da lei.
E pronto, para já é isto. Para um sexo mais educado e mais valorizado, com competências mais desenvolvidas, é favor aguardar a publicação da regulamentação da lei supra.
Apache, Agosto de 2009

Etiquetas: , , , ,

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Listas? Quais listas?

Noutros acampamentos
“Depois de tanto derrame sobre listas de deputados, o realismo manda que se diga que as mesmas não interessam para nada. O Parlamento é, de longe, o órgão eleito mais desprestigiado do regime. São os próprios deputados - pelas suas renúncias, pelas suas faltas, pelo seu desprezo pela função, pela manifesta ignorância - os primeiros a não dar o exemplo. Salvo raras excepções, um deputado português é alguém escolhido pelo respectivo líder partidário para se sentar ou levantar quando o líder o mandar sentar ou levantar. Muitos passam pela legislatura sem abrir a boca, sem uma intervenção escrita, sem um propósito declarado, sem, em suma, cabeça. São colocados neste ou naquele círculo eleitoral, não porque tenham algo a ver com o mesmo, mas porque o líder e o partido assim o entendem. (…) A 27 de Setembro ninguém vai querer saber de cabeças, de corpos ou de rabos de listas para nada. O Parlamento transformou-se num monumento que o regime ergueu à insignificância.”
João Gonçalves do blogue “Portugal dos pequeninos"

Etiquetas: , , ,